Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tudo começou com uma teoria da conspiração, a que a imprensa oficial do regime chinês deu eco para inverter a narrativa e veicular a ideia de que o novo coronavírus tinha aparecido, inicialmente, nos Estados Unidos, e não na China. Porém, novas revelações surgidas nos últimos dias dão força à possibilidade de os Jogos Mundiais Militares, que se realizaram em outubro do ano passado na cidade chinesa de Wuhan e também contaram com uma comitiva portuguesa, terem tido um papel fundamental na disseminação da Covid-19 na fase inicial da epidemia.

Desde o momento em que a Covid-19 começou a ganhar uma assinalável expressão internacional — que levaria, mais tarde, à classificação da doença como pandemia pela OMS —, multiplicaram-se as teorias da conspiração que procuravam desafiar a tese mais unânime, que tem sido até agora a oficial: a de que o vírus surgiu no mercado de de Wuhan, em novembro do ano passado, havendo no final do ano já um grande grupo de pessoas infetadas com aquele vírus misterioso que se viria a disseminar para praticamente todos os países do globo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.