758kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Patrícia Gaspar: “Até agora não sentimos necessidade" de acionar o estado de alerta - como aconteceu

Secretária de Estado da Proteção Civil destaca facto de não haver vítimas civis desde fogos de 2017 e volta a descartar estado de alerta. Incêndio em Odemira já atingiu 10.000 hectares.

Fogo de Odemira captado do espaço pela agência europeia Copernicus
i

Fogo de Odemira captado do espaço pela agência europeia Copernicus

European Union, Copernicus Sentinel-2 imagery

Fogo de Odemira captado do espaço pela agência europeia Copernicus

European Union, Copernicus Sentinel-2 imagery

Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Bom dia.

    Este liveblog fica por aqui e vamos continuar a acompanhar toda a situação dos incêndios neste novo link. Obrigada por ter estado connosco.

    Incêndio de Odemira continua a mobilizar mais de mil bombeiros

  • Ponto de situação. Que incêndios continuam ativos e quantos meios estão a combatê-los?

    Há vários incêndios a lavrar neste momento em vários pontos do país, com milhares de meios mobilizados para o combate. Segundo o site da Proteção Civil, este é o ponto da situação, à meia-noite:

    • O incêndio na região de Odemira está em curso já há três dias e continua a ser o que mobiliza mais meios: há 1.089 homens no terreno, acompanhados de 368 meios terrestres e 1 meios aéreo.
    • Teve início às 21h30 um fogo na Póvoa do Lanhoso que está a ser combatido por 69 bombeiros e 18 meios terrestres.
    • Na zona de Óbidos, em Olho Marinho, estão ainda 37 homens e 12 meios terrestres a combater um fogo que teve início na noite de segunda-feira.
    • Os incêndios que lavraram na região de Leiria, em concreto no Arrabal e na Caranguejeira, já estão em fase de resolução.
    • Também o incêndio da Lousã está em fase de resolução.
    • O fogo da freguesia de Arcos, em Vila do Conde, também entrou em fase de resolução.
    • Na tarde desta terça-feira teve início um incêndio em Baião, que já foi entretanto dado como extinto.

  • Odemira: Secretária de Estado diz que estratégia é "garantir que incêndio não entra na serra de Monchique"

    A secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, declarou na noite desta terça-feira que a estratégia de combate ao incêndio que lavra no concelho de Odemira há quatro dias é a de “garantir que não entra na serra de Monchique”, aproveitando a “janela de oportunidade” da noite.

    “Temos neste momento em Odemira do melhor que este sistema tem”, assegurou Patrícia Gaspar, dizendo que a avaliação das autoridades é a de que ainda não se justifica acionar o estado de alerta. “Até agora não sentimos essa necessidade”, que, relembrou a secretária de Estado, só deve ser aplicada em “situações excecionais”.

    Sobre as causas deste incêndio, Patrícia Gaspar disse considerar que “nos próximos dias” deverá ser possível apurar o que originou as primeiras ignições, mas relembrou que “a grande maioria [dos incêndios] tem origem humana, seja por negligência ou com intencionalidade”.

    Desde o início do ano, já arderam no país 24.800 hectares — mas estes dados não incluem os hectares dos incêndios dos últimos dias, relembrou a governante. “Mas mais importante do que a área ardida é o ganho que temos desde 2017 de garantir vítimas zero entre a população civil”, afirmou.

  • Proteção Civil: 60% de verbas para a prevenção e "vítimas zero" são objetivos

    O presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) anunciou esta terça-feira, em entrevista à RTP, que neste momento 60% das verbas públicas para lidar com os incêndios estão a ser aplicados na prevenção, em vez do combate.

    “Este ano, pela primeira vez, o Governo conseguiu mudar o paradigma”, disse Duarte Costa, apontando que em 2018, por exemplo, 80% das verbas eram aplicadas ao combate. Os resultados, disse, só começam a ser vistos “a longo prazo”, razão pela qual se explicam os atuais incêndios que devastam o país.

    Ainda na mesma entrevista, o responsável da Proteção Civil afirmou que um dos principais objetivos do organismo é manter o número de vítimas civis a zero. “Quando estamos perante incêndios extremos, onde não é possível o combate, a única solução é retirar as pessoas”, disse, acrescentando que compreende o desagrado dos populares — mas que esse é o preço a pagar para garantir que não há vítimas mortais.

