Rádio Observador

Finanças Públicas

Depois da Anita, Centeno mostra o gráfico “pacman” da carga fiscal

502

Mário Centeno indica que há 542 benefícios fiscais em Portugal. Conclusões do grupo de trabalho nomeado pelo Governo vão ser conhecidos no próximo mês.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O ministro das Finanças reitera que, entre 1995 e 2015, “os governos em Portugal não legislaram sobre a carga fiscal desse anos, mas dos anos do futuro”. “Chamo a isto o gráfico ‘pacman’”, disse o ministro numa alusão ao mítico videojogo, em mais uma referência a entretenimento infantil. “É mais pobre do que o lego, mas foi o que consegui”, ironizou, mostrando um gráfico com círculos azuis e amarelos (embora com as cores invertidas), que mostra a relação entre receitas fiscais e os défices gerados em três períodos distintos.

O CDS não deixou passar a metáfora. “Não sei se chamou a esse gráfico ‘pacman’ de “Pina Moura ou Teixeira dos Santos?”, respondeu a deputada Cecília Meireles, que recordou as governações socialistas no período referido por Mário Centeno.

Em causa está a chamada “pressão fiscal global”, um conceito que o ministério das Finanças introduziu no debate público em abril. O governo argumenta que a carga fiscal deve ser analisada à luz dos défices gerados, porque “é importante saber não apenas que impostos se cobram em cada ano, mas também a parte da despesa que fica para pagar no futuro”.

Depois de o INE ter divulgado um recorde da carga fiscal em 2018, de 34,5% do PIB, o ministro cita o boletim económico de maio do Banco de Portugal para referir que “a receita estrutural com impostos diminuiu” e garante que “no conjunto dos 3 impostos mais importantes, a redução de impostos legislada atinge 1 ponto percentual do PIB”. No IRS, as famílias “pagam menos mil milhões de euros do que pagariam em 2015 com o mesmo nível de rendimento”, argumenta ainda Mário Centeno.

Cecília Meireles acusa o ministro das Finanças de estar a fazer “campanha eleitoral”, confrontando Mário Centeno com os dados do INE. “O Estado fica com uma parte cada vez maior da riqueza produzida em Portugal”, conclui a deputada.

No PCP, Paulo Sá sublinha que “o que interessa é a forma como é distribuída esta carga fiscal” e não tanto o valor, desafiando o Governo a “eliminar os alçapões que as grandes empresas usam para fazer planeamento fiscal”.

O ministro das Finanças indicou que há 542 benefícios fiscais em Portugal e que as conclusões do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para analisar este dossier vai ser divulgado em junho. O grupo de trabalho foi criado há cerca de um ano para avaliar, nomeadamente, o impacto dos benefícios fiscais na despesa.

“A verdade é filha do tempo e o tempo das falsidades acabou”

O ministro das Finanças acusou a oposição de promover um debate demagógico sobre os desenvolvimentos económicos e financeiros nesta legislatura, o que, na opinião de Mário Centeno, “foi desmascarado de forma cabal”.

“A verdade é filha do tempo” disse Mário Centeno, citando Galileu, na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa. “E o tempo das falsidades acabou no momento em que houve um Governo neste país que cumpriu com todas as metas com que se comprometeu”, acrescentou o ministro.

Mário Centeno diz que Portugal está a ter “o “melhor desempenho orçamental de varias décadas” e que esse registo “tem sido atingido sem colocar em causa o esforço do investimento público”. Centeno atira à oposição: “Uma mentira ditas muitas vezes não se torna verdade”. Tem sido uma polémica recorrente, com a oposição a criticar Mário Centeno por sacrificar o investimento para garantir um défice baixo.

Em resposta ao ministro das Finanças, a deputada Inês Domingos, do PSD, acusou Mário Centeno de ter feito “uma intervenção digna de um óscar da Academia” e de “vir munido de métricas parciais, mais ou menos obscuras”. “O investimento em 2018 continua abaixo dos valores de 2015” e Portugal “está na cauda da Europa” no rácio de investimento público, aponta a deputada social-democrata.

Depois de conhecido esta quarta-feira o crescimento registado no primeiro trimestre, de 1,8%, Mário Centeno sublinha também que “a economia acelera, cresce acima da área do euro” e insiste que “a convergência com área do Euro deve continuar nos próximos anos.”.

Mário Centeno realça ainda a descida do desemprego. “Numa economia saudável, em que não há emigração decretada, o espelho do desemprego é o emprego. Os trabalhadores que recebem salário aumentaram 9% desde 2015, são mais 370 mil portugueses com emprego”, afirma.

Bloco de Esquerda pressiona Governo sobre Novo Banco

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, insistiu com o ministro das Finanças sobre o Novo Banco, questionando qual é o impacto adicional no défice da nova injeção de capital. “Era bom ouvir da boca do ministro das Finanças, não vale a pena dizer que não tem impacto no défice, porque vai ter impacto”, referiu.

Mário Centeno repete que não há problemas no défice, por tratar-se de um empréstimo do Estado a ser pago pelos bancos, por via da contribuição extraordinária paga ao Fundo de Resolução. E porque a capitalização dos bancos não entra nas contas do saldo estrutural de Bruxelas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vroliveira@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira
1.235

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)