Rádio Observador

KIA

Kia propõe shooting brake por apenas 25.090€

Shooting brake é, essencialmente, uma carrinha que troca um pouco do seu volume interior por um estilo mais elegante e atraente. A Kia ProCeed faz isso mesmo, mas sem carregar muito no preço.

Já está à venda entre nós a segunda carrinha da gama Ceed, a mais importante da Kia, pois representa os interesses da marca sul-coreana no segmento C, o que mais vende no mercado europeu, sendo o segundo mais popular entre nós. Depois da Ceed SW, a carrinha convencional, a Kia lança agora a ProCeed, uma shooting brake, sinónimo de carrinha mais esguia e elegante, em que uma maior volumetria passa para o banco traseiro, conferindo ao modelo um estilo mais moderno e desportivo.

Tradicionalmente, as shooting brakes são exclusivo dos construtores premium, como a Mercedes, com a Kia a democratizar a solução. Comparada com a Ceed SW, a Proceed é 0,5 cm mais comprida e mais larga, mas uns substanciais 4,3 cm mais baixa, daí resultando uma carroçaria mais fluída e desportiva. Mas o elemento mais diferenciador é a traseira, agora com uma menor inclinação de 64,2º, em vez dos 50,4º da Ceed SW, cujo portão traseiro é obviamente mais vertical. Apesar desta concessão à estética, a shooting brake sul-coreana continua a oferecer uma bagageira generosa (594 litros), disponibilizando menos 34 litros do que a Ceed SW.

Só dois níveis de equipamento. Mas os melhores

A arrumação das carrinhas na gama Ceed é clara, com a SW a ficar com os preços mais acessíveis e os níveis de equipamento mais populares, respectivamente os SX e TX, para a ProCeed ser proposta nas versões GT Line e GT, a primeira com um look mais desportivo e a segunda com um motor mais potente para reforçar a sensação.

Por dentro, a shooting brake é ligeiramente mais pequena do que a Ceed SW – ainda assim maior do que a Mercedes CLA Shooting Brake, segundo o fabricante –, podendo ainda complicar o acesso ao interior dos condutores de maior estatura, como é típico deste género de carroçarias com os pilares mais inclinados e o tejadilho mais baixo. Contudo, a construção continua a ser robusta e os materiais melhores, uma vez as versões GT Line e GT, entre outros atributos, revestem os bancos a pele, que no GT exibe pespontos a vermelho e em cinzento no GT Line. O equipamento de segurança e de ajudas ao condutor está agrupado num pack, que é proposto em ambos os casos.

Motores entre 120 cv e 204 cv, a gasolina e diesel

As mecânicas ao serviço da ProCeed arrancam com o motor 1.0 T-GDi, uma unidade tricilíndrica sobrealimentada a gasolina com 120 cv, capaz de o levar até aos 190 km/h e aos 100 km/h em 11,3 segundos, anunciando 5,5 litros de consumo médio. Se este será o motor mais popular, acoplado a uma caixa manual ou automática de dupla embraiagem e sete velocidades (7 DCT), os fãs deste tipo de combustível podem ainda optar pelo 1.4 T-GDI de 140 cv, mais potente e já com quatro cilindros, o que eleva a fasquia para 210 km/h e 9,1 segundos de 0-100 km/h (com um consumo de 5,8 litros), igualmente com filtro de partículas para estar de acordo com a norma WLTP.

Quem percorre mais quilómetros pode sentir-se tentado a optar pelo motor turbodiesel, o 1.6 CRDi de 136 cv, que faz baixar o consumo anunciado para 3,9 litros, mantendo a capacidade de atingir 200 km/h e passar pelos 100 km/h ao fim de 10,4 segundos. Mas os que visam mais emoção é na Proceed GT que devem procurar mais dinamismo. Equipada em exclusivo com o 1.6 T-GDI de 204 cv, motor que garante 230 km/h e 7,6 segundos de 0-100 km/h (e 6,8 l/100 km), caso esteja acoplado a uma caixa manual de seis velocidades, ou 225 km/h e 7,5 segundos se a opção for a caixa automática 7 DCT, que contudo reduz o consumo médio para 6,2 l/100 km.

Preços e novidades electrificadas

A versão mais acessível da ProCeed, a versão GT Line com motor 1.0 T-GDI de 120 cv, está à venda por 25.090€, beneficiando de um desconto de 4.650€  se adquirida através de um crédito da marca, com o valor a subir 2.000€ caso se opte pelo motor 1.4 T-GDI de 140 cv. A ProCeed com motor turbodiesel de 136 cv é comercializada por 29.840€, o que obviamente assegura menores custos de utilização, mas apenas compensa depois de cumprir mais de 100.000 km, dependendo do ritmo de condução, uma vez que quanto mais depressa se conduz, maior é a vantagem dos motores a gasóleo face aos seus congéneres a gasolina.

A ProCeed mais desportiva é a GT, com motor a gasolina de 204 cv, à venda por 32.290€. Além de ser uma das propostas mais acessíveis para um motor com mais de duas centenas de cavalos, esta versão desportiva da única shooting brake generalista é ágil e rápida, estando ainda equipada com suspensões e travões à altura de uma condução mais exigente.

Mas as novidades na gama Ceed não ficam por aqui, pois em Janeiro de 2020 irá surgir uma versão mild hybrid, bem como uma solução híbrida plug-in, motorização electrificada que será igualmente utilizada no actual Sportage e no crossover a apresentar em breve.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)