Sociedade

Arquidiocese de Braga “abre” sacramentos a divorciados recasados

1.098

A Arquidiocese de Braga vai constituir um grupo para acompanhamento dos cristãos que se divorciaram e voltaram a casar, abrindo-lhes a possibilidade do acesso aos sacramentos.

HUGO DELGADO/LUSA

A Arquidiocese de Braga vai constituir um grupo para acompanhamento dos cristãos que se divorciaram e voltaram a casar, abrindo-lhes a possibilidade do acesso aos sacramentos, foi anunciado esta quarta-feira

Em nota publicada na sua página, a Arquidiocese refere que a decisão de constituir aquele grupo foi aprovada, por unanimidade, no Conselho Presbiteral, em que foram definidas orientações para a renovação da Pastoral Familiar.

O grupo que irá acompanhar os divorciados recasados será composto por leigos e sacerdotes.

“Para além de informar e aconselhar sobre processos de declaração de nulidade do matrimónio, a equipa irá acompanhar cada caso, para que, após um processo de discernimento pessoal, seja reavaliado o acesso aos sacramentos e a possibilidade de virem a ser padrinhos/madrinhas”, acrescenta a nota.

O objetivo da resolução, sublinha, “passa por integrar a pessoa na comunidade cristã, após um verdadeiro processo de discernimento, que conduzirá a uma conversão, um trabalho sério da consciência”.

“Há que evitar dar a entender que se trata de uma ‘autorização’ geral para aceder aos sacramentos. De facto, trata-se de um processo de discernimento pessoal, no foro interno, acompanhado por um pastor com encontros regulares, que ajuda a distinguir adequadamente cada caso singular à luz do ensinamento da Igreja”, pode ler-se no documento intitulado “Construir a Casa sobre a Rocha”, que será divulgado em breve.

O documento vai de encontro à exortação apostólica “Amoris Laetitia” (Alegria do Amor), do papa Francisco.

No documento da Arquidiocese de Braga, é ainda reforçada a importância e responsabilidade da Pastoral Familiar na preparação matrimonial e no acompanhamento dos casais nos primeiros anos de vida conjugal.

São sugeridas algumas ações baseadas nas propostas apresentadas pelo papa, como a realização de reuniões de casais, retiros, conferências de especialistas sobre problemáticas da vida conjugal e familiar, espaços de espiritualidade, preparação de agentes pastorais para falar com os casais acerca das suas dificuldades e aspirações e escolas de formação para pais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)