Espanha

Pessimismo espanhol aumenta nos primeiros seis meses de governo Sánchez

102

O tombo em relação a 2017 é gigante, mas a tendência não melhorou com a mudança no Governo -- antes pelo contrário. A direita, juntamente com a extrema-direita, tem 50% das intenções de voto.

AFP/Getty Images

O socialista Pedro Sánchez chegou ao poder em Espanha, há seis meses, no ano em que a avaliação que os espanhóis fazem sobre a situação do seu país deu um tombo. Desde o início do ano, que começou com Mariano Rajoy como primeiro-ministro, o número de pessimistas aumentou de 41,7% para 44,7%. E 2019 arranca agora com o PSOE a liderar as sondagens, mas com a direita a conseguir 50% dos votos, com o apoio da extrema-direita do Vox.

Os estudos de opinião feitos para o jornal El Español, pela SocioMétrica, mostram que se as eleições gerais fossem hoje (as últimas foram em 2016), os socialistas conseguiam 24% dos votos, mas o PP, o Ciudadanos e o Vox, juntos, teriam 50% dos votos. Na sondagem divulgada neste início de ano, o PP colheu 21% das intenções de voto, o Ciudadanos 20% e o Vox 9%. O Podemos, de Pablo Iglesias, conseguiria 16% dos votos, a julgar pelas respostas deste estudo de opinião. Os restantes 10% foram para os partidos nacionalistas e regionais, segundo o jornal.

O cenário não é muito diferente do que aconteceu recentemente na Andaluzia, nas regionais antecipadas, e em que o Vox já surgiu como o partido desbloqueador para uma maioria. Nessas eleições conseguiu 12 lugares no parlamento regional que possibilitaram o PP e o Ciudadanos formar governo, estabelecendo um acordo político em que o Vox também teve ganhos, apesar de não fazer parte dele.

Quanto ao pessimismo espanhol, os estudos mostram que a tendência para a avaliação pessimista da situação no país se foi evidenciando ao longo de todo o último ano. Em 2017, 29,8% da população inquirida acreditava que a evolução do país se perspetivava “má  ou muito má” e um ano depois este mesmo número já tinha galopado para 41,7%. De acordo com os dados mais recentes, são agora 44,7% os espanhóis pessimistas com a situação do país. Este ano, a política espanhola esteve especialmente agitada, com o governo liderado por Mariano Rajoy a cair através de uma moção de censura apresentada pelo socialista Pedro Sánchez, que acabou nomeado primeiro-ministro há seis meses.

Para o estudo realizado para o El Español foram feitas 1800 entrevistas telefónicas e online a cidadões maiores de 16 anos. A margem de erro é menor a 3%.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)