Há mais estudantes ciganos nas escolas públicas de Portugal Continental e o seu aproveitamento escolar é cada vez melhor. A notícia é avançada pelo jornal Público, na edição deste domingo, que cita o novo Perfil Escolar das Comunidades Ciganas.

O documento, que remete para o ano letivo de 2018/2019, indica que havia 25.126 alunos ciganos inscritos nas escolas públicas, dos quais 2.570 no pré-escolar e 22.556 no ensino básico e secundário. Relativamente ao básico e ao secundário, há três vezes mais estudantes deste grupo minoritário do que em 1997/1998 — na altura, contabilizavam-se 5.921 no ensino básico e secundário, sendo que não há informações relativamente ao pré-escolar.

No entanto, os números de 2018/2019 mostram que, à medida que se avança no percurso escolar, há menos alunos ciganos: 2.570 no pré-escolar, 11.138 no primeiro ciclo, 6.097 no segundo ciclo, 4.684 no terceiro e 651 no secundário.

Ainda assim, este é um cenário que tem vindo a melhorar ao longo dos anos. De acordo com o Público, quando comparando 2018/2019 com o ano letivo de 2016/2017, a percentagem de alunos ciganos no primeiro ciclo é ligeiramente inferior — passou de 45,4% para 44,3% —, mas nos restantes níveis é sempre superior: no segundo ciclo aumentou de 23,7% para 24,3%, no terceiro ciclo de 13,9% para 18,6% e no secundário de 2% para 2,6%.

Também se regista um aumento no que toca ao aproveitamento escolar. Em 2016/2017 o aproveitamento no primeiro ciclo era de 61,6% e em 2018/2019 foi de 85,6%. No segundo ciclo aumentou de 49,1% para 63,7%, no terceiro ciclo de 49,4% para 73,7% e no secundário de 64% para 75,4%.