Governo

Governo promete medidas contra violência no desporto há mais de um ano

189

O secretário de Estado da Juventude e Desporto tem vindo desde abril do ano passado a dizer que o Governo está a preparar um projeto de lei, mas as medidas ainda não foram postas em prática.

NUNO FOX/LUSA

O Governo está há mais de um ano a prometer medidas contra a violência no desporto, mas estas tardam em avançar, escreve esta quinta-feira o jornal Público, recordando várias declarações do secretário de Estado do Desporto e da Juventude, João Paulo Rebelo, ao longo do último ano.

A 13 de abril do ano passado, João Paulo Rebelo afirmou que as leis existentes contra a violência no desporto não estavam a funcionar. E assegurou: “O Governo está a finalizar uma proposta lei, porque a lei de 2009 sobre a violência tem de ser melhorada”. Cerca de um mês depois, a 8 de maio de 2017, Rebelo assegurou novamente que as medidas estavam “em andamento”, mas recusou uma “generalização da violência” no futebol.

Entre estas duas declarações, recorde-se, um adepto do Sporting, de nacionalidade italiana, morreu depois de um atropelamento e fuga durante um confronto entre claques junto ao estádio da Luz.

Mais tarde, no final do ano, na sequência de uma audiência do presidente da Federação Portuguesa no Futebol no Parlamento, o secretário de Estado admitiu que poderia haver intervenção do Governo na regulação do futebol.

Também a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, que esta quinta-feira esteve ao lado de João Paulo Rebelo na conferência de imprensa em que o Governo reagiu ao caso da Academia de Alcochete, já havia garantido, em abril no ano passado, que o Governo estava a “analisar eventuais medidas que venham a ser tomadas precisamente para diminuir estes fenómenos da violência no desporto que criam sentimentos de insegurança”.

Já na sequência das agressões aos jogadores do Sporting em Alcochete, o primeiro-ministro, António Costa, admitiu a criação de uma autoridade nacional contra a violência no desporto, sem contudo especificar em que moldes funcionaria este organismo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)