Presidente da República

Bolsonaro e Maduro. Marcelo diz que segue orientação do Governo sobre representação em tomadas de posse

996

O presidente da República esteve na posse de Bolsonaro e poderá estar na de Maduro, na quinta-feira. Marcelo diz que segue a orientação do Governo no que toca às representações do Estado português.

O presidente esteve presente na cerimónia de posse do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no dia 1 de janeiro, em Brasília

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta segunda-feira, a propósito da representação do Estado português nas posses dos presidentes brasileiro e venezuelano, que nesta matéria segue a orientação do Governo.

Eu, nessas matérias, sigo aquilo que o Governo entende que é adequado. Há uma sintonia entre Governo e Presidente”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta à comunicação social, à saída de uma iniciativa sobre ensino superior, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

O chefe de Estado, que tinha sido questionado sobre a sua eventual presença na posse do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, prevista para quinta-feira, acrescentou: “Portanto, o Governo há de tomar uma posição sobre essa matéria e comunicar ao Presidente”.

Marcelo Rebelo de Sousa foi confrontado com o facto de ter estado presente na cerimónia de posse do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no dia 1 de janeiro, em Brasília, e interrogado se não entende que é também importante para a comunidade portuguesa na Venezuela a sua presença na posse de Nicolás Maduro.

O Presidente da República remeteu a questão para o Governo e nada mais acrescentou sobre este tema.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)