Ministério Dos Negócios Estrangeiros

Jamaica. MNE não confirma pedido de desculpas anunciado por Luanda

187

Luanda afirmou não haver "qualquer irritante" nas relações entre Portugal e Angola. Mas MNE negou o alegado pedido de desculpas de Portugal e os sindicatos da PSP mostraram-se "agradados".

Santos Silva confirma apenas que os chefes da diplomacia de Portugal e Angola falaram por telefone, "logo após os incidentes do bairro da Jamaica", a 20 de janeiro

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português esclareceu esta segunda-feira os contornos da posição assumida junto das autoridades angolanas sobre os incidentes no bairro Jamaica sem nunca referir um pedido de desculpas, como foi divulgado pelo governo de Luanda.

A posição foi inicialmente assumida pelo ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, esta segunda-feira, em conferência de imprensa realizada em Luanda, destinada a fazer o lançamento da visita a Angola do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Durante o encontro, o governante lembrou que as autoridades de Luanda acompanharam, desde o primeiro momento e em conjunto com as congéneres portuguesas, os incidentes naquele bairro, envolvendo cidadãos angolanos e agentes da PSP.

Manuel Augusto salientou que o “Caso Jamaica”, com críticas à atuação da polícia, está ultrapassado, depois de uma atuação “discreta” das duas partes, tendo salientado, por outro lado, que esteve em contacto com o homólogo português, Augusto Santos Silva. “Teve a hombridade de me ligar, não só para apresentar desculpas, mas também para sublinhar a forma, com sentido de Estado, como as autoridades angolanas reagiram”, sublinhou.

Contudo, num esclarecimento enviado esta segunda-feira à Lusa, o gabinete de Augusto Santos Silva nada reconhece sobre o alegado pedido de desculpas de Portugal, confirmando apenas que os chefes da diplomacia dos dois países “falaram por telefone”, por iniciativa de Augusto Santos Silva, “logo após os incidentes do bairro da Jamaica”, a 20 de janeiro.

Acrescenta que os dois ministros abordaram depois o mesmo tema em 15 de fevereiro, em Luanda, “quer na reunião bilateral, quer na conferência de imprensa conjunta”, mas sublinhando que “em ambas as ocasiões”, a mensagem do Ministério dos Negócios Estrangeiros português “foi sempre a mesma”.

Passou por “lamentar a ocorrência daquele incidente”, por “agradecer a forma como as autoridades angolanas — quer a embaixada em Lisboa, quer o Ministério do Interior — reagiram” e ainda por “comunicar que Portugal manteria Angola informada dos desenvolvimentos e conclusões dos inquéritos em curso”.

Em causa está o incidente entre moradores angolanos daquele bairro, no concelho do Seixal, e a polícia, ocorrido em 20 de janeiro e que deu origem depois a uma manifestação realizada em Lisboa, em que se registaram incidentes entre manifestantes e polícias. Os incidentes naquele bairro do distrito de Setúbal foram alvo de um inquérito entretanto aberto pelo Ministério Público.

Na conferência de imprensa desta segunda-feira, em Luanda, Manuel Augusto escusou-se a comentar o tratamento que as autoridades e a imprensa de Portugal deram ao assunto, considerando uma “matéria interna” portuguesa, apesar das críticas, nos dois países, à atuação da polícia.

“O que talvez seja aqui de sublinhar é que as autoridades angolanas não se fizeram acompanhar da imprensa, nem a chamaram para se fazer acompanhar. A nossa embaixada e o nosso consulado, sob nossa orientação, acompanhou a família afetada até ao tribunal que julgou o jovem que foi indiciado [por agressões a agentes da polícia]. O resultado desse julgamento foi aceitável e o jovem está em liberdade. Angola fez o que tinha de fazer”, disse.

“Quero aqui assegurar que o governo angolano, através dos seus representantes em Portugal, assumiu as suas responsabilidades, estabeleceu pontes de diálogo com as autoridades portuguesas, condenou o uso excessivo da força, tal como também o fez tem relação ao respeito às autoridades [polícia portuguesa]. Tivemos uma atitude permanente, sem muito barulho, mas eficaz”, salientou.

Sindicatos da PSP “agradados” com o desmentido de Santos Silva

Os presidentes de dois dos sindicatos da PSP, Paulo Rodrigues e Peixoto Rodrigues, tinham criticado o suposto pedido de desculpa. Agora, dizem que os membros da unidade policial se sentem “agradados” pelo facto de Santos Silva ter negado o pedido de desculpas de Portugal a Luanda.

O gabinete Ministro dos Negócios Estrangeiros disse ao Expresso que era positivo que o desmentido tivesse sido feito de forma rápida e assertiva. “Saudamos o ministro. As palavras vindas de Angola estavam a causar revolta interna no seio da PSP”, afirmou Paulo Rodrigues. É por este motivo que Peixoto Rodrigues confessa: “Ficamos agradados com estes últimos desenvolvimentos”. Várias fontes da PSP consideraram o pedido de desculpas “extemporâneo”, dado que a investigação sobre a atuação da PSP no Bairro da Jamaica ainda está a decorrer.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)