Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

De Musk sabemos que não só habitualmente consegue atingir os seus objectivos, como tradicionalmente os atinge com soluções que são simultaneamente simples e baratas, ou pelo menos contidas nos custos.

Concebeu os automóveis da Tesla, tanto o Model S como o X, mas algumas das versões partilham os mesmos motores e baterias, apesar de anunciarem potências e autonomias distintas, e praticarem valores a condizer. Com os foguetões da SpaceX seguiu o mesmo raciocínio, pois não só encontrou uma forma inovadora de recuperar os dispendiosos motores principais, diminuindo consideravelmente os custos de cada missão, como vai produzir foguetões de maior capacidade recorrendo a vários motores das naves espaciais mais pequenas.

Vem isto a propósito do camião que a Tesla está a desenvolver e que o responsável técnico da marca californiana, Jeffrey Straubel, já anunciou que não será um desafio complicado para o construtor, mesmo tratando-se de um possante tractor e semi-reboque.

Elon Musk já revelou que o camião será locomovido não por um megamotor eléctrico, mas sim por uma série de unidades eléctricas similares às que vão ser utilizadas no Model 3 – que deverão atingir 340 cv nas versões mais potentes, alimentados por uma bateria de 75 kWh de capacidade –, muito provavelmente uma por cada eixo motriz. Contudo, o maior problema do veículo pesado movido a electricidade não será a potência ou até o binário (força), pois um bom tractor com aqueles enormes motores a gasóleo tem entre 400 e 600 cv e a Tesla monta mais do que isso no Model S (612 cv).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A maior dificuldade será a dimensão e os custos das baterias necessárias para puxar grandes quantidades de carga – mais de 16 toneladas para os maiores semi-reboques – durante grandes distâncias. Mas a bordo não falta espaço para alojar a quantidade de baterias de que o veículo necessita. A solução de Musk passará certamente por equipar o seu camião com uma série de packs, similares aos que já monta nos seus automóveis, ligados entre si. Com o próprio fundador da Tesla a garantir custos por quilómetro inferiores aos camiões diesel actuais, o que será música para os ouvidos das empresas transportadoras.

Resta aguardar por Setembro, mês em que está prevista a revelação oficial do camião, para constatarmos se Elon Musk vai ou não continuar fiel à máxima keep it simple – a mesma que já lhe permitiu voar até à estação orbital e, em breve, até Marte.