Um turista de Taiwan pagou cerca 25 euros por uma bola de gelado em Florença, em Itália. O turista estranhou a quantia, ainda mais sendo a dose mais pequena, mas acabou por pagá-la. Mais tarde, porém, queixou-se ao guia turístico que o acompanhava na visita à cidade e o homem voltou para trás para fazer queixa do estabelecimento. A polícia foi chamada e a gelataria foi obrigada a pagar uma multa de 2 mil euros.

Após o turista ter comentado a situação, o guia decidiu voltar à gelataria para exigir o preçário do estabelecimento, mas o pedido acabou por lhe ser negado. Perante a recusa dos responsáveis pelo estabelecimento, a polícia municipal foi chamada ao local e veio a comprovar que a tabela de preços estava atrás do balcão e não exposta à vista dos clientes, como manda a lei.

Questionados sobre os elevados preços praticados, os responsáveis pelo estabelecimento justificaram a “alta qualidade do produto”, cita a agência Europa Press. Ainda assim, a explicação de nada lhes valeu e foi cobrada um multa de dois mil euros.

Esconder os preços é comum e um hábito que cria uma má impressão em todo o mundo, dado que os turistas são as principais vítimas”, refere o polícia Elio Covino, em declarações ao jornal italiano La Repubblica.

Este não é caso único. Em 2013, uma gelaria em Roma terá cobrado 54 euros a quatro turistas italianos. Já em agosto do ano passado, um casal italiano foi ao conhecido Gran Caffè Lavena, na Praça de San Marcos, e pagou 43 euros por duas garrafas de água e dois cafés. A história ficou conhecida pelo facto de o homem ter publicado a fatura da conta no Facebook.