  • Turismo do Alentejo avalia estragos após controlo do fogo em Odemira

    O incêndio rural que deflagrou no sábado em Odemira já atingiu 10 mil hectares, mantendo ao início da noite desta terça-feira duas frentes ativas e obrigando as autoridades a cobrir um perímetro de 50 quilómetros, segundo a Proteção Civil.

    “Combinámos que logo que o incêndio esteja controlado e entre na fase de rescaldo, as entidades, com a Câmara Municipal de Odemira, o Turismo de Portugal e as entidades governamentais, irão avaliar os danos”, disse o presidente da ERT do Alentejo e Ribatejo, José Manuel Santos, em declarações à agência Lusa.

    Mais de mil operacionais estão a combater o incêndio, sendo apoiados por 342 veículos e 12 meios aéreos, segundo a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), consultada pela agência Lusa às 19h18.

  • Fogo de Odemira atingiu 10 mil hectares

    O incêndio rural que deflagrou no sábado em Odemira já atingiu 10 mil hectares, mantendo ao início da noite de hoje duas frentes ativas e obrigando as autoridades a cobrir um perímetro de 50 quilómetros, segundo a Proteção Civil.

  • Odemira: INEM assistiu 36 pessoas, 8 receberam tratamento hospitalar

    No ponto de situação feito esta tarde, a Proteção Civil indicou que o INEM assistiu 36 pessoas, na “maioria agentes da Proteção Civil”, sendo que oito — cinco bombeiros e três civis — foram transportadas para o hospital.

    Questionado acerca das pessoas que já foram deslocadas devido ao fogo de Odemira, o comandante Vítor Vaz Pinto disse que foram 1.459 mas que a deslocação ocorreu “sempre como uma medida preventiva”.

    Essas pessoas foram encaminhadas para “locais seguros”, muitas delas “para as zonas de concentração e apoio à população, localizadas na freguesia de Santo António, em Odemira, em Monchique, em Aljezur e São Teotónio”.

    A terminar a conferência de imprensa, Proteção Civil reiterou que a preocupação é “extinguir o incêndio o mais rapidamente possível”, sendo que não existem informações de habitações afetadas.

  • Frente norte do incêndio de Odemira "estabilizada"

    A frente norte do incêndio de Odemira encontra-se, neste momento, “estabilizada”, revelou a Proteção Civil no ponto de situação sobre os fogos que foi feito esta tarde.

    Já a frente sul apresenta duas situações mais preocupantes, no cruzamento com os municípios algarvios de Aljezur e Monchique.

    Com a mudança do quadrante do vento registada ao final da tarde, “o setor a sul vai ser mais exigente, também porque a orografia não permite colocar os meios aéreos onde são necessários”.

    Por isso, é “muito difícil” prever como correrá a noite porque “há variáveis” que os operacionais não conseguem controlar. As expectativas passam por “nas próximas horas” conseguir “ter o incêndio mais seguro do que neste momento se encontra”.

    *Com Lusa

  • Mais de 1.000 operacionais combatem fogo em Odemira

    Mais de 1.000 operacionais estão esta terça-feira ao final da tarde a combater o incêndio que deflagrou no sábado em São Teotónio, concelho de Odemira, sendo apoiados por 341 veículos e 14 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

    A página da internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), consultada pela agência Lusa às 19h00, indica que se encontravam no combate a este fogo 1.011 bombeiros.

    O incêndio deflagrou no distrito alentejano de Beja, mas entrou depois no Algarve, nos concelhos de Monchique e Aljezur (distrito de Faro).

    De acordo com informações prestadas pela ANEPC às 13h10, já arderam 7.000 hectares e foram evacuadas 20 povoações e um parque de campismo, num total de 1.424 pessoas deslocadas. Há ainda registo de 40 pessoas assistidas pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

    Durante o briefing operacional, o comandante nacional da ANEPC, André Fernandes, disse que as condições meteorológicas na zona iriam manter-se desfavoráveis durante a tarde, devido ao calor e ao vento seco, e que as 24 horas seguintes seriam fundamentais para evitar que o incêndio progrida para a serra de Monchique.

