Rádio Observador

Ocidente

A família transatlântica /premium

Autor

Apesar da vincada variedade de preferências políticas dos inúmeros participantes do Estoril Political Forum, todos subscreveram os apelos de Churchill e Thatcher à unidade do Ocidente.

Na semana passada, entre segunda e quarta-feira, decorreu no Hotel Palácio do Estoril a 27ª edição do Estoril Political Forum, promovido pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica. Mais de 700 pessoas (entre as quais cerca de 100 estrangeiros) participaram no encontro, que é por sinal o maior encontro anual de Estudos Políticos que tem lugar entre nós há quase 27 anos.

Não creio, no entanto, que o número de participantes e a antiguidade tenham sido os aspectos mais marcantes do Estoril Political Forum. Julgo que o aspecto mais decisivo terá sido a re-união em clima civilizado ( e com um estrito dress code) de académicos e analistas das mais diferentes inclinações políticas — que raramente dialogam directamente entre si hoje em dia.

Havia conservadores, democratas-cristãos, liberais, libertários, sociais-democratas e socialistas democráticos (mas não havia comunistas nem fascistas). Havia apoiantes e críticos de Donald Trump, apoiantes e críticos do Brexit, defensores e críticos do federalismo europeu. Houve um jantar britânico (Jantar Winston Churchill, com o Embaixador britânico e sua mulher), um almoço francês (almoço Raymond Aron), um jantar americano (Jantar George Washington, com Embaixador americano e sua mulher), um almoço italiano (Almoço Luigi Einaudi, em que o Embaixador italiano não pôde estar, mas fez questão de enviar excelentes vinhos italianos) e um jantar alemão (Jantar Konrad Adenauer, com Chargé d’Affaires da Embaixada da Alemanha, devido ao recente final de mandato do Embaixador).

O que é que terá levado esta variedade de participantes a aceitar encontrarem-se no mesmo espaço, nalguns casos durante três dias? Um factor decisivo foi certamente o Hotel Palácio do Estoril — o hotel dos Aliados anglo-americanos durante a II Guerra Mundial, onde Ian Fleming criou a personagem de James Bond. Permanece um lugar de clássica compostura e boas maneiras — num mundo crescentemente dominado pela ideologia vulgar dos chinelos, sapatos de ténis, ausência de gravata, e barba por fazer.

Um possível factor adicional poderá ter sido o tema central do Encontro: “A Aliança