Walt Elias Disney nasceu a 5 de dezembro de 1901, numa quinta numa pequena comunidade rural de Chicago. O mundo não estava preparado para a imaginação e determinação daquele que viria a ser o maior criador de animação de todos os tempos. Walt Disney deixou-nos um enorme legado — e pode conferir parte dele na fotogaleria que publicamos em cima, com as 20 personagens inesquecíveis que ele inspirou.

Ainda hoje não se sabe tudo sobre Walt Disney. Se quer perceber até onde vão os seus conhecimentos sobre esta figura franzina de bigode aprumado, então faça as perguntas que nós respondemos.

Quando é que ele se começou a interessar por bonecos?
Muito, muito cedo. Quando Walt andava na escola primária, trabalhava a entregar jornais de porta em porta — e, nessa altura, começou a copiar os cartoons. Na adolescência, frequentou aulas à noite no Chicago Academy of Fine Arts, onde aprendeu a desenhar melhor.

Mas quando era miúdo ele só gostava de desenhar?
Não, também era fascinado por comboios e gostava de ficar a observá-los. O tio, que era maquinista, apitava sempre que o comboio passava por ele para o cumprimentar. Em adulto, Disney construiu uns caminhos de ferro em miniatura no jardim de sua casa.

Além de comboios, gostava de conduzir outras coisas estranhas?
Sim: ambulâncias. É uma história longa. Na realidade, o que ele queria mesmo era combater. Por isso, durante a Primeira Guerra Mundial voluntariou-se para o exército. Mas não teve sorte nenhuma: foi rejeitado por ter apenas 16 anos. De qualquer forma, segundo a revista Time, não desistiu. Walt conseguiu arranjar uma vaga para ele e para um amigo na Cruz Vermelha — e acabaram os dois a conduzir ambulâncias.

Como é que ele se lembrou de dar o nome Mickey ao rato?
Bem, na verdade, não lembrou… O primeiro nome do rato mais famoso do mundo era Mortimer. Mas, depois, a mulher de Walt, Lilian, convenceu-o a mudar para Mickey. Obrigado, Lilian.

Por falar em Mickey: como é que eles faziam aquela voz estranha dele?
Como assim, estranha? Não diga isso: a voz do Rato Mickey era (prepare-se para uma surpresa) do próprio Walt Disney, que fez esse trabalho até 1947.

Já percebi: Walt Disney só gostava de bonecos. Devia ser um pacifista, não?
Nada disso. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele ajudou várias vezes o exército americano e criou inúmeros filmes de animação de propaganda contra Hitler.

Teve algum desgosto na vida?
Sim, claro. O principal trauma dele estava ligado à mãe. Depois do sucesso de A Branca de Neve e os Sete Anões, Walt Disney comprou uma casa aos pais. Mas a mãe acabou por falecer por envenenamento por monóxido de carbono devido a uma avaria no aquecimento dessa casa.

Ele foi um daqueles génios que acabou por só ser reconhecido depois de morrer?
Não. Walt ganhou 22 Óscares da Academia e teve 59 nomeações entre 1932 e 1969 — um recorde que nunca ninguém conseguiu bater.

Porque é que os filmes eram assim tão bons?
Por várias razões, mas há uma curiosa: a Disney deteve a patente do Technicolor durante dois anos e, por isso, os seus filmes eram os únicos que, nesse período, podiam ser a cores. O primeiro foi Flowers and Trees, de 1932.

https://www.youtube.com/watch?v=CWEzHE7wn7U

Ele devia ser muito respeitado na empresa que criou.
Claro que sim, mas ninguém o tratava por “Mr. Disney”. Ele odiava formalismos. É por isso que ainda hoje todos os empregados da Disney estão identificados apenas pelo seu primeiro nome.

Ele era uma daquelas pessoas que trabalham até ao fim?
Sem dúvida. Em 1966, antes de morrer, Walt Disney ainda conseguiu supervisionar todo o processo de produção de O Livro da Selva que foi lançado em 1967.

https://www.youtube.com/watch?v=ytpwzj6Ldo8

Qual foi a última coisa que ele fez antes de morrer?
Ora aí está um mistério. Antes de morrer de cancro de pulmão, Walt escreveu num pedaço de papel as seguintes palavras: Kurt Russel. Sim, Kurt Russel. Nem sequer o ator, que na altura em que Disney morreu trabalhava nos seus estúdios, consegue perceber por que é que ele disse o seu nome.

E expliquem-me lá: sempre é verdade que o corpo dele foi congelado?
Odiamos estar a desmentir uma boa história, mas não, não é verdade. Os rumores de que ele teria sido congelado criogenicamente são falsos. O corpo de Walt Disney foi cremado e enterrado.