    Além das condições meteorológicas, explicou, as características do terreno têm complicado o combate ao fogo, por dificultarem a progressão das equipas e potenciarem “a abertura do incêndio em várias novas frentes”.

  • Situação instável em Aljezur onde já ardeu pelo menos uma habitação

    A situação em Aljezur, no Algarve, mantém-se instável devido ao incêndio que deflagrou no sábado no concelho vizinho de Odemira (Beja), havendo registo de pelo menos uma habitação ardida, disse à Lusa o presidente do município algarvio.

    “Há uma habitação que ardeu, mas neste momento não disponho de mais dados”, disse à Lusa José Gonçalves, acrescentando que arderam também pequenos anexos e outros edificados naquele concelho do distrito de Faro.

    Segundo o autarca, a situação mais preocupante é na zona entre as freguesias do Rogil e Odeceixe, onde, desde esta terça-feira de manhã, a intensidade das chamas tem vindo a melhorar ou a agravar-se consoante a direção do vento, tendo havido vários reacendimentos.

    “A dimensão [do fogo] é grande, mas não tem estado vento nas últimas horas, o que também tem ajudado”, afirmou, avisando que o fogo ainda não está dominado e que ainda há muito trabalho pela frente para tentar controlar as chamas.

    Na noite de segunda-feira, o fogo obrigou à retirada de 17 pessoas das suas habitações, que ficaram alojadas nas zonas de apoio à população, mas esta terça-feira já puderam todas regressar a casa, indicou José Gonçalves.

    “Nesta última hora em que os meios aéreos ainda podem operar vamos tentar tudo por tudo para que a situação fique controlada, e para manter o controlo durante a noite, é esta a nossa perspetiva”, sublinhou.

  • Ponto de situação. Que incêndios continuam ativos e quantos meios estão a combatê-los?

    Há vários incêndios a deflagrar neste momento em vários pontos do país, com milhares de meios mobilizados para o combate. Segundo o site da Proteção Civil, este é o ponto da situação, pouco antes das 19h:

    • O incêndio na região de Odemira está em curso já há três dias e continua a ser o que mobiliza mais meios: há 1016 homens no terreno, acompanhados de 343 meios terrestres e 13 meios aéreos.
    • Continua a lavrar um fogo na freguesia de Arcos, em Vila do Conde, desde segunda-feira. No local estão 99 bombeiros, 29 meios terrestres e um meio aéreo.
    • Na tarde desta terça-feira teve início um incêndio que ainda decorre em Baião, com 80 bombeiros, 16 meios terrestres e 4 meios aéreos no terreno a combatê-lo.
    • Na zona de Óbidos, em Olho Marinho, estão 69 homens e 22 meios terrestres a combater um fogo desde a noite de segunda-feira.
    • Os incêndios que lavraram na região de Leiria, em concreto no Arrabal e na Caranguejeira, já estão em fase de resolução.
    • Também o incêndio da Lousã está em fase de resolução.

  • Fogo que lavra há mais de três horas na Lousã em resolução

    O incêndio que lavra há mais de três horas no concelho da Lousã, distrito de Coimbra, está em resolução, informou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

    Segundo a página da ANEPC na internet, às 18h30 encontravam-se no terreno 285 operacionais, apoiados por 80 viaturas e seis meios aéreos.

    Este fogo deflagrou perto das 15h00 de hoje, em zona florestal da povoação de Framilo, na freguesia de Foz de Arouce e Casal de Ermio.

  • Fogo cercou habitações em Odeceixe mas situação acalmou

    O incêndio que deflagrou no sábado em Odemira, no Alentejo, cercou algumas habitações na freguesia de Odeceixe, em Aljezur, no Algarve, mas a situação está agora mais controlada, disse à Lusa o presidente da Junta.

    Segundo José Oliveira, a situação está esta terça-feira “muito melhor”, comparativamente a segunda-feira, quando o fogo rodeou a freguesia de Odeceixe, com as chamas a cederem aos meios de combate e não havendo, para já, registo de casas ardidas ou vítimas.

    “A intenção dos bombeiros é tentar controlar o fogo ao final do dia e noite de hoje, porque amanhã [quarta-feira] o vento muda”, referiu, acrescentando que uma das frentes de fogo está a progredir em direção a Marmelete (Monchique) e outra no Rogil (Aljezur).

