Tráfico de droga, contrabando, suborno, extorsão, lavagem de dinheiro e homicídio. Joaquín “El Chapo” Guzmán pode ser suspeito de muitos crimes, mas para a sua mulher, Emma Coronel Aispuro, tudo não passa de uma “invenção” do governo mexicano, que o quer incriminar.

Em entrevista à cadeia Telemundo, divulgada este domingo, Emma recusa as acusações feitas ao marido, que foi capturado em janeiro deste ano e que era procurado pela polícia desde julho de 2015, altura em que fugiu de uma prisão de máxima segurança mexicana:

Não acredito que [ele] trafique drogas. (…) [“El Chapo”] É como qualquer outra pessoa, é uma pessoa normal. É amável, educado, fala com toda a gente, é carinhoso e muito preocupado.

Na entrevista, a mulher de El Chapo culpa as autoridades mexicanas: diz que os guardas “não o deixam dormir” e que este não tem “privacidade”, “nem mesmo para ir à casa de banho”, o que, acusa, é uma retaliação pela sua fuga anterior. Emma Coronel diz mesmo recear pela vida do marido e acrescenta que a culpa é do governo mexicano, que o quer condenar por crimes que não cometeu:

Na verdade, não conhecem a pessoa de quem estão a falar. O próprio governo inventa [os seus crimes] para ter alguém a quem culpar pelo que se está a passar [a guerra sangrenta entre os cartéis de droga mexicanos] (…) Nunca o vi dizer uma palavra má. Nunca o vi exaltar-se.

Sobre a relação entre os dois, Emma conta que casou com “El Chapo”, quando tinha 18 anos e ele perto de 50, porque este a conquistou com “o seu discurso, [com] a sua forma de me tratar” e com a “enorme confiança” que ele lhe inspirou. E diz ainda não ter ciúmes de Kate del Castillo, a atriz com quem “El Chapo” trocou mensagens íntimas para agendar uma entrevista para a revista Rolling Stone, que também incluiu o ator Sean Penn:

Temos tido uma relação muito boa, é um homem muito atento, muito carinhoso, muito respeitador, muito alegre. (…) Em momento algum senti ciúmes da Kate.

A revelação das mensagens trocadas entre “El Chapo” e Del Castillo — onde, entre outras coisas, o mexicano diz que a quer “com todo o meu [seu] coração” — foi também criticada pela mulher do narcotraficante. Emma diz que não percebe “que importância isso tem para o país”. “Não entendo porque é que a PGR divulgou esse tipo de informação. Devia fazer primeiro a investigação e, se [“El Chapo”] fosse [provado] culpado, então aí sim, divulgar essa informação”, afirmou.