Rádio Observador

Debate Quinzenal

Pingue-pongue, propaganda e um amuo parlamentar. Mais um debate quinzenal

397

Primeiro-ministro trazia economia para brilhar no debate quinzenal, mas a oposição foi direta às canelas eleitorais da redução dos passes. Temas multiplicaram-se e houve até um pequeno amuo de Costa.

António Costa trazia economia no bolso, mas esse ficou longe de ser o tema central do debate

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O primeiro-ministro vinha lançado para falar em economia e em distribuir cartas por nestes anos se ter “restaurado a confiança dos consumidores e empresas”, a “devolução de rendimentos cortados em salários e pensões” e a “estabilização do sistema financeiro”. Também vinha dizer que está tudo bem, ainda que as instituições internacionais apontem risco de abrandamento do crescimento. Mas para a oposição à direita está tudo longe de estar bem.

E foi isso que mais marcou o debate, as visões contrastantes que foram da “revolução” na redução do preço dos passes sociais, à “medida eleitoral como nunca se viu”. Mas os temas foram além desse e houve até uma crítica à RTP e a um acordo com a Federação Portuguesa de Futebol que terminou enquanto Costa ainda falava (E não foi essa a razão pela qual o plenário assistiu a um pequeno amuo do primeiro-ministro).

Passes mais baratos. “Eleitoral como nunca se viu”, diz direita. Esquerda reclama créditos

A questão nem é da bondade da medida, já que não houve ninguém a dizer que o preço dos passes sociais não devia ser reduzido. PSD e CDS reclamavam porque a medida não se aplica a todo o país, porque existem regiões que ficam de fora, longe de Lisboa onde “o PIB per capita é de 120%, superior à media europeia” (onde os utentes terão este benefício). E sobretudo porque há quem nem tem transportes e que “vai pagar”, segundo Fernando Negrão do PSD, a redução dos passes nas áreas metropolitanas. António Costa respondeu que “é errada a acusação de que a medida só se aplica às áreas metropolitanas. Aplica-se em todo o país na medida em que os autarcas de cada região entendam fazê-lo”.

À esquerda, a medida era aplaudida e o Bloco até atirou ao PSD que falava no eleitoralismo da medida. Catarina Martins argumentou que eleitoralismo era a redução da sobretaxa prometida pelo anterior Governo que nunca chegou a acontecer. Já o PCP reclamou para si os créditos de uma luta que diz ter tido sozinho no Parlamento e que o PS, em 2016, chumbou ao lado da direita.

O amuo de Costa: sentou-se e não concluiu resposta ao PSD

Um dos momentos mais insólitos deste debate quinzenal aconteceu quando o primeiro-ministro respondia às primeiras interpelações ao Governo. O PSD, através do seu líder parlamentar, usou as suas intervenções para criticar António Costa e o seu Executivo pelo excesso de eleitoralismo. Os sociais-democratas consideraram que os sucessivos anúncios de medidas como a da redução do preço dos passes sociais e as recentes inaugurações protagonizadas por membros do Governo são disso o melhor exemplo.

O Chefe de Governo estava a responder diretamente a Fernando Negrão negando que os passes únicos se cingissem só à zona da Grande Lisboa – uma acusação feita pelo líder parlamentar do PSD. Era a segunda vez que repetia o argumento e os deputados sociais-democratas exaltaram-se acusando, de microfones desligados, o primeiro-ministro de estar a enganar os portugueses. António Costa continuou a falar apesar do crescente ruído vindo da bancada laranja.

Depois de tentar começar a rebater as críticas de desinvestimentos na ferrovia lançadas por Negrão, Costa interrompeu a resposta que estava dar para que os protestos do PSD fossem a única coisa audível no Parlamento. Numa decisão inusitada e espontânea, o primeiro-ministro disse apenas: “Os senhores deputados já estão esclarecidos”. E sentou-se, deixando a resposta a meio. O líder parlamentar do PSD voltou a insistir na pergunta, explicando que não tinha ficado esclarecido. Dizendo que não com a cabeça, Costa não se levantou e recusou-se a continuar, tornando evidente que sobre o tema não responderia mais ao PSD. O debate prosseguiu e António Costa foi respondendo a todas as outras questões.

O duelo mais tenso foi o do costume. Mas Cristas vs. Costa teve acordo num ponto

A cada quinzenal o clima crispado entre os dois adensa-se (ou pelo menos não desarma do denso que já vinha do debate anterior). António Costa e Assunção Cristas continuam a protagonizar os duelos mais tensos e esta terça-feira voltou a acontecer. O pingue-pongue começou no SNS e terminou no regadio, passando por combustíveis, fundos comunitários e IRC. E mais tempo houvesse.

Quando Cristas pediu mais recursos para o SNS, Costa respondeu que era importante “continuar o caminho” para um dia não ter de se cortar, como aconteceu no Governo anterior. Quando a líder do CDS pediu neutralidade fiscal no ISP, o primeiro-ministro respondeu com a “neutralidade carbónica”. Quando Cristas perguntou pela baixa do IRC, Costa atirou com as falhas do Governo anterior que teve de acudir ao regadio e às reorganização das florestas do “eucalipto liberalizado”. Só concordaram num ponto: na necessária ajuda à tragédia na região da Beira (terra natal do pai da líder da CDS), em Moçambique.

[Vídeo: O debate na íntegra:]

O acordo que não sobreviveu ao debate

O tema foi trazido pelo Bloco de Esquerda já na fase final da sua interpelação ao Governo. Entre vários temas, Catarina Martins deixou uma pergunta sobre o acordo de cooperação assinado entre a Federação Portuguesa de Futebol e a RTP para a criação do canal 11, da FPF. A líder bloquista perguntou ao Governo o que iria fazer perante um memorando de entendimento que previa que a RTP fornecesse “instalações, arquivo e pessoas” à FPF para “criar um canal concorrente a si própria”. Algo que Catarina Martins considerou “gravíssimo” por colocar em causa “o equilíbrio da comunicação social”.

António Costa confessou ter ficado surpreendido com os termos do acordo e anunciou que o Governo já tinha pedido esclarecimentos ao conselho de administração do canal público. Mas, precisamente enquanto respondia a Catarina Martins, foi noticiado pela revista Meios&Publicidade que o acordo tinha sido suspenso pela FPF. Nem Costa nem Catarina Martins se aperceberam a tempo de trazer a novidade para o debate, mas o acordo que tinha entrado vivo – e com grande destaque – para o debate quinzenal acabou por morrer a meio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)