A troika iria destruir o Estado social

22 Junho 2014

Por um lado, o memorando de entendimento era visto como um guião e uma “oportunidade” para fazer reformas no Estado atrasadas há décadas, por outro, seria a sentença de morte do Estado social.

Por um lado, o memorando de entendimento era visto como um guião e uma “oportunidade” para fazer reformas no Estado atrasadas há décadas, por outro, seria a sentença de morte do Estado social e dos direitos conseguidos com o 25 de Abril.

O Estado social é o bastião da esquerda na praça pública: o Serviço Nacional de Saúde, a escola pública e a Segurança Social. A direita não o usa como bandeira, mas reclama para si o papel de o manter sustentável. Ao longo de três anos, foi este o discurso extremado: de um lado, os que acusam o Governo de atacar o Estado social, do lado do Governo, salta o discurso da responsabilidade para garantir os direitos futuros. Três anos depois, os portugueses perderam direitos, mas suficientes para pôr em causa o Estado social?

No que aos serviços sociais diz respeito, os verbos utilizados pelo Governo podiam até ter leitura antagónica.
Aumentar: as taxas moderadoras, o número de alunos por turma, a idade da reforma ou as contribuições para a Segurança Social.
Reduzir: o valor das pensões, das pensões de sobrevivência; o valor do subsídio de desemprego e de doença.

“Se fosse por minha vontade, iria mais longe. Este Estado social que nós temos, com a economia como está, não se pode preservar como está. É insustentável. Não vai resistir”, diz Medina Carreira ao Observador. Na prática, para o antigo ministro das Finanças, as reformas feitas pelo Governo mais não foram do que “retoques”. “Reformar o Estado social, é reformar as suas componentes. E reduzir para ser possível dentro da situação económica que nós temos. Ou temos uma economia que crescer muito mais ou não é possível manter”, acrescenta em declarações ao Observador. Sintetizando: “O Estado social não vai em poesias, vai em números”.

"O Estado social não vai em poesias, vai em números"
Silva Lopes, ex-ministro das Finanças ao Observador

Mas o resultado dessa redução não seria o Estado mínimo, assegurando apenas a proteção aos mais pobres? Se essa crítica foi recorrente ao Governo, a equipa de Passos agarrou-se a argumentos para as enfrentar. Por dezena de vezes se socorreu do exemplo do aumento das pensões mínimas ou das exceções aos cortes nas pensões e nos salários e até das melhorias dos subsídios de desemprego para casais desempregados. E esse limite onde fica?

Consequências

Comece-se pelos desempregados. A taxa de desemprego passou de 7,6% em 2008 para 16,3% do total de 2013. E um aumento do desemprego teve efeitos em catadupa: aumento da despesa social com subsídios, aumento dos desencorajados e logo um aumento das desigualdades aumentando o fosso entre empregados e desempregados. Um estudo do Observatório das Desigualdades mostra a influência do desemprego e da proteção social nas desigualdades durante o período pós-crise. E conclui (apesar de não analisar o período de 2014) que a “exclusão laboral tem vindo a acumular-se com a exclusão do sistema de proteção social de uma parte crescente da população desempregada, o que implica uma pauperização aguda das suas condições materiais e subjetivas de existência”.

"A exclusão laboral tem vindo a acumular-se com a exclusão do sistema de proteção social de uma parte crescente da população desempregada, o que implica uma pauperização aguda das suas condições materiais e subjetivas de existência". 
Precariedade, desemprego e proteção social: caminhos para a desigualdade?, por Renato Miguel do Carmo e Frederico Cantante

E o desemprego terá sido a causa também para o aumento da população residente em risco de pobreza ou de exclusão social. Em 2009, a taxa era de 24,9%, em 2013 já era de 27,4%, um aumento gradual.

No que toca à Saúde, o último relatório anual sobre o acesso aos cuidados de saúde no SNS (referente ao ano de 2012) já referia que a crise económica permite “antever a possibilidade de dificuldades acrescidas no acesso a cuidados de saúde”, mas que, em relação ao ano de 2011, “o SNS não só manteve o nível de acesso aos cuidados de saúde verificado em anos anteriores, como também possibilitou uma melhoria do acesso aos cuidados de saúde pelos portugueses”.

Já no que à Educação diz respeito, os resultados do último PISA (referentes ao período 2010/2012 – apanhando apenas um ano de troika), mostram melhorias na matemática, não apenas reduzindo o número de alunos com mau desempenho, como aumentando aqueles que têm muito bom desempenho. Mas piorou no entanto na leitura e nas ciências. Apenas o próximo relatório da OCDE poderá mostrar a evolução durante os anos da crise. Durante este período, o Governo aumentou o número de alunos por turma, fazendo com que se reduzissem o número de professores no sistema de ensino, o que para a esquerda é um fator que levará a uma redução da qualidade do ensino.

Mas as maiores mexidas aconteceram no sistema de pensões. Quase todos os anos os pensionistas, seja da Segurança Social seja da Caixa Geral de Aposentações, foram alvo de medidas de corte ou de taxação das pensões. “Neste momento, dizer que, por exemplo, que o sistema de pensões público é insustentável é tão perigoso como dizer que é totalmente sustentável. Não se pode fazer um filme da sustentabilidade ou falta dela tirando uma fotografia num ano ou dois concretos. Evidentemente, que neste contexto em que o produto não cresceu, em que a taxa de desemprego aumentou, em que há mais dificuldades sociais, a vulnerabilidade dos sistema sociais se torna maior. Mas eles existem justamente para acorrer a situações de maior dificuldade. Os sistemas de segurança social têm um défice em tempos de crise, pois evidentemente que têm. É para isso que foram criados: para serem amortecedores ou estabilizadores automáticos da função social do Estado”, sintetiza Bagão Félix.

Os últimos dados dão conta que a Segurança Social teria um défice de 1253 milhões de euros, não fossem as transferências do Orçamento do Estado. O défice foi por isso o argumento do Governo para lançar medidas que afetem os pensionistas tanto os futuros como os atuais. Depois da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES), a última medida a afetar os pensionistas será a Contribuição de sustentabilidade.

Ao longo dos três anos da troika, o Estado social sofreu os mais variados cortes. “Do ponto de vista financeiro, não temos dinheiro para este Estado social. É por falta de dinheiro, que temos de cortar. O poder político (que sair das eleições) tem de cortar mais do que este Governo cortou”, diz ao Observador Medina Carreira.

E Bagão Félix, para futuro, pede um novo “contrato social” até porque “não se pode ter uma visão maniqueísta, que de um lado uns consideram que está tudo bem e do outro lado que está tudo mal. O Estado social exige um novo contrato social, uma nova moldura ética, um estado mais possibilitador, um Estado que conjugue esta equação de eficiência e equidade”.

Trabalho adiado pelo menos até 2015.

Veja aqui os outros mitos:

Contestação social seria violenta

Governo não chegava até ao fim da legislatura

Programa perfeito para reformas

Dinheiro da troika não era suficiente

Portugal ia sair do euro

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Nunca tão poucos enganaram tantos /premium

Rui Ramos
2.381

Em 2016, disseram-nos que a austeridade era uma página, e que estava virada. A austeridade, porém, não é uma página. É um livro inteiro, de que já ninguém lembra o princípio e ninguém sabe o fim.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)