Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Com o estado atual da nação, não há tempo a perder”, disse Joe Biden quando, esta quarta-feira, se sentou pela primeira vez na Sala Oval, o célebre gabinete do Presidente dos Estados Unidos. Ao seu lado, na secretária, uma pilha de pastas escuras: as primeiras decisões executivas do novo Presidente norte-americano. “Vamos ao trabalho imediatamente.” Biden tinha, horas antes, feito um discurso inaugural em que nunca se referiu a Donald Trump pelo nome — mas não poupou nas críticas à administração anterior. A promessa de Biden era a de romper com a era Trump; a primeira vaga de decisões executivas confirma-o.

Os apelos à união e as (muitas) críticas a Trump sem lhe dizer o nome. O discurso de Joe Biden nas entrelinhas

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.