Rádio Observador

YouTube

YouTube promete eliminar todos os vídeos e canais que incitem à discriminação e promovam desinformação

386

A plataforma propõe-se a remover vídeos que discriminem pessoas e promovam o ódio. Canais que negam a existência do Holocausto e defendam que a Terra é plana também estão na lista.

O YouTube tem apostado em políticas para combater a desinformação em forma de vídeo

SASCHA STEINBACH/EPA

O YouTube anunciou esta quarta-feira que vai proibir e eliminar vídeos que discriminem alguém pela sua idade, raça, cor de pele, religião ou orientação sexual. O anúncio foi feito através de um post oficial no blog do YouTube. A censura será feita a nível mundial em todos os países que têm o YouTube e pode contribuir para eliminar canais que promovam tipos de supremacia, homofobia ou até o nazismo.

Temos prestado atenção à forma como abordamos conteúdo que dissemina ódio com a ajuda de dezenas de peritos. Analisamos extremismo violento, supremacismo, direitos cívicos e discurso livre. Com base no que aprendemos, estamos a fazer várias atualizações”, anunciou o YouTube.

A plataforma informou que vai eliminar por exemplo vídeos que neguem a existência de eventos documentados e comprovados, como o Holocausto, ou os massacres em escolas norte-americanas — como o tiroteio na escola de Sandy Hook, em 2012. Alguns canais conservadores defendem, por exemplo, que este tiroteio foi fingido e não passou de uma encenação para pressionar o fim do uso livre de armas nos Estados Unidos.

O YouTube não fornece mais detalhes sobre a “operação” nem dá exemplos concretos de canais que serão eliminados. A empresa adianta, no entanto, outra medida: será limitada a recomendação de vídeos que o YouTube considera estarem “no limite” destas novas regras e contribuam para o que aquela plataforma tecnológica classifica como “desinformação prejudicial”.  São exemplos disso mesmo os vídeos que promovem “curas milagrosas absurdas” para doentes graves ou conteúdos cujos autores afirmam que a Terra é plana.  O objetivo passa por evitar que o algoritmo da plataforma destaque estes vídeos nas recomendações dadas aos utilizadores.

Esta limitação já está ativa nos Estados Unidos e as visualizações destes conteúdos diminuíram 50% em resultado das novas regras, lê-se no post. O YouTube quer alargar estas novas regras a mais países até ao fim do ano. “Vai demorar até os nossos sistemas arrancarem totalmente e vamos alargar a nossa cobertura gradualmente nos próximos meses”, avisa a plataforma.

A plataforma diz também que vai recomendar, em substituição de conteúdos considerados impróprios, vídeos de fontes de referência. “Por exemplo, se um utilizador estiver a ver um vídeo que está próximo de violar as nossas políticas, os nossos sistemas vão incluir mais vídeos de fontes de referência” como conteúdos de meios de comunicação social de referência “no painel dos recomendados”, explica a empresa.

A empresa já apagou, por exemplo, vídeos de discursos políticos adulterados por grupos da oposição. Em maio, foi publicado num canal conservador do YouTube um vídeo que distorceu o discurso da democrata Nancy Pelosi, opositora de Donald Trump. O vídeo foi eliminado depois de atingir 28 milhões de visualizações.

O YouTube adianta ainda que os canais disseminadores de conteúdos discriminatórios vão ser proibidos de receberem dinheiro proveniente de publicidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)