Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Vacinação de não prioritários nos lares é aproveitamento de sobras

    A vacinação nos lares de idosos “está a correr bem”, disse hoje o presidente da CNIS, que entende que as notícias sobre uma alegada vacinação indevida de pessoas não prioritárias revelam “alguma exploração tendenciosa” de um aproveitamento de sobras.

    A ordem de vacinação nos lares é: primeiro os utentes, em segundo lugar trabalhadores, em terceiro lugar pessoas que estão em contacto com os utentes, que são os chamados dirigentes ativos. Isso tem sido cumprido, tenho ouvido falar de uma ou outra situação em que terão sido outras pessoas, mas tanto quanto me chega ao conhecimento têm sido casos de sobras de vacinas e é bom que sejam aplicadas, mas que sejam aplicadas depois desta ordem e para pessoas que estão ligadas à instituição”, defendeu o presidente da Confederação Nacional de Instituições Sociais (CNIS), o padre Lino Maia.

    Em causa estão notícias de vacinação de pessoas nos lares de idosos que não têm contacto direto com os utentes.

  • EUA repõe restrições a viagens a partir de espaço Schengen, Reino Unido, Irlanda e Brasil

    O Presidente dos EUA vai repor as restrições às viagens a partir de países do espaço Schengen, Reino Unido, Irlanda e Brasil para travar a expansão da pandemia de Covid-19, anunciou hoje a Casa Branca.

    À lista, Joe Biden acrescenta ainda a África do Sul, que não fazia parte, anteriormente, do conjunto de países com restrições de entrada nos EUA que o ex-Presidente Donald Trump levantou antes de abandonar o cargo, em 20 de janeiro.

    O Presidente decidiu manter as restrições que existiam anteriormente para o espaço Schengen, Reino Unido, República da Irlanda, e Brasil”, anunciou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaku, através de um comunicado.

    O anúncio confirma as notícias avançadas nas primeiras horas de hoje pela televisão CNN e pela publicação Político, que citavam fontes da Casa Branca.

  • ONU prevê um crescimento da economia mundial de 4,7% em 2021

    A Organização das Nações Unidas (ONU) prevê que a economia mundial cresça 4,7% em 2021, depois de uma recessão apontada de 4,3% em 2020 devido à pandemia de Covid-19, foi hoje divulgado.

    Nas previsões económicas hoje divulgadas, a ONU sublinha que a atual crise pôs à vista os problemas do sistema económico mundial e diz que o seu impacto pode fazer-se notar durante anos, sobretudo se não se tomarem as medidas adequadas, de acordo com a agência Efe.

    O relatório da ONU apela aos governos a evitar a todo o custo políticas de austeridade e alerta o impacto devastador que a pandemia teve no emprego e no aumento da pobreza e das desigualdades.

  • Brasil teve em 2020 menor arrecadação de impostos em 10 anos

    Receita Federal brasileira encerrou 2020 com uma arrecadação de impostos de 1,479 biliões de reais (223 mil milhões de euros), menos 6,91% face ao ano anterior, naquele que é o menor resultado em 10 anos.

    Num resultado afetado, principalmente, pelos efeitos na economia da pandemia de Covid-19, a Secretaria da Receita Federal considerou hoje “excelente” o resultado, tendo em conta as dificuldades que o país atravessou no ano passado.

    No combate à mais severa crise sanitária de saúde que o mundo enfrentou em 100 anos, no ponto de vista da arrecadação da União e dos estados, essa recuperação está bastante sólida”, afirmou o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.

  • Vacinação de políticos. Ordem dos enfermeiros teme que sirva para "desculpar autarcas e provedores chico-espertos que furaram plano"

    Titulares de órgãos de soberania vão começar a receber a vacina contra a Covid-19 na próxima semana. Bastonária da Ordem dos Enfermeiros fala num “péssimo exemplo” e vai escrever a Marcelo.

    https://observador.pt/2021/01/26/politicos-vacinados-enfermeiros-acusam-governo-de-desculpar-autarcas-e-provedores-chico-espertos-que-furaram-plano-de-vacinacao/

  • EUA próximos de imunidade de grupo até ao verão, diz Biden

    A população dos Estados Unidos irá aproximar-se “até ao verão” da imunidade de grupo para o novo coronavírus, afirmou hoje o presidente norte-americano Joe Biden, que reviu em alta os objetivos iniciais de vacinação.

    “Estou confiante no facto de que daqui até ao verão estaremos bem encaminhados para a imunidade de grupo”, afirmou Biden.

