Donald Trump e Angela Merkel têm uma relação excelente, garante o Presidente norte-americano, numa entrevista ao Financial Times. Apesar de tudo o que se comentou após o recente encontro, em Washington, entre os dois líderes não é verdade que tenha havido uma tensão palpável no recente encontro entre os dois líderes, garante Donald Trump.

“A imprensa não compreende”, diz Donald Trump: “Tive uma reunião ótima com a chanceler Merkel. Tive uma reunião ótima com ela. Gostei muito dela. E ele disse-me o mesmo. Falei com ela há dois dias. Ela disse-me o mesmo. Tivemos uma reunião ótima e a imprensa não compreende”.

Trump recusou cumprimentar Angela Merkel?

Donald Trump teceu alguns elogios à forma como a União Europeia tem sido gerida no pós-referendo do Brexit. “Julgo que o Brexit é muito bom para o Reino Unido. Será muito bom para o Reino Unido. Julguei, quando aconteceu [a votação no referendo, pela saída], que mais países iriam seguir-se, mas agora acho que a União Europeia está a endireitar-se. [O Brexit] poderá ser algo muito bom para ambos”.

Em concreto, Trump diz que, desde o referendo, “há um espírito diferente no sentido de permanecerem juntos”. “Não acredito que tenham tido esses espírito quando estavam a lutar contra o Reino Unido e o Reino Unido, no final, decidiu sair”, diz o presidente norte-americano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda assim, Trump diz que não sabe “o que vai acontecer” nas eleições francesas. “Sei que tem havido algumas distrações externas que têm afetado esta corrida. Vai ser uma corrida interessante. Não a conheço [Marine Le Pen] e nunca me reuni com ela”.

Marine Le Pen foi vista na Trump Tower

EUA podem agir sozinhos contra a Coreia do Norte

O Presidente norte-americano acrescentou que os Estados Unidos estão prontos para agir sozinhos, em relação à Coreia do Norte, caso a China não aumente a pressão contra o programa nuclear norte-coreano.

A entrevista ao jornal Financial Times foi publicada dias antes de Trump receber no seu resort de Mar-a-Lago o Presidente chinês, Xi Jinping, com quem assegurou que vai discutir a Coreia do Norte. “A China tem uma grande influência sobre a Coreia do Norte. E a China é que vai decidir se nos ajuda com a Coreia do Norte ou não”, afirmou.

Caso a China não o faça, os Estados Unidos são completamente capazes de impedir que a Coreia do Norte desenvolva armas nucleares capazes de atacar os americanos, como o regime de Pyongyang reiteradamente ameaça.

Questionado sobre como o faria, Trump não se pronunciou, afirmando que não faria como “os Estados Unidos de antes, que anunciavam onde iam atacar no Médio Oriente”. Donald Trump invocou as trocas comerciais com a China como incentivo para Pequim fazer o que Washington quer. Embora a China seja um aliado diplomático e económico da Coreia do Norte, Pequim afirma que a sua influência sobre o regime liderado por Kim Jong Un é limitada.