Rádio Observador

PAN

A ditadura da profunda ignorância

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
2.732

Desconhecem por completo o mundo rural e a sua verdade. Urbanitas incultos e incoerentes que para se aproximarem do mundo rural precisam de perverter a própria natureza.

Das demagogias baratas à mais profunda ignorância: PETA e PAN. E tantos mais! Mas desta vez calhou-lhes a fava e decidiram sugerir e apoiar uma proposta daquelas, mais um tesourinho daqueles!

Sobre a proposta de substituição de expressões como “pegar o touro pelos cornos” por “pegar a flor pelos espinhos”, e depois de muitas gargalhadas como reacção, importa perceber as intenções de uma proposta assim. São ideias que começam a surpreender- nos cada vez menos porque começamos a habituar-nos à sua ignorância, à pequenez dos seus pensamentos e ao ridículo das suas teses.

Mais uma vez vêm revelar uma profunda ignorância e um profundo desconhecimento. Desconhecem por completo o mundo rural e a sua verdade. Invadem, sem qualquer tipo de vergonha, a sabedoria de quem vive a ruralidade todos os dias e esta é só mais uma das consequências que a distância entre as cidades e o campo está a provocar. Urbanitas incultos e incoerentes que para se aproximarem do mundo rural precisam de perverter a própria natureza. Esquecem-se da verdadeira maneira de a proteger: respeitar a essência, o tempo, a função e o propósito de criação.

Toda esta polémica teria sido ignorada por mim se não fosse mais um sinal da ditadura que todos os dias nos tentam impor. O espaço que este tipo de ideias ocupa na agenda cresce a passos largos, as ideias e os pensamentos invadem a internet, a televisão, os dias e, consequentemente, a mentalidade das pessoas.

Tentam moldar a sociedade à imagem e semelhança deles. Actuam em nome do bem e erguem, vaidosamente, a bandeira da salvação da humanidade, escondendo, assim, as verdadeiras intenções e os verdadeiros objectivos. Agem mascarados e camuflados e pervertem os valores, tentando construir uma realidade manipulada e totalmente contra-natura.

Atentam contra a sociedade, contra a família, contra a responsabilidade social, contra a liberdade, em suma, contra o próprio Homem. Que homens quererão para o futuro? Ditadores intolerantes e violentos, incapazes de distinguir o razoável do ridículo, perseguidores autoritários e intransigentes, incapazes de defenderem a vida humana, a liberdade humana e de preservarem o que durante tantos anos tantos lutaram para conquistar. Estão todos empenhados na construção de um Homem novo, desejosos de um mundo novo, um mundo construído e manipulado por eles, um mundo, por isso, tão pouco natural.

Não posso terminar sem lhes desejar um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo na esperança de que este tempo traga ideias melhores e bem mais construtivas. No fim de contas é disto que o mundo precisa!

Estudante, 22 anos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

A camioneta fantasma do PSD

Teresa Cunha Pinto
155

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e incompetência enquanto líder.

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)