Rádio Observador

País

Cancro: contas a fazer após um diagnóstico positivo

291

Tratar um cancro requer coragem, esperança e uma quantidade significativa de euros, mesmo que se recorra ao Sistema Nacional de Saúde. Mas, agora, podemos estar preparados para o que der e vier.

Não podemos esconder a realidade. O cancro é uma doença que todos tememos e, por todo o mundo, o número de casos aumenta de ano para ano. Em Portugal, só em 2018, houve 50 mil novos diagnósticos positivos, e estima-se que 1 em cada 5 homens e 1 em cada 6 mulheres desenvolvam esta doença ao longo da vida.

Os custos do tratamento do cancro

É quase impossível calcular o que o tratamento de uma doença oncológica pode custar. Tudo depende do tipo e das doses do medicamento prescrito, da quantidade de sessões necessárias e da eventual ocorrência de cirurgias.

5 passos para a melhor proteção

1. SIMULE A PREFERÊNCIA
No site da Tranquilidade, faça uma simulação simples. Indique a data de nascimento e a opção do Seguro Vida + Vencer que prefere subscrever:

  • Base: capital seguro até 50.000€
  • Mais: capital seguro até 75.000€
  • Top: capital seguro até 100.000€

2. EMITA O PEDIDO
Contacte o seu mediador Tranquilidade ou peça para ser contactado através do site para emitir o pedido.

3. ANALISE O RISCO
No processo de emissão poderá agendar a tele-entrevista, para a análise de risco, no horário que lhe for mais conveniente. Esta será feita através de uma chamada telefónica com um profissional de saúde, sempre em confidencialidade e total comodidade.

4. SUBSCREVA O SEGURO
Uma vez obtido o parecer favorável da tele-entrevista, o mediador poderá concluir a emissão da apólice, gerando as Condições Particulares da mesma.

5. USUFRUA DA PROTEÇÃO
Ao completar a primeira anuidade da apólice, passa a poder usufruir da consulta anual de medicina geral e familiar na rede CUF, como apoio à prevenção e rastreio.

No caso da quimioterapia no setor privado, por exemplo, o custo de tabela pode vir a ser incomportável para a maioria dos portugueses, a não ser que tenham subscrito um seguro que permita cobrir as despesas associadas a uma doença deste tipo.

Talvez por isso, a opção pelo Sistema Nacional de Saúde seja a mais frequente. No entanto, uma doença oncológica requer mais do que os tratamentos convencionais. Consultas, exames e análises são apenas alguns itens das necessidades de tratar e controlar a doença. E mesmo face aos cancros não invasivos — os menos agressivos —, a manutenção da qualidade de vida tem os seus custos e procedimentos.

A preciosa qualidade de vida

Cansaço, enjoos, dores, medo, fraqueza física e psicológica são apenas alguns dos efeitos da doença e dos respetivos tratamentos de um cancro. E uma vez que se trata de uma doença prolongada, há que zelar pela qualidade da vida de cada paciente. É muito difícil prever o impacto financeiro dessa doença no dia a dia do doente e/ou familiares. A minimização do impacto da doença oncológica para o doente pode passar pelo investimento em despesas extraordinárias, como a contratação de cuidadores ou tratamentos estéticos (incluindo próteses capilares, aquisição de cremes hidratantes para minimizar o efeito de radioterapia, entre outros) ou, eventualmente, uma redução do horário de trabalho. E como o dinheiro não cresce nas árvores, foi preciso criar uma proteção específica que, em Portugal, existe sob a forma do Seguro Vida + Vencer da Tranquilidade.

Proteção flexível e em todos os casos

É o primeiro seguro de vida criado a pensar na doença do século. Criado por especialistas da Tranquilidade, juntamente com prestadores de saúde com larga experiência em oncologia, este seguro prevê as mais diversas situações e pretende ajudar na prevenção e, em caso de diagnóstico, disponibilizar capital seguro para uso livre do cliente, e ainda dar acesso à rede de prestadores da AdvanceCare para cuidar do bem-estar de cada doente. Fácil de subscrever, representa a melhor garantia que pode funcionar como um complemento financeiro de qualquer plano de saúde.

O Seguro Vida + Vencer inclui proteção financeira em caso de situações de cancro invasivo e não invasivo e protege em todas as fases da doença. E porque a prevenção é a melhor maneira para combater os fatores de risco, que aumentam as probabilidades de cancro, assim como para o detetar numa fase inicial, inclui uma consulta anual de prevenção gratuita e permite o acesso a exames de rastreio a preços convencionados.

Esta solução permite também a utilização livre do capital (até 100.000€) para fazer face às despesas que o cliente pretender. Caso opte por investir no tratamento no Sistema Nacional de Saúde, poderá dar uso ao valor para cobrir os restantes custos associados à doença. Assim, é a possibilidade mais certa para se contratar a ajuda necessária para os cuidados pessoais ou domésticos, para realizar tratamentos de estética, fazer uma viagem e ainda reorganizar a vida quando o pior já passou. Aposte na sua saúde e na qualidade da sua vida.

Saiba mais em https://observador.pt/seccao/vida-mais-vencer/

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)