Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Martin Bashir, o jornalista que fez a histórica entrevista a Diana em 1995, demitiu-se do grupo BBC alegando problemas de saúde, antes de ser tornado público o resultado da investigação sobre a forma como a famosa conversa em que a princesa de Gales diz à frente das câmaras que o princípe Carlos tinha Camilla Parker-Bowles como amante: “Somos três neste casamento”.

Sendo um dos jornalistas mais conhecidos do Reino Unido, Bashir, de 58 anos, tem estado de baixa médica nos últimos meses — teve Covid-19 e passou por um bypass gástrico — e, segundo o subdiretor da BBC News, terá deixado o seu lugar de editor da secção de Religião mesmo antes de se sujeitar novamente a uma segunda intervenção cirúrgica ao coração (tinha sido operado no ano passado).

As questões em torno da forma como a entrevista foi conseguira surgiram logo em 1995, com o The Guardian, a contar que um designer gráfico que trabalhou na BBC revelara ao jornal que recebera um telefonema de Bashir em 1995 a pedir-lhe para simular extratos bancários falsos para pressionar o irmão de Diana, o conde de Spencer, a convencer a princesa a falar.

Na altura, a própria BBC lançou uma investigação interna, mas a conclusão do então chefe do canal BBC News, Tony Hall, foi a de que o jornalista era um “homem honesto e honrado”, apesar de admitir que “não estava a pensar” quando encomendou os extratos falsos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A entrevista a Diana catapultou Bashir  para uma carreira de sucesso, fazendo grandes entrevistas, como a de Michael Jackson, em 2003. Hall acabaria por se tornar o diretor-geral da BBC e de nomear Bashir para o cargo de editor da secção de religião, em 2016.

Ainda assim, e mesmo após já ter sido ilibado na anterior investigação interna, no ano passado o atual diretor-geral da BBC reabriu, sob insistiência do conde de Spencer,  o mesmo processo para perceber se Bashir usou ou não os documentos para pressionar Diana e o irmão.

BBC investiga entrevista de 1995 à princesa Diana. Jornalista pode ter usado documentos falsos

O relatório desta investigação já foi entregue ao grande grupo de comunicação social para o publicar em momento oportuno.