Rádio Observador

Eleições Europeias

Rangel “escolheu sobrevoar a dor das pessoas”, acusa Pedro Marques

316

Costa foi ao comício em que o seu candidato surpreendeu com discurso duro e sentido. Marques acusou Rangel de vencer corrida do "oportunismo político lamentável". O líder aplaudiu-lhe o estilo.

António Costa foi a Faro ter com o seu candidato e aconselhou-o ser ele mesmo

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Em Faro, Pedro Marques teve o reforço máximo do partido, o líder António Costa, mas acabou por ser ele a marcar a noite com um discurso curto e direto ao adversário, no dia em que considera que “a campanha eleitoral foi longe de mais”. O candidato socialista às Europeias referia-se ao voo de helicóptero que Paulo Rangel fez esta terça-feira para sobrevoar a zona dos incêndios de 2017. O líder do PS havia de se juntar à crítica forte, dizendo “compreender bem a raiva” do seu candidato: “É a raiva de quem está há muitos anos na vida política sabendo que ela não se faz a andar de helicóptero, mas com os pés no chão, cara a cara com as pessoas“.

Apesar do reforço do comício de Faro ser de luxo, foi Pedro Marques quem dominou o púlpito com uma intervenção sentida em que atacou a ação de campanha do social-democrata: “Na corrida pelo oportunismo político mais lamentável Rangel ganhou de longe. Ele escolheu sobrevoar a dor das pessoas e do território, desiludiu os que lá esperavam, mesmo com dois anos de atraso, uma palavra, um gesto, um momento de ouvir e compreender”. Deixou a sala de cerca de 200 pessoas em silêncio nos cerca de seis minutos em que falou. O socialista aproveitou as declarações desta tarde do presidente da Câmara da Pampilhosa da Serra, eleito pelo PSD, indignado com a ação de campanha de Rangel. José Brito disse que lhe apeteceu “gritar” quando soube do voo do PSD, que considerou “uma afronta”.

Na escola de Hotelaria e Turismo , em Faro, Pedro Marque foi duro no ataque e falou num tom sentido sobre o voo de Rangel pela zona de Pedrógão
ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Marques disse “conhecer bem” o autarca do PSD que “interpretou o sentimento das suas gentes considerando que esta foi uma afronta à população de Pampilhosa. Falou de um desrespeito total pelas pessoas do território.” E falou no trabalho que fez na região, quando ainda estava no Governo, e em como lá esteve no dia seguinte à tragédia de Pedrógão Grande: “Nesse dia, o primeiro-ministro, eu e outros membros do Governo estávamos a reunir com os presidentes dos concelhos mais afetados, levámos o conforto mas também capacidade de ação”.

Isto para traçar a diferença face a Rangel, dizendo que “uns sujam as mãos, outros sobrevoam as dificuldades espreitando cada oportunidade de arrebanhar uns votos que parecem fáceis” e falando contra “políticos superficiais que não conhecem o país e já só conhecem os corredores de Bruxelas”.

Costa aplaude campanha de Marques: “Sê igual a ti próprio”

António Costa subiu ao palco logo a seguir às palavras de Pedro Marques para pedir uma política que seja “muito mais do que isto”: “Vamos escolher e votar pela dignidade política”. E subiu para dizer logo à cabeça ser difícil falar depois daquele discurso e de ter ouvido o seu candidato  “falar com a raiva que lhe vai no coração”. Costa reconhece que não tem na estrada das Europeias um candidato com valências mediáticas, mas considera que essa é uma vantagem: “Há uma diferença entre os que escolhem bons candidatos para aparecer na televisão e os que escolhem bons deputados para representar a nação”. E aconselhou o candidato — que tem sido criticado pela campanha oficial menos efusiva, mais controlada e dentro de portas — a ser ele mesmo, já que “a política não é um espetáculo para as televisões, não são campanha negras, arregimentando nas redes sociais perfis falsos para denegrir. Isso não é política, é sujeira”, disse Costa apontando a um caso recente que envolveu um consultor do PSD.

Pedro, sê igual a ti próprio. Não vamos entrar no concurso das piadinhas nem na campanha suja. Podemos não agradar aos comentadores e às televisões mas agradamos à nossa própria consciência. “

Costa já tinha estado no domingo ao lado de Pedro Marques, mas nesse discurso, com o candidato apoiado pelo PS à comissão Frans Timmermans no pavilhão do almoço de Mangualde, o líder socialista não referiu uma única vez o seu candidato no discurso que fez. Desta vez a primeira parte da intervenção foi toda concentrada no homem que escolheu como cabeça de lista do PS às Europeias.

Disse que “o Pedro Marques não está há dez anos em Bruxelas sem que uma pessoa seja capaz de dizer uma coisa útil que tenha feito pelo país” e no caso de existirem dúvidas sobre a quem se estava a referir, nomeou mesmo os seus alvos, dirigindo-se ao seu candidato: “Não sei se vais estar dez anos no Parlamento Europeu, mas mesmo que estejas lá seis meses farás mais do que Rangel e Melo fizeram em dez anos”.

Também lhe puxou pela experiência política, como “vereador do Montijo, secretário de Estado”, pela “reforma da Segurança Social que toda a Europa aponta como modelo de coragem e de visão” e pela “renegociação do último quadro” comunitário de apoio. Mas mesmo aqui voltou à crítica que os socialistas elegeram para o discurso da noite dizendo que esse quadro trouxe 1700 milhões de euros para as regiões de baixa densidade e que “é assim que desenvolvemos o interior, não é andando a sobrevoar o interior de helicóptero”.

Costa terminou a pedir “mais força” para Portugal poder ter “melhores pelouros” no futuro Governo comunitário e voltou a falar de Rangel e Melo como rostos dos que “querem impor a Portugal austeridade”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)