    O fogo, que deflagrou no sábado em Odemira (distrito alentejano de Beja), entrou ao final da tarde de segunda-feira na freguesia de Marmelete, numa zona de confluência entre os concelhos de Odemira, Aljezur e Monchique (distrito de Faro).

    De acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Odeceixe, algumas pessoas ficaram alojadas nas zonas de apoio à população ativadas na noite de segunda-feira, embora não saiba precisar quantas, sublinhando que a preocupação agora é combater o fogo.

    Segundo constatou a Lusa no local, não há água em algumas zonas daquela freguesia, informação que o autarca não conseguiu confirmar às 17h00, havendo também falhas nas comunicações móveis e na rede Multibanco.

    O trabalho efetuado durante a noite de segunda-feira permitiu uma “estabilização do perímetro do incêndio”, mas há ainda dois pontos críticos a motivar preocupação, disse o comandante regional de Emergência e Proteção Civil do Alentejo, José Ribeiro, num ponto de situação aos jornalistas cerca das 9h30.

  • Parque de campismo evacuado em Odemira anuncia reabertura sem danos

    O parque de campismo de São Miguel, de onde foram retirados clientes, preventivamente, devido ao incêndio que atinge desde sábado o concelho de Odemira, distrito de Beja, anunciou esta terça-feira que reabriu ao público sem ter registado danos.

    “Informamos que o Camping já reabriu sem danos a assinalar”, escreveu, esta terça-feira à tarde, a gerência do parque, nas suas redes sociais.

    Na sequência do incêndio, foram evacuadas 20 povoações do concelho e o parque de campismo de São Miguel, num total de 1.424 pessoas deslocadas, a maioria das quais foi retirada preventivamente do parque de campismo.

    O comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil, André Fernandes, referiu esta terça-feira, ao início da tarde, que a maioria das pessoas retiradas destas localidades e da unidade hoteleira já regressou.

    A página da internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), consultada pela agência Lusa às 16h50, indica que se encontram no combate a este fogo 1.007 operacionais, ajudados por 330 veículos e 14 meios aéros.

    De acordo com informações prestadas pela ANEPC às 13h10, já arderam 7.000 hectares e há ainda registo de 40 pessoas assistidas pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

  • Mais de 200 operacionais e oito meios aéreos combatem fogo na Lousã

    Mais de 200 operacionais e oito meios aéreos estão a combater um incêndio que lavra há cerca de hora e meia no concelho da Lousã, distrito de Coimbra, informou a Proteção Civil.

    Segundo a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) na internet, o incêndio teve início perto das 15h00, em Framilo, na freguesia de Foz de Arouce e Casal de Ermio.

    A combater as chamas encontravam-se às 16h35 247 operacionais, apoiados por 63 viaturas e oito meios aéreos.

    À agência Lusa fonte do Comando Sub-Regional da Região de Coimbra informou que o incêndio lavra em zona florestal, não havendo casas em risco.

  • Bombeiros escrevem carta a primeiro-ministro a pedir demissão de presidente da Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais

    A Liga dos Bombeiros Portugueses entrega esta terça-feira ao primeiro-ministro uma carta a exigir a demissão do presidente da agência de gestão dos fogos rurais, alegando uma “quebra irrecuperável de confiança” após declarações polémicas no Parlamento.

    O gesto de protesto dos bombeiros decorre das declarações do presidente da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (AGIF), Tiago Oliveira, que no Parlamento, em julho, questionou perante os deputados o facto de os “corpos de bombeiros receberem em função da área ardida”, considerando o “objetivo perverso”.

    O presidente da AGIF sublinhou também que “há municípios a gastar meio milhão de euros, uma barbaridade de dinheiro nos bombeiros, quando não gastam dinheiro a gerir a floresta”, sendo necessário equilibrar a prevenção e o combate.

    “Em face dos factos e na ausência de um pedido de desculpa formal, entendemos que o presidente da AGIF não reúne as condições necessárias ao desempenho das suas funções, face à quebra irrecuperável de confiança dos agentes de combate aos incêndios florestais, devendo por isso demitir-se ou ser demitido. Esse seria um gesto de elevada ética que o presidente da AGIF não praticou, tentando passar despercebido num contexto de falta de respeito pelos bombeiros portugueses”, lê-se no documento que a LBP entregou ao primeiro-ministro, António Costa.

