Alergias

Pólenes em níveis muito elevados em quase todo o país nos próximos dias

Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica alerta para o aumento dos níveis de pólenes para a semana de 27 de abril a 3 de maio.

RALF HIRSCHBERGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As concentrações de pólenes no ar vão estar muito elevadas em quase todas as regiões de Portugal continental nos próximos sete dias, segundo o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC). Para a semana de 27 de abril a 3 de maio de 2018, preveem-se concentrações de pólenes muito elevadas para quase todas as regiões, enquanto a Região de Entre Douro e Minho terá concentrações em níveis moderados, a Beira Litoral com níveis elevados e as regiões autónomas dos Açores e da Madeira com níveis baixos ou moderados.

Os pólenes das árvores como carvalhos, pinheiro e bétula predominam nas regiões de Trás-os-Montes e no Alto Douro, bem como na região de Entre Douro e Minho. No que diz respeito às ervas, predominam os pólenes de gramíneas, parietária e azeda na região de Trás-os-Montes e de urtiga, parietária e gramíneas em Entre Douro e Minho.

Nas regiões da Beira Interior e da Beira Litoral prevalecem os pólenes das árvores carvalhos, oliveira e pinheiro e das ervas urtiga, parietária e gramíneas, com o acréscimo das ervas tanchagem e azeda apenas na Beira Litoral. Os pólenes das árvores carvalhos e oliveira e das ervas urtiga, gramíneas, tanchagem e parietária estarão em destaque em Lisboa e Setúbal e no Algarve, apenas com o acréscimo da erva quenopódio na região do Algarve.

Os pólenes das árvores azinheira, sobreiro e oliveira e das ervas gramíneas, tanchagem, parietária e azeda serão os dominantes no Alentejo. Ao contrário das regiões do continente, os pólenes estarão em níveis baixos na Madeira, destacando-se os pólenes do pinheiro e das ervas urtiga, gramíneas e parietária, e, nos Açores, os pólenes encontram-se em níveis moderados, com predomínio dos pólenes do pinheiro e das ervas urtiga e parietária.

A alergia ao pólen é causa frequente de manifestações alérgicas, que podem ser do aparelho respiratório (asma e rinite alérgica), dos olhos (conjuntivite alérgica) ou da pele (urticária e eczema). O Boletim Polínico efetua a divulgação semanal dos níveis de pólenes existentes no ar atmosférico recolhidos através da leitura de postos que fazem uma recolha contínua dos pólenes em várias regiões do País.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)