Rádio Observador

Mobile World Congress

Mobile World Congress Dia 1. “A Internet é um direito básico”

O Observador está em Barcelona no MWC2018, a maior feira de smartphones do mundo. A Nokia relança um clássico e os S9 e S9 Plus são as novidades da Samsung. Siga aqui as principais notícias.

O Mobile World Congress decorre em Barcelona de 26 fevereiro a 1 de março

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

Arranca esta segunda-feira o Mobile World Congress 2018 (MWC), a maior feira de smartphones do mundo, que conta com mais de 100 mil participantes. O Observador está em Barcelona a acompanhar as novidades tecnológicas e este texto vai estar em permanente atualização.

Dia Um

“A Internet é um direito básico”

O primeiro dia do MWC acabou com uma das conferências mais esperadas do evento. Andrus Ansip, vice-presidente da Comissão Europeia, Ajit Pai, presidente da FCC (a autoridade reguladora americana para as comunicações), Marcelo Claure, presidente executivo da operadora de telecomunicações americana Sprint e Sunil Bharti Mittal, presidente da operadora de telecomunicações indiana Bharti Airtel, juntaram-se num painel. O tema em destaque foi neutralidade da rede, o “elefante na sala”, segundo a moderadora Kristie Lu Stout.

Sendo a Ansip o primeiro a ter um momento para declarações, abordou logo o tema dizendo: “a internet é um direito básico, tem de estar aberta a toda a gente”. O político europeu afirmou que a leis europeias oferecem “previsibilidade” ao mercado, protegendo o consumidor. Ao mesmo tempo estas normas são flexíveis “o suficiente” para as empresas, afirmou ainda Ansip.

A subida a palco do americano Ajit Pai, que tem sido a cara pela alteração legislativa americana que retirou poder fiscalização à FCC às operadoras, simbolizou a outra face da questão. Segundo o Pai, “os Estados Unidos estão a mudar a legislação de preventiva, onde todos são considerados culpados, para fiscalização a posteriori, oferecendo maior liberdade às empresas para inovarem.

Quanto ao caso europeu, Pai não se manifestou. Já Andrus Ansip, apesar de ter afirmado não lhe cabia a dizer o que os Estado Unidos devem ou não fazer, assumiu que com a alteração legislativa antevê “alguns desafios”.

Os dois executivos das operadoras presentes defenderam a posição de uma menor intervenção do Estado, afirmando que defendem uma Internet aberta porque “é assim que o mercado a quer”, disse Marcelo Claure. Numa conferência que foi interrompida por dois membros do público — um a queixar-se da alteração da legislação e outro que chamou “mentiroso” a Andrus Ansip quando afirmou que as operadoras restringem naturalmente o acesso à Internet — um ponto foi consensual: a rede 5G vai revolucionar as ligações móveis.

Experimentámos uns óculos inteligentes

Chamam-se Vuzix Blade e são um claro exemplo de um wearable (tecnologia que se veste). Estes óculos com um visor incorporado numa das lentes permitem ver notificações — de chamadas e mensagens –, tirar fotografias e ver vídeos. Tudo isto sem ter de pegar no telemóvel e sem tapar a visão do mundo real. Smartglasses (óculos inteligentes em português), é uma tecnologia que está a arrancar e que experimentámos no Mobile World Congress.

Estes óculos já tinham sido anunciado na CES, a Consumer Electronic Show, em Las Vegas, no mês de janeiro. Além de agora ser anunciado que a bateria durará até oito horas (em vez de só duas), também foi divulgado que poderão ser encomendados a partir do website da empresa com lentes de prescrição já a partir de setembro. O preço estimado? Aproximadamente 700 euros, disse a marca ao Observador.

[Experimentámos os Vuzix num directo do Observador. Veja no vídeo]

Pedimos ao presidente executivo da portuguesa Iki Mobile para atirar ao chão o novo smartphone

A portuguesa Iki Mobile também está presente no Mobile World Congress e aproveitou o arranque da feira para anunciar novos modelos dos smartphones que fabrica. A diferença em relação a outros? Cortiça. A empresa de Tito Cardoso reveste estes equipamentos com cortiça por ser hipoalergénica e para serem resistentes. Num directo do Observador o executivo mostrou como o smartphone resiste (pelo menos) à primeira queda.

