Pós-troika

Impostos, salários e concorrência. Os 18 “recados” que a troika vai trazer a Portugal

312

Impostos, salários e concorrência. Diário de Notícias cita documento da Comissão Europeia com 18 problemas que estrangulam o investimento empresarial no país e que devem ser resolvidos urgentemente.

AFP/Getty Images

A Comissão Europeia identificou 18 pontos de estrangulamento do investimento empresarial em Portugal e que precisam de atenção urgente. O Diário de Notícias teve acesso ao documento que contém estes “recados” de Bruxelas e que servirá de base aos trabalhos da missão de acompanhamento pós-programa que tem início dentro de semana e meia. A troika volta a aterrar em Lisboa no dia 27 de janeiro.

Eis alguns dos principais pontos citados pelo jornal:

Continua a ser demasiado difícil despedir. “As regras restritivas dos despedimentos podem travar investimentos”, afirma a Comissão Europeia, repetindo uma opinião que já vem de outros relatórios da troika.

Contratação coletiva é um problema. “Apesar das reformas recentes, o sistema de formação de salários continua muito centralizado, o que pode prejudicar o ajustamento eficiente dos salários”, pode ler-se no documento citado pelo Diário de Notícias.

Burocracia dos licenciamentos labiríntica. “A complexidade dos procedimentos administrativos como, por exemplo, os regimes de licenciamento” são mais um entrave ao investimento e um dos pontos em que a Comissão Europeia vê poucos progressos, um ano e meio depois do final do programa de ajustamento.

Legislação dificulta concorrência em vários setores. Regras vigentes em setores como os portos e a distribuição (retalho) tornam mais difícil que se gere concorrência nestes setores importantes.

Autarquias são símbolo da pouca eficiência do Estado. A Comissão Europeia, um dos membros da troika em conjunto com o FMI e o BCE, assinala que “a margem das medidas de simplificação e de redução da carga administrativa levada a cabo pelo programa de ajustamento económico é limitada e está exclusivamente focada na administração pública central”. Segundo o Diário de Notícias, aos olhos da troika as autarquias gerem os seus negócios e investimento recorrendo a processos obsoletos.

Falta de qualificação dos trabalhadores. Bruxelas continua a ver um grande entrave ao progresso económico do país a qualificação desajustada de boa parte da população ativa em Portugal.

Prazos de pagamento, o eterno problema. A Comissão Europeia regista melhorias, mas ainda insuficientes. Continua a pagar-se e a receber-se demasiado tarde em Portugal, o que “limita o acesso a financiamento” e cria problemas de tesouraria nas pequenas e médias empresas (PME).

Melhor endividar-se do que injetar capital. Outro fator que penaliza a atividade das empresas é que as regras fiscais fazem com que, para os gestores e proprietários, seja mais conveniente o endividamento do que a injeção de capital nas companhias. Este é um fator que torna mais difícil o processo de desalavancagem (redução do endividamento) que há muito se pede em Portugal.

Falta “estabilidade e previsibilidade” no Fisco. Falando em impostos, a Comissão Europeia critica a falta de “estabilidade e previsibilidade” nas regras fiscais, o que é mais um entrave ao investimento empresarial.

Perde-se muito tempo a pagar impostos. Os impostos são elevados em Portugal – é sabido –, mas Bruxelas acrescenta que, além deste facto, o número de horas gastas pelas empresas de média dimensão para preparar, entregar e pagar impostos é, também, excessivo.

Estes são alguns dos pontos que constam do documento da Comissão Europeia que será entregue ao governo português na próxima missão. Além deste, haverá também uma análise mais centrada nas contas públicas (défice orçamental e dívida acumulada).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
333

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Crescimento Económico

Queremos voltar à pré-troika?

Luís Aguiar-Conraria
381

Com níveis de poupança tão baixos, a única forma razoável de aumentar o investimento será atrair investimento estrangeiro. Criar as condições para essa atracção deve ser uma prioridade política. 

Governo

10 notas para memória futura

David Dinis
1.701

Prometi não escrever nada enquanto não visse o quadro todo. Passado mais de um mês, aqui estão 10 notas simples sobre o que acho disto tudo. Prometo ser breve (na próxima vez)

Governo

Governos peculiares

Luís Aguiar-Conraria
885

Se sequer imaginássemos que o PCP ou o BE pretendessem que Portugal saísse do Euro, teríamos dificuldades em delinear uma estratégia mais eficaz.

Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)