Circula no Facebook uma imagem com uma alegada mensagem do Hospital Santa Maria que recomenda a quem tiver sintomas de ataque cardíaco que tomem “imediatamente” duas aspirinas. Segundo a mensagem, as duas aspirinas devem ser dissolvidas na boca antes de serem engolidas com um pouco de água, sendo que em seguida a pessoa deve ligar para o número de emergência — 112 —, dizendo “ataque cardíaco” e informar que tomou as duas aspirinas. O aviso é, no entanto, falso.

Mensagem partilhada através do Facebook

Em primeiro lugar, contactada pelo Observador, a assessoria do Hospital Santa Maria informa que a mensagem “já circula há vários anos”, mas “não tem origem no Hospital Santa Maria”.

Em segundo lugar, além de a fonte não ser real, não é minimamente aconselhável que os doentes se automediquem com aspirinas caso suspeitem estar a sofrer um ataque cardíaco. O cardiologista Hugo de Mendonça Café alerta para o perigo de uma pessoa tomar aspirinas sem indicação de um médico, além da hipótese de ser alérgico Ácido acetilsalicílico o doente pode confundir os sintomas, por exemplo, com os de um AVC hemorrágico que pioraria “consideravelmente” em caso de toma de aspirina.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também a Direção-geral de Saúde, na página do Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares sugere aos doentes que tomem uma aspirina: “Enquanto aguarda a chegada da equipa de emergência pode tomar um comprimido de Aspirina 100 ou 250 mg”.

De acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular, João Brum da Silveira é necessário que haja uma correta atuação perante os sintomas de ataque cardíaco. Segundo Brum Silveira, caso o processo de Via Verde Coronária seja bem acionado desde o primeiro momento é possível poupar entre “três a seis horas” que são essenciais para o tratamento do doente e intervenção cirúrgica caso seja caso disso.

O médico responsável frisou que caso o doente esteja a ser transportado numa ambulância do INEM (devidamente equipada para o efeito) e não haja vaga num dos hospitais com capacidade para intervenções coronárias será imediatamente transportado para um hospital com vaga, notando que até nessa situação haverá tempo poupado, ao contrário do que aconteceria caso o doente se deslocasse ao hospital pelos próprios meios.

Assim, João Brum Silveira nota: é essencial ligar para o 112 caso o doente reconheça algum dos sintomas de ataque cardíaco para que a ambulância que seja ativada para o local esteja devidamente preparada para assistir o doente e dar seguimento a todo o processo a partir desse momento.

Conclusão

Não só a mensagem não foi divulgada pelo Hospital Santa Maria como o procedimento descrito pode atrasar a assistência ao doente com enfarte do miocárdio. É essencial que o próprio doente ou alguém que esteja perto deste liguem o número de emergência — 112 — e indiquem que os sintomas são de ataque cardíaco (dor no peito que pode irradiar para o braço esquerdo, costas e pescoço; suores, náuseas, vómitos, falta de ar, ansiedade; fraqueza, sensação de indigestão, fadiga) para que possa ser acionada assistência médica diferenciada e dadas as indicações corretas ao doente para o local e este seja conduzido ao hospital o mais rapidamente possível para poder ser sujeito a procedimento cirúrgico (angioplastia).

Além de não seguir os conselhos descritos na imagem também não deve ajudar a passar uma mensagem enganadora que poderá ser muito prejudicial tendo em consideração que os 90 minutos seguintes ao início dos sintomas são essenciais para o tratamento.

Errado

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

Fact-check atualizado a 13 de fevereiro com mudança de título, para clarificar que nenhum doente deve automedicar-se com aspirina, sem receber indicação médica para o efeito.

IFCN Badge