O rei de Espanha esteve no Mobile World Congress

Felipe VI, rei de Espanha, aproveitou a manhã para visitar os principais stands num dos pavilhões do Mobile World Congress. O monarca espanhol, que encontrou algumas manifestações em Barcelona aquando a sua visita à cidade para visitar este evento, está a andar pela feira onde começou por visitar a representação da operadoras que estão no evento, como a Orange, a Telefónica e a Vodafone.

Em declarações ao Observador, representante da Vodafone Espanha explicou que na visita ao stand da operadora o responsável pela empresa em Espanha mostrou a Felipe VI novas aplicações móveis da empresa para auxiliar pessoas com deficiências. Felipe VI continua a visitar o resto da feira, acompanhado por uma comitiva e segurança.

Sony ainda tem smartphones competitivos

Já começou oficialmente a edição de 2018 do MWC. O arranque foi dado pela Sony, numa conferência em que o diretor executivo de tecnologia da empresa anunciou os novos modelos Xperia: o XZ2 e o XZ2 Compact. Quanto a novidades? Maior captação de brilho que permite tirar fotografias quando está (mesmo) escuro e uma câmara que filma em “super câmara lenta” (“super slow motion”), algo que fez o diretor executivo, num ataque directo à Samsung, dizer: “uma coisa que já temos desde o ano passado”.

e… 5G

O termo do dia confirma-se: 5G. Grande parte dos stands e conferências focam-se nesta rede mais rápida que vai substituir o 4G como padrão e permitir velocidades mais rápidas de acesso à Internet e rede móvel através dos dispositivos.

Dia Zero

Este domingo a Huawei, a Nokia e a Samsung apresentaram as suas novidades nas conferências pré-feira. A mais aguardada era a da Samsung, às 18 horas, na qual a marca apresentou os novos S9 e S9 Plus. Contudo, a conferência da Huawei mostrou também várias novidades, como um novo notebook e tablets, tendo presente Richard Yu, o presidente executivo da marca. Já a Nokia, outra das grandes conferências esperadas, mostrou o que sabe melhor: uma reedição de um clássico, o 8810, agora com 4G (e novos smartphones).

Samsung S9 e S9 Plus: Como os S8 e S8 Plus, mas melhores

Era o evento mais esperado no arranque do Mobile World Congress. A Samsung anunciou que vai lançar as novas edições topo de gama da série Galaxy. Chama-se S9 e S9 Plus. Mantêm a entrada para headphones e têm AR Emojis, a resposta da Samsung aos animojis da Apple.

O Observador já experimentou estes equipamentos. Veja aqui as primeiras impressões.

Quer o comprimido encarnado ou azul? O 8810, o telemóvel do Matrix, está de volta com 4G

A Nokia teve às 16 horas também a sua conferência do MWC. Se no ano passado a reedição do 3310 roubou as atenções, este ano a marca da HMD apresentou uma reedição do 8810, agora com 4G. Este é o telemóvel que ficou conhecido nos anos de 1990 graças ao filme Matrix. O anúncio de um  Nokia 9 não aconteceu, mas para competir com a concorrência a Nokia apresentou um novo modelo do Nokia 8, o Sirocco, e ainda o Nokia 7 Plus, um novo Nokia 6 e o Nokia 1.

 A Huawei apresenta novo portátil com câmara que sai do teclado

A Huawei começou a apresentação para apresentar o Huawei MateBook X Pro,  a aposta da empresa no mercado os computadores portáteis que quer competir com o Macbook Pro, da Apple (até no design). Potência, bateria e um ecrã maior. Mas a maior novidade? Privacidade. A câmara frontal do portátil sai, literalmente, do teclado.

Segundo Walter Ji, diretor executivo da Huawei Europe, “a câmara foi desenhada a pensar no design e segurança”.

A câmara tem um botão dedicado no teclado de onde sai. O notebook não será vendido em Portugal

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)