Narón é uma cidade da Corunha, localizada perto do mar, onde 40% dos seus 39 mil habitantes sofre de obesidade ou excesso de peso. No supermercado, os hábitos de compra não mudavam muito e ocupavam uma boa fatia do salário mensal: refrigerantes, conservas e bolachas eram tudo o que fazia parte do carrinho de compras.

Depois de observar este comportamento, o médico Carlos Piñero percebeu que era necessário uma mudança e, em vez de limitar-se a passar receitas, decidiu traçar um plano que batizou de “100 mil razões de peso” para dar uma vida mais saudável à população. Segundo a reportagem do El Mundo, o desafio consiste em reduzir o peso da comunidade em 100 mil quilos até 2020. Tudo isto, revela, é feito de forma natural, ajudando também a reduzir a probabilidade de doenças como a hipertensão, os Acidentes Vasculares Cerebrais, o desgaste e os diabetes, associados ao excesso de peso e à obesidade.

Proposto o desafio, foram quatro mil os moradores que o aceitaram, iniciando a dieta — que tem como pilares o controlo de açúcares, sal e gordura e a atividade física — em fevereiro deste ano. É no centro de saúde de Narón que se realizam as consultas e são atendidas todas as pessoas interessadas em participar no projeto. No total, os envolvidos já conseguiram perder 41.300 quilos.

“Com a prevenção, poderemos reduzir as internações hospitalares em 48% no município”, estima Piñero, acrescentando que esta perda de peso ajuda também na redução dos gastos com a saúde. “Podemos economizar um milhão de euros num único ano e 6,4 milhões num período de cinco anos, com 20% menos doenças”, sublinhou ao El Mundo. A inspiração para o projeto partiu de um programa semelhante que o médico encontrou quando em Boston, nos Estados Unidos.

Futuro: “Espalhar a ideia por todo o país”

José Ramón, de 61 anos, é cozinheiro e perdeu dez quilos desde setembro, altura em que decidiu juntar-se ao projeto. Tinha 113 quilos quando entrou pela primeira vez no consultório. “Antes, não me conseguia mexer nem dobrar para atar os cordões dos meus sapatos”, revelou, acrescentando que a sua profissão “é um trabalho péssimo para se conseguir seguir um regime”. Ramón estava perto de se tornar diabético e hipertenso e quer continuar a perder peso até chegar aos 80 quilos.

Outro exemplo é Tercia Élida, que mede 1,60 metros e, em pouco mais de dois meses, conseguiu perder seis quilos. “Antes, este casaco nem me cabia”, assume, sublinhando também que “antes o carrinho [das compras] vinha carregado com salsichas, biscoitos, batatas, alimentos congelados e molhos” e que agora leva “produtos de hortaliça, um pouco de carne, frango e aves”. “Tenho uma dieta de 1.200 calorias diárias e caminho pelo menos uma hora por dia”, acrescenta.

Segundo o médico, a população conseguiu reduzir cerca de 2,2 quilos mensais, mas o importante é mudar hábitos de forma definitiva. E quer começar pelos mais jovens. “Tentamos que durante o tempo em que os alunos estão na escola, não estejam sentados o tempo todo. Pelo menos uma hora por dia eles fazem algum tipo de exercício enquanto leem”, explicou María José, diretora de uma escola que também aderiu ao “100 mil razões de peso”.

A ideia, diz o jornal espanhol, já foi aplaudida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela União Europeia, que considerou que este foi o melhor programa de participação pública do Prémio Europeu da luta contra a obesidade. O objetivo seguinte, diz Piñero, é “espalhar a ideia por todo o país”.