    A Liga insiste na necessidade de um pedido de desculpas público por parte de Tiago Oliveira, o qual “nunca manifestou grande apreço pela atividade dos bombeiros”, e o qual acusam de fazer “declarações descontextualizadas atentatórias à dignidade, à honra e ao bom nome” dos bombeiros.

    A entrega dos documentos foi agendada para esta terça-feira na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, pelas 16h, num “ato simbólico que envolve os órgãos sociais da LBP, os dirigentes das Federações de Bombeiros, com uma centena de dirigentes, comandos e bombeiros, através do qual se pretende demonstrar o desagrado e as consequências em torno das declarações insultuosas do presidente da AGIF para com os bombeiros e os municípios e o sentimento de abandono que os bombeiros estão votados”.

  • Quase 1.000 operacionais combatem fogo em Odemira

    Quase 1.000 operacionais estão esta terça-feira à tarde a combater o incêndio que deflagrou no sábado em São Teotónio, concelho de Odemira, sendo apoiados por 322 veículos e 16 meios aéreos, segundo a página da Proteção Civil.

    A página da internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), consultada pela agência Lusa às 16h25, indica que se encontram no combate a este fogo 981 bombeiros.

    De acordo com informações prestadas pela ANEPC às 13h10, já arderam 7.000 hectares e foram evacuadas 20 povoações e um parque de campismo, num total de 1.424 pessoas deslocadas. Há ainda registo de 40 pessoas assistidas pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

    Durante o briefing operacional, o comandante nacional da ANEPC, André Fernandes, disse que as condições meteorológicas na zona iam manter-se desfavoráveis durante a tarde, devido ao calor e ao vento seco, mas as próximas 24 horas serão fundamentais para evitar que o incêndio progrida para a serra de Monchique, no Algarve.

    Além das condições meteorológicas, explicou, as características do terreno têm complicado o combate ao fogo, por dificultarem a progressão das equipas e potenciarem “a abertura do incêndio em várias novas frentes”.

    Noutro briefing realizado às 9h30, no posto de comando, o comandante regional de Emergência e Proteção Civil do Alentejo, José Ribeiro, referiu que não haver até àquela hora a confirmação de casas destruídas, acrescentando que o trabalho de validação e verificação seria feito ao longo do dia.

  • Circulação normalizada em todo o país apesar dos incêndios

    “Não há nenhum incêndio que tenha cortes de vias podendo-se circular livremente no país sem qualquer constrangimento relacionado com incêndios rurais”, disse André Fernandes.

    Circulação normalizada em todo o país apesar dos incêndios

  • Alterações climáticas estão a provocar incêndios “mais intensos”, alerta Proteção Civil

    A Proteção Civil não ignora a realidade de que os incêndios estão cada vez mais intensos. “Há uma alteração na intensidade dos incêndios, são diferentes do que eram há muitos anos”, afirmou André Fernandes durante o briefing à comunicação social.

    Prova disso, diz, é o facto de que as ocorrências deste ano registam uma taxa de área ardida de cerca de “300 hectares por hora” e que as chamas têm “um arranque muito mais violento logo no seu ataque inicial”.

    O que são os temíveis incêndios de sexta geração?

    De acordo com o Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil, a explicação encontra-se nas alterações climáticas, que estão “a alterar” o território nacional e “as consequências de qualquer ocorrência” que acontece no país (que, além das chamas, deu como exemplo a força e impacto das cheias recentes).

    Nesse sentido, a autoridade voltou a destacar a importância do papel das populações para evitar novos incêndios, apelando a uma redução no número de ignições e lembrando que, não obstante existir um sistema de profissionais preparados, os cidadãos são “o primeiro agente da Proteção Civil”.

  • Proteção Civil confirma: MEO Sudoeste não está em risco

    Sobre a realização do festival MEO Sudoeste, que acontece próximo da área do incêndio de Odemira, André Fernandes confirmou que a realização do evento não está em risco.

    À semelhança do que tinha já sido dito pela Câmara Municipal de Odemira e pela organização, o Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil referiu que “não há qualquer afetação” na área da Zambujeira do Mar, pelo que o festival pode, à partida, prosseguir.

    Incêndios. Organização e município dizem que Festival Sudoeste não está em risco

1 de 4

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.