    A disponibilidade de vacinas estará generalizada “até à primavera”, disse ainda o presidente norte-americano, apontando como alcançável o objetivo de administração de 150 milhões de doses nos primeiros 100 dias da nova Presidência, acima dos 100 milhões de doses inicialmente previstos.

  • Mais 627 mortes e 26.816 infeções no Brasil nas últimas 24 horas

    O Brasil, país lusófono mais afetado pela pandemia, contabilizou 627 mortes e 26.816 infeções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, informou hoje o Ministério da Saúde brasileiro.

    No total, a nação sul-americana concentra agora 217.664 óbitos e 8.871.393 casos positivos de Covid-19 desde o início da pandemia, que foi registada oficialmente no país no final de fevereiro último.

    Os números de mortes e infeções contabilizados nesta segunda-feira ficaram significativamente abaixo dos registados na semana passada, situação que já é habitual durante e após os finais de semana, devido à redução do número de funcionários que processam os dados dos testes ao novo coronavírus, segundo já explicou o próprio executivo.

  • Primeiro caso da variante brasileira detetado nos EUA

    Foi detetado no estado norte-americano do Minnesota o primeiro caso da variante brasileira do novo coronavírus, avança o The Washington Post. Trata-se de uma residente do estado que viajou recentemente para o Brasil.

  • Fosso entre países ricos e pobres na capacidade de vacinação preocupa OMS

    O fosso entre países ricos e pobres na capacidade de vacinação contra a Covid-19 está a aumentar e preocupa a Organização Mundial da Saúde (OMS), admitiu hoje o diretor-geral da agência da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

    A OMS continua a precisar de um investimento de 26 mil milhões no seu dispositivo para acelerar o acesso a ferramentas de combate à pandemia e, de acordo com um estudo da Câmara de Comércio Internacional, citado por Tedros, “o nacionalismo da vacinação pode custar à economia global até 9,2 biliões de dólares”.

    “Quase metade desse montante, cerca de 4,5 biliões, serão perdidos pelas economias mais ricas”, acrescentou.

  • Nuno Jacinto admite que doentes do privado possam ser esquecidos no próximo grupo a ser vacinado

    Nuno Jacinto, presidente da associação de medicina geral e familiar, não revela quando é a vacinação de doentes de risco com mais de 50 anos vai começar, mas faz um balanço positivo da administração de vacinas até ao momento.

    “Neste momento ainda não é possível dizer quando é que vai começar a distribuição de vacinas”, revelou no Resposta Pronta da Rádio Observador. Ainda assim, anunciou que os médicos de família tem estado a selecionar os utentes com mais de 50 anos e que sofrem de doenças crónicas que vão ser vacinados na primeira fase.

    Relativamente aos doentes que preferem ser tratados nos hospitais privados e que não têm contacto com o médico de família ou com o centro de saúde a que pertencem, Nuno Jacinto admite a possibilidade de os doentes serem esquecidos. Para o evitar, o presidente da associação aconselha a que os utentes entrem em contacto com o médio habitual, que “fará chegar essa informação à unidade de saúde”.

    Por fim, Nuno Jacinto frisou o “grande esforço” com que tem sido levado a cabo o plano de vacinação até ao momento: “É de forma meritória e temos tido resultados muito positivso na vacinação dos profissionais de saúde e dos idosos” que residem em lares.

    Vacinas. Doentes do privado podem ser esquecidos, alerta Associação de Medicina Geral e Familiar

  • Covid-19. Hospital do Algarve nega ter pedido doação de materiais ou bens nas redes sociais

    O Centro Hospitalar Universitário do Algarve advertiu que fazer pedidos solidários em nome da unidade de saúde “é fraude”. Pedido foi feito por médica internista “sem conhecimento da administração”.

    Covid-19. Hospital do Algarve nega ter pedido doação de materiais ou bens nas redes sociais

  • Número de hospitalizações continua a subir em França

    O número de pessoas internadas em França continua a subir com quase 30 mil pacientes em hospitais devido à Covid-19 e 3.041 desses pacientes estão internados nos cuidados intensivos, segundo dados divulgados hoje pelas autoridades gaulesas.

    Nas últimas 24 horas morreram 445 pessoas nos hospitais elevando assim o total de mortos no país devido ao vírus para 73.494.

    Com o aumento dos números, os meios de comunicação franceses falam na possibilidade de um novo confinamento, mas o Eliseu mantém-se distante dos rumores, anunciando hoje que o Presidente não falará ao país nos próximos dias e dando assim a entender que não haverá qualquer decisão até fevereiro.

    Desde domingo, a França registou 4.240 novos casos de Covid-19 e o total de casos confirmados desde o início da pandemia é agora de 3.057.857.

