São cerca de 500 mil refeições todos os dias, sem contar com aquelas que são servidas nas escolas do 1.º ciclo e jardins de infância — que ficam a cargo das autarquias. Custam ao Estado milhões de euros todos os anos e têm sido faladas pelos piores motivos, com fotografias e relatos a darem conta das falhas que vão surgindo.

Os gráficos que se seguem fazem o retrato das cantinas escolares públicas e permitem perceber, entre outros pontos, quanto gasta o Estado e quanto ganham as empresas. Assim como a diferença de valores pagos por refeição, consoante a região e consoante a tipologia de gestão (se são geridas pelas próprias escolas ou por empresas de restauração coletiva).

.