Depois de os Estados Unidos terem matado o general Qassem Soleimani, um dos principais líderes militares iranianos, o líder do Irão, Ali Khamenei, assegurou que a vingança contra a América seria “implacável“. Quatro dias depois, o Irão bombardeou duas bases militares iraquianas que albergam tropas norte-americanas. Sem mortos, o ataque foi interpretado como uma oportunidade para os EUA reduzirem a tensão na região em vez de avançarem para uma guerra que muitos viam como inevitável.

Donald Trump percebeu as pistas e anunciou, num discurso aguardado com expectativa, que não iria prolongar o conflito militar — optando por responder com novas sanções económicas. A resposta norte-americana resultou de um dia de trabalho intenso na Casa Branca, que começou com os alertas para a possível retaliação iraniana a qualquer momento e terminou já na manhã seguinte com a preparação, até ao último segundo, do discurso perfeito para evitar a guerra — reconstituído esta quinta-feira pela imprensa norte-americana com detalhes dignos dos melhores filmes de espiões de Hollywood.

Os EUA já sabiam que o Irão iria retaliar pela morte do general Qassem Soleimani. Depois de, nos primeiros dias, se ter discutido todo o tipo de possibilidades que o regime iraniano tinha para vingar a morte do líder militar (como ciberataques ou até uma guerra nuclear), a resposta acabou por ser mais contida — e os EUA souberam exatamente o que ia acontecer, quando e onde. Primeiro, de forma ainda genérica, o Irão avisou o Iraque sobre os locais do ataque, informação essa que foi passada depois às autoridades norte-americanas.

Vem aí uma guerra EUA-Irão? A tensão diminuiu, mas o perigo mantém-se

Segundo conta o The New York Times, por volta das 14h de terça-feira (19h em Lisboa), chegou à Casa Branca um alerta das agências de informações norte-americanas: estava iminente um ataque iraniano a bases dos EUA no Iraque. Durante aquela tarde, chegariam várias informações, ainda vagas, oriundas das comunicações iranianas intercetadas pela Agência de Segurança Nacional (NSA) e das movimentações de armamento iraniano registadas pelos satélites norte-americanos. Uma das informações apontava inclusivamente para a possibilidade de o Irão retaliar através de um ataque terrestre, levado a cabo pela milícia pró-iraniana Kataib Hezbollah, contra a base de al-Asad — uma das mais vulneráveis dos EUA na região por não estar equipada com sistema anti-míssil.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Porém, dado que as informações não eram ainda concretas — e uma vez que as forças norte-americanas no terreno já estavam avisadas para a possibilidade do ataque e tinham ordem para evacuar a base e se abrigar —, a agenda de Donald Trump foi mantida. Naquele dia, o presidente dos EUA encontrou-se com o primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, ao mesmo tempo que na sala de crise da Casa Branca já se encontravam alguns dos principais líderes militares dos EUA a monitorizar a situação. No fim do encontro com Mitsotakis, o tema dominou as perguntas dos jornalistas. “Se o Irão fizer alguma coisa que não devia fazer, vai sofrer as consequências“, avisou Trump.

Foi precisamente durante o encontro com o governante grego que chegou à sala de crise a confirmação: a retaliação seria um ataque com mísseis. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, já estava na sala, bem como o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Mark Milley. Trump juntou-se ao grupo assim que terminou a reunião com Mitsotakis — e dali não sairiam tão cedo. Numa mesa lateral, dezenas de sandes asseguravam que ninguém precisaria de sair para comer. Por videoconferência, juntou-se a diretora da CIA, Gina Haspel.

