Rádio Observador

Volkswagen

Carocha vai voltar. Eléctrico e… com quatro portas

Escarabajo, Huevito, Maggiolino, Bug. Carocha para uns, Fusca para outros. Ou Beetle. Chame-se-lhe o que se quiser, a Volkswagen está já a tratar de recuperar um dos seus modelos mais emblemáticos.

A porta abriu-se quando o CEO da Volkswagen, Herbert Diess deixou escapar que, no futuro, a estratégia passaria por incutir emoção na racional gama de modelos do construtor de Wolfsburgo. Na altura, discutia-se a continuidade do Beetle, com o responsável máximo da Volkswagen a deixar bem claro que estava fora de questão uma nova geração do icónico modelo nos mesmos moldes das anteriores.

Se queremos fazer o Beetle, um modelo eléctrico seria bastante melhor que a solução actual. Além de que poderia ser mais próximo do modelo que lhe está na origem, já que poderia tornar-se tracção traseira”, disse à Autocar.

Sete meses após essas declarações, o meio britânico voltou à carga. Desta feita, tendo como interlocutor o chefe de Design da Volkswagen. E Klaus Bischoff não mostrou reservas na altura de assumir que, efectivamente, o Carocha está nos planos da marca. Confirma que eléctrico, como tudo levava a crer, mas com uma novidade. Klaus revelou que até já fez uns desenhos, tipo “teste”, do novo Beetle… com quatro portas. E, segundo ele, funciona.

Ora, se é verdade que o facto de renascer eléctrico permitirá ao Beetle resgatar parte da sua identidade, já que o novo esquema de propulsão pode devolver-lhe a tracção traseira, não deixa de ser menos verdade que o Carocha está “colado” à imagem de duas portas. Aliás, é bom recordar que a Volkswagen chegou a fazer uns protótipos com quatro portas, mas a ideia nunca foi avante. Mas, segundo Klaus Bischoff, o facto de a nova geração do Beetle ser montada sobre a plataforma MEB – a mesma que serve a nova gama de eléctricos denominada I.D. – é uma vantagem, na medida em que este tipo de arquitectura se presta a oferecer, num modelo mais compacto, uma maior distância entre eixos. Logo, com óbvios benefícios em matéria de habitabilidade.

A má notícia – ou menos boa, se preferirem – é que o projecto não está próximo de sair do papel. Diz Bischoff que, embora esta nova plataforma seja muito flexível, a verdade é que os modelos que nela se baseiam são tecnologicamente complexos. Logo, caros de produzir. A não ser que isso aconteça em grande escala. Portanto, a prioridade vai para modelos de grande volume, como o aguardado Neo, antes de pô-la ao serviço de um nicho do mercado. Dito de outro modo: antes de dois ou três anos, não conte com grandes novidades a este respeito.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)