Mark Zuckerberg visita o Parlamento Europeu esta terça-feira, dia 22, para falar com alguns eurodeputados, na sequência do caso Cambridge Analytica. A sessão seria, inicialmente, à “porta fechada”, mas, depois de várias críticas — Zuckerberg falou ao Congresso norte-americano sem essas limitações –, Antonio Tajani, o presidente do Parlamento Europeu, anunciou pelo Twitter que vai existir transmissão em direto através do site oficial da instituição.

No Twitter, Tajani afirma que pediu diretamente a Zuckerberg para existir transmissão em direto pela internet e que o fundador do Facebook aceitou. “Grandes notícias para os cidadãos da União Europeia”, diz. Na reunião, que vai decorrer das 18h15 às 19h30 de Bruxelas (menos uma hora em Lisboa), estarão presentes, além do presidente do Parlamento Europeu e o eurodeputado britânico Claude Moraes, os líderes dos partidos políticos europeus.

Esta sexta-feira, dia 25, passa a ser plenamente aplicável o RGPD, o novo regulamento geral para a proteção de dados para a União Europeia. A lei foi várias vezes utilizada como exemplo, por Zuckerberg, de como regular plataformas como o Facebook nos Estados Unidos, quando foi ouvido pelo Congresso. Nas últimas semanas, os utilizadores europeus das redes sociais da empresa têm recebido pedidos para rever a privacidade dos dados que fornecem nas plataformas.

A 17 de março, jornalistas do The Guardian, Channel 4 e do The New York Times, divulgaram que a Cambridge Analytica, uma empresa de análise de dados, utilizou 50 milhões de perfis indevidamente para condicionar campanhas eleitorais. O caso levou  Zuckerberg a pedir desculpas através de vários meios de comunicação social e ao Congresso americano, onde foi questionado durante cerca de 10 horas. Ao todo, foram 87 milhões os utilizadores afetados, dos quais 63 mil portugueses.