Ao mesmo tempo, durante a reunião na sala de crise, chegou um alerta: tinha havido um bombardeamento num campo de treino a norte de Bagdade. Porém, foi falso alarme. A verdadeira retaliação iraniana chegaria uma hora depois, quando já eram 17h30 em Washington (22h30 em Lisboa). O Irão tinha disparado, a partir de três lugares do seu território, uma série de mísseis Fateh 110 e Shahab. A primeira análise a partir do Pentágono era de que os danos tinham sido limitados: um helicóptero, um drone, parte de uma torre de controlo e várias tendas tinham sido destruídos. Alguns minutos depois, caíram os mísseis na base aérea de Erbil, outro dos locais identificados à partida como potencial alvo.

Segundo a CNN, a primeira reação dentro da sala de crise da Casa Branca foi de surpresa. Porque teriam os iranianos disparado tão poucos mísseis — têm milhares daqueles — e todos para zonas das bases militares onde não se encontravam militares? Sobretudo, como notou um dos presentes na reunião, o Irão não tem histórico de falhar os alvos. O exemplo do ataque às refinarias de petróleo sauditas indicava isso mesmo: se o Irão quisesse, podia ter matado muitos americanos e causado muito mais danos às instalações militares. A surpresa deu lugar à calma — detalha a CNN, citando fontes presentes na reunião — quando os líderes norte-americanos começaram a equacionar que o Irão estaria mais interessado em enviar uma mensagem aos EUA, não em matar americanos.

Rockets explodem a 100 metros da embaixada dos EUA em Bagdade

Em menos de uma hora, foi necessário informar todos os líderes políticos de mais alto nível que não se encontravam naquela sala, nomeadamente os líderes das bancadas da Câmara dos Representantes e do Senado. Os republicanos (líder da maioria no Senado e da minoria na Câmara dos Representantes) foram informados diretamente por Donald Trump. Os democratas — a presidente da Câmara dos Representantes Nancy Pelosi e o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer — foram informados pelo vice-presidente, Mike Pence. De acordo com a CNN, Nancy Pelosi estava numa reunião com membros do Partido Democrata a debater a situação no Irão quando lhe foi entregue uma nota em papel dando conta dos ataques. “Rezemos“, disse aos presentes na reunião.

Logo após o ataque, o Pentágono tentou contactar o primeiro-ministro iraquiano, Adil Abdul al-Mahdi, para debater o que tinha acabado de acontecer. Porém, detalha a CNN, não teve sucesso através do número de telefone do gabinete de al-Mahdi — até porque, entretanto, já eram 3h da manhã em Bagdade. Foi através do embaixador iraquiano em Washington que foi possível chegar à fala com o governante do Iraque. De imediato, Trump anunciou aos seus conselheiros que queria falar à nação. Tinha sido criticado por não ter falado imediatamente após a morte de Soleimani e não queria cometer o mesmo erro. Jared Kushner, genro de Trump e conselheiro da Casa Branca, foi um dos principais impulsionadores da necessidade de preparar imediatamente um discurso.

A decisão tomada na sala de crise foi a de que Trump não falaria de imediato. Era preciso esperar por mais informações que confirmassem a intenção do Irão com o ataque contido. Durante toda a noite de terça para quarta-feira, a equipa da Casa Branca escreveu dezenas de versões do discurso e estudou diversas possibilidades de reação ao ataque. Durante a noite, chegaram informações cruciais que viriam a pesar na decisão do presidente norte-americano: através de canais diplomáticos (incluindo pela Suíça), o Irão tinha feito chegar aos EUA a informação de que aquela tinha sido a única resposta à morte de Soleimani. Paralelamente, o relatório final do Pentágono — que chegou já pela 1h da manhã (6h em Lisboa) — confirmou que ninguém tinha morrido no ataque.

Na manhã de quarta-feira, Trump, que já tinha dito que preferia evitar uma escalada de tensão no Médio Oriente, optou pelas sanções económicas. Donald Trump pegou nas notas preparadas pelos conselheiros e editou-as ao seu gosto. O discurso foi escrito com tanta cautela, e editado por tanta gente, que levou mesmo a um atraso de meia hora relativamente ao momento para o qual estava marcado.