239kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Papa Francisco encontrou-se com pai de Aylan Kurdi, a criança que se tornou no símbolo da crise dos refugiados

Em 2015, a morte de Aylan Kurdi, de três anos, numa praia turca tornou-se num dos principais símbolos da crise dos refugiados. O Papa Francisco encontrou-se com o pai dele em Erbil, no Iraque.

i

O Papa Francisco com Abdullah Kurdi em Erbil

Vatican News

O Papa Francisco com Abdullah Kurdi em Erbil

Vatican News

O Papa Francisco encontrou-se este domingo no Iraque com o pai da criança síria Aylan Kurdi, cuja morte em 2015 se tornou num dos maiores símbolos da crise dos refugiados, de acordo com informações divulgadas pelo Vaticano.

O líder da Igreja Católica conversou com Abdullah Kurdi em privado no estádio desportivo de Erbil, a capital do Curdistão iraquiano, onde este domingo celebrou uma missa com milhares de fiéis iraquianos, que encerrou a história viagem do Papa ao Iraque.

Em celebração com milhares de fiéis no Curdistão, Papa pede aos cristãos que evitem tentação de se vingarem

“O Papa passou um longo tempo com ele e, com a ajuda do intérprete, pôde ouvir a dor do pai pela perda da sua família e expressar-lhe a sua profunda participação, e do Senhor, no sofrimento do homem”, diz o Vaticano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O senhor Abdullah manifestou gratidão ao papa pelas palavras de proximidade perante a sua tragédia e a de todos os migrantes que procuram a compreensão, a paz e a segurança, deixando os seus próprios países e correndo risco de vida” acrescenta o comunicado.

Aylan Kurdi, uma criança de três anos de etnia curda, morreu em 2015 juntamente com a mãe e o irmão, de cinco anos, quando a família síria procurava atravessar o Mediterrâneo em busca de segurança no continente europeu. Só o pai, Abdullah, sobreviveu ao naufrágio da precária embarcação em que a família seguida.

A imagem da criança chocou o mundo e tornou-se num dos maiores símbolos da crise dos refugiados

AFP/Getty Images

A fotografia do corpo de Aylan Kurdi morto, estendido numa praia da Turquia, transformou-se num símbolo global da crise dos refugiados que na última década têm abandonado o Médio Oriente para procurar segurança na Europa — sobretudo durante a guerra civil da Síria, intensificada pelo terror propagado pelo Estado Islâmico.

Aylan, o náufrago que a Europa não conseguiu salvar

O Papa Francisco está no Iraque desde a última sexta-feira, numa viagem histórica que tem como ponto principal da agenda a promoção do diálogo entre culturas e religiões como chave para a paz no Médio Oriente. O líder da Igreja Católica passou por Mossul, lugar onde em 2014 o Estado Islâmico declarou formalmente o início do seu califado de terror, e por Qaraqosh, a maior cidade cristã do país — e um dos principais alvos dos terroristas.

No dia anterior, Francisco reunira-se com o Grande Aiatolá Al-Sistani, o principal líder muçulmano xiita do Iraque. Nesse encontro inédito, os dois líderes religiosos apelaram ao diálogo inter-religioso no país e sublinharam que a paz na região só se pode construir através da coexistência saudável entre cristãos e muçulmanos.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.