Rádio Observador

País

Quer viver em segurança e (ajudar a) salvar o mundo? Comece a reduzir

Reduzir, reutilizar, reciclar. Quando se fala em questões de ambiente e sustentabilidade, continua a fazer todo o sentido invocar a célebre política dos três R dando ênfase especial no primeiro verbo.

Getty Images/iStockphoto

Não se sabe bem quando terá surgido o mantra — estima-se que terá sido algures na década de 70 do século passado, época em que nos Estados Unidos, se começou a dar importância devida às questões ambientais. Em Portugal, foi já no início dos anos 90 que “reduzir, reutilizar, reciclar” chegou ao léxico diário e se transformou, inclusive, em matéria de escola.

Passados todos estes anos, e em plena era de mudanças climáticas e crise ambiental, faz mais sentido que nunca continuar a invocar os três R. A guru ambiental Bea Johnson, que o Observador entrevistou em 2016, junta-lhes, inclusive, outros dois: refuse (recusar) e rot (decompor). Mas não vamos tão longe, para já: comecemos por reduzir. Reduzir ao máximo o consumo e, consequentemente, o desperdício. Como? Seguindo algumas dicas que, facilmente, se podem tornar rotina.

Reduzir o consumo de água

Se para muitos basta girar uma torneira para obter água potável, para milhões de pessoas não é assim: estima-se que três em cada dez pessoas em todo o mundo não tenha acesso a este bem de primeira necessidade. Em Portugal acontecem, com frequência, períodos de seca, uma situação que tenderá a agravar-se devido às alterações climáticas. Ainda assim, somos o segundo país da Europa onde existe um maior consumo de água per capita: cada português gasta, em média 187 litros de água por dia. Baixar esse número pode depender de atos tão simples como os seguintes: desligar a torneira quando se lava os dentes ou faz barba, trocar os banhos por duches rápidos, partilhar esses mesmos duches entre casais, armazenar a água que se gasta enquanto o duche aquece (para regar plantas, por ex.), optar por autoclismos com descargas mais pequenas, lavar a louça manualmente em vez de à máquina, só usar a máquina de lavar roupa com a carga completa (ou usar um dos programas de meia-carga) ou evitar cozinhar em panelas demasiado grandes, que exigem mais água para cozinhar e lavar.

Reduzir o consumo de electricidade

A produção de electricidade em Portugal ainda depende, sobretudo, de combustíveis fósseis, pelo que a sua redução não ajuda apenas a carteira, mas também o ambiente. E bastam pequenos atos diários para evitar consumos exagerados ao final do mês: opte sempre por lâmpadas de baixo consumo (LED) e eletrodomésticos de uma classe energética eficiente (de A+ a A+++), use tomadas inteligentes, das que cortam a corrente dos aparelhos depois de determinado tempo de inatividade, invista no isolamento da casa — janelas, estores, etc. —, para diminuir os gastos com ares condicionados e aquecedores, e desligue as luzes das divisões onde não está, bem como os aparelhos que não está a utilizar. Sim, esqueça o modo standby da televisão: pode poupar até 50€ por ano se optar por desligá-la de facto.

Reduzir o consumo de plástico

Estima-se que quase nove milhões de toneladas de plástico acabem, todos os anos, nos oceanos. Existe uma crescente tomada de consciência global para este problema mas, ainda assim, continua a haver muito por fazer. Se inúmeros estabelecimentos já aboliram as palhinhas e as colheres de plástico, outros continuam a apresentá-las sem remorsos. Cabe ao cliente rejeitá-las e pedir alternativas. Os sacos de plástico são outro problema grave: apesar de se estar a trabalhar para a sua extinção, continua, atualmente, a haver quem pague por eles na caixa do supermercado. É essencial levar sempre um saco de pano ou papel ou reutilizar os sacos de plástico ao máximo e, sempre que possível, optar por estabelecimentos que vendem a granel, de forma a evitar as embalagens. As garrafas de plástico também começam a ser encaradas com desconfiança — é muito mais fácil, barato e ecológico usar uma garrafa reutilizável. Experimente.

Reduzir outros consumos

A pegada ecológica não se resume, naturalmente, à electricidade, água ou plástico. O papel, por exemplo, apesar de ser altamente reciclável, também é uma fonte de desgaste para o ambiente. Assim, nos self-service, não tire guardanapos que não vai usar; no Natal e aniversários reutilize papel de embrulho — ou use jornais antigos, por exemplo — e, sempre que faz uma compra, não peça uma factura que vai deitar no lixo ao virar da esquina. No que respeita à alimentação, o desperdício é, também ele, um problema gravíssimo — estima-se que um terço da comida em todo o mundo seja desperdiçada. Como combater? Fazendo uma gestão coerente de tudo o que se tem em casa, conservando os alimentos no congelador, aprendendo a aproveitar os restos — com criatividade ou através das muitas receitas do género que se encontram em livros e na Internet. Por outro lado, é importante, também, reduzir o consumo de alguns alimentos mais nocivos para o ambiente, como a carne (principalmente de bovino) e, se possível, comprar a produtores locais e que apostem na agricultura biológica, livre de pesticidas e outros aditivos.

Finalmente, questione-se: será assim tão difícil usar os transportes públicos em vez de automóvel próprio? Às vezes bastam pequenas alterações na rotina diária . O ambiente agradece.

A Prosegur tem soluções de domótica que ajudam a reduzir os consumos de electricidade, através do controlo de luzes, climatização e tomadas inteligentes. Saiba mais em prosegur.pt

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)