Rádio Observador

Exposições

Victor Palla e Joaquim Bento d’Almeida, os arquitetos do snack-bar

183

A dupla foi responsável pela modernização de inúmeros estabelecimentos comerciais portugueses. A primeira exposição dedicada aos dois arquitetos é inaugurada esta terça-feira no CCB, em Lisboa.

A exposição estará patente na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém de 11 de abril a 18 de junho

© Arquivo do atelier

Victor Palla e Joaquim Bento d’Almeida, uma dupla de arquitetos ligada ao Movimento Moderno, nunca tiveram direito a uma exposição pública. Mas isso está prestes a mudar. Esta terça-feira, pelas 19h, vai ser inaugurada no Centro Cultural de Belém a mostra Arquitectura de outro tempo, que reúne vários trabalhos dos dois arquitetos que, durante 25 anos, foram responsáveis por mais de 700 projetos e pela modernização de inúmeros estabelecimentos comerciais portugueses. E mais: pela introdução em Portugal do modelo norte-americano de snack-bar.

Victor Palla nasceu a 13 de março de 1922, em Lisboa, e Joaquim Bento d’Almeida quatro anos antes. Os dois conheceram-se no Porto, depois de terem pedido transferência da Escola de Belas Artes de Lisboa, marcada por um ensino académico e opressivo. Empenhados na militância da profissão, criaram em 1946 um ateliê conjunto, que funcionou até 1973. Ligados ao movimento da chamada Arquitetura Moderna, criaram durante esse período mais de 700 projetos, dos mais variados, em Portugal mas também em África.

Conhecidos por terem sido os primeiros a introduzir em solo português o modelo norte-americano de snack-bar, foram ainda os responsáveis pela modernização de inúmeros estabelecimentos comerciais, desde charcutarias a cabeleireiros, passando por agências bancárias e farmácias, dando especial importância à remodelação das fachadas numa altura em que nascia uma nova forma de acolher os clientes. Desenharam fábricas, escolas primárias, habitação permanente, temporária (como hotéis e aldeamentos turísticos), e as moradias unifamiliares que a revista Eva sorteava todos os Natais.

As casas começaram a ser sorteadas em 1952. Apetrechadas com o mais moderno mobiliário e equipamento, eram construídas pela dupla de arquitetos num local escolhido pelo feliz contemplado.

Com uma atividade ligada à arquitetura, mas também ao design e às artes, os dois arquitetos deixaram um extenso legado, que a exposição do Centro Cultural de Belém pretende dar a conhecer. Dividida em quatro núcleos principais — “Estabelecimentos Comerciais”, “Moradias”, “Edifícios” e “Equipamentos” — Arquitectura de outro tempo, com curadoria de João Palla Martins e Patrícia Bento d’Almeida, reúne informação oriunda de coleções privadas e arquivos públicos.

A exposição, que será inaugurada esta terça-feira, pelas 19h, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, pretende, na palavra dos curadores, mostrar como “a ‘sociedade particular conhecida indiferentemente por Bento d’Almeida e Victor Palla ou Victor Palla e Bento d’Almeida’, revelou abordagens multidisciplinares e de ‘outro tempo’, com uma profícua atividade desenvolvida, cuidando até ao mais ínfimo pormenor, e simultaneamente alargando a intervenção às áreas do design e integração das artes”.

O reencontro com o material agora exposto permite-nos um novo olhar sobre este ateliê e sua contribuição para a História da Arquitetura Portuguesa”, consideraram João Palla Martins e Patrícia Bento d’Almeida numa nota enviada à comunicação social.

Arquitectura do outro tempo será inaugurada esta terça-feira, 10 de abril, pelas 19h, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém. Ficará patente na sala de exposições de arquitetura até 18 de junho, podendo ser visita de terça a domingo, das 10h às 18h. Os bilhetes custam 4 euros. A entrada é grátis para menores de 18 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)