  • Testes antigénio prosseguem nas escolas que permanecem abertas

    O processo de testagem à Covid-19 nas escolas prossegue para alunos e funcionários em todos os estabelecimentos que continuam abertos para filhos de trabalhadores essenciais no contexto da pandemia, adiantou hoje o Governo.

    Na sequência das deliberações do Conselho de Ministros da passada quinta-feira, o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação informam que o processo de testagem prossegue nas escolas de acolhimento para filhos e outros dependentes dos trabalhadores de serviços essenciais e que servirão refeições aos alunos abrangidos por apoios no âmbito da Ação Social Escolar. Serão priorizados, tal como definido no plano inicial, os estabelecimentos de ensino localizados em concelhos de risco extremamente elevado”, lê-se numa nota hoje divulgada pelo Ministério da Educação.

    Devido ao agravamento da pandemia de Covid-19 nas últimas semanas, o Governo decidiu na passada semana o encerramento das escolas de todos os níveis de ensino por 15 dias, até 8 de fevereiro, como forma de travar o avanço das infeções.

  • Covid-19: Bruxelas considera inaceitável atraso de vacina da AstraZeneca e admite ações

    A Comissão Europeia considerou hoje “inaceitável” o anúncio da farmacêutica AstraZeneca de que facultará menos doses da vacina Covid-19 à União Europeia (UE) do que acordado, e admite avançar com “qualquer ação necessária” para exigir o cumprimento do contrato.

    Na passada sexta-feira, a AstraZeneca anunciou surpreendentemente à Comissão e aos Estados-membros da UE que pretende entregar doses consideravelmente menores, nas próximas semanas, do que acordado e anunciado. Este novo planeamento não é aceitável para a UE”, disse hoje a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

    Numa curta declaração à imprensa após uma reunião por videoconferência entre o executivo comunitário, a farmacêutica e representantes dos 27 Estados-membros da UE, a responsável notou que ainda persistem “questões e importantes e sérias”.

  • 8.562 novos casos e 420 mortes em Itália

    Nas últimas 24 horas foram registados 8.562 novos casos e 420 mortes, o que representa uma diminuição face ao número de casos registados no dia anterior (11.629) mas, no sentido inverso, um aumento no número de mortes face aos números de ontem (299).

    Desde o início da pandemia foram contabilizados 2.475.372 casos positivos para o novo coronavírus.

  • Espanha. Nunca houve um número tão alto de mortes e novos casos num fim de semana

    Este fim de semana houve 93.822 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e 767 mortes em Espanha, um novo máximo num fim de semana desde o começo da pandemia.

    A incidência acumulada continua a subir com uma média de 885 pessoas em 100.000 habitantes a testarem positivo à Covid-19 nos últimos 14 dias. Na semana passada a cifra estava nos 824 casos positivos por 100.000 habitantes.

    No total, 2.593.382 pessoas já foram contagiadas pelo novo coronavírus e 56.208 morreram.

  • Vacina da Moderna eficaz contra novas variantes

    Moderna avançou que a sua vacina garante a proteção contra as variantes sul-africana e do Reino Unido. No entanto, por precaução, a farmacêutica vai testar novo reforço contra a variante sul-africana.

    Vacina da Moderna eficaz contra novas variantes

  • 700 polícias tem Covid-19

    A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia estima que haja cerca de 700 agentes com Covid-19, avança a RTP. É “um aumento considerável”, segundo Paulo Santos.

    Segundo o presidente da associação, durante este mês vários polícias foram chamados para reforçar as ações de fiscalização. Além disso, Paulo Santos refere ainda que existe o processo de testagem de Covid-19 é realizado de maneira desorganizada e vários agentes são notificados para integrarem as equipas de fiscalização mesmo tendo contactado com infetados.

    Paulo Santos defende ainda que a solução passaria pela vacinação dos agentes policiais, mas por agora ainda não há qualquer data para o início da adminsitração das vacinas na polícia.

  • Sintra. Cadeia da Carregueira em isolamento

    O estabelecimento prisional da Carregueira, em Sintra, está encerrado a visitas e em isolamento. Na origem estão 10 casos positivos de Covid-19 — três reclusos e sete funcionários, avança o CM.

    Segundo o mesmo jornal que cita fonte oficial dos serviços prisionais, os três reclusos foram encaminhados para o Hospital-Prisional de São João Deus. Já os sete funcionários estão a cumprir isolamento profilático desde casa.

    Os restantes reclusos e funcionários estão obrigados a usar máscara durante todo o tempo.

1 de 4