Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Amor incondicional” mesmo para com “os piores entre nós”. Foi esta uma das principais mensagens da missa do galo celebrada pelo papa Francisco na madrugada desta quarta-feira no Vaticano, um momento alto das celebração da consoada.

“O Natal recorda-nos que Deus continua a amar-nos, mesmo aos piores entre nós”, afirmou o papa. “A mim, a ti, a todos nós, Ele hoje diz: ‘Amo-te, porque aos meus olhos tu és precioso’. Deus não te ama porque tu pensas ou ages corretamente. Ele ama-te, pura e simples. Não depende de ti”, completou.

“Podes ter ideias erradas, podes ter feito a maior das trapalhadas, mas o Senhor continua a amar-te”, disse o papa, antes de abordar um tema mais delicado, a Igreja em si.

O líder da Igreja Católica apelou aos fiéis para que não estejam à espera que “a Igreja seja perfeita” para que a amem, uma frase interpretada como uma alusão aos escândalos sexuais que têm afetado a instituição. O papa anunciou na semana passada que iria levantar o estatuto de segredo do Vaticano para os casos de abuso sexual.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A cerimónia na Basílica de São Pedro ocorre na noite anterior à tradicional mensagem e bênção Urbi et Orbi que o papa faz perante os fiéis na Praça de São Pedro ao meio-dia do dia de Natal (11h00 em Lisboa).

Nos anos anteriores, o papa tem usado este discurso à multidão para abordar temas do ano que passou. Em 2017, por exemplo, falou dos milhões de migrantes e refugiados que tiveram de fugir de suas casas. Em 2018, o sumo pontífice destacou a pobreza mundial e um planeta, disse, no qual “uns poucos jantar de forma luxuriante enquanto demasiados outros passam sem o pão nosso de cada dia que precisam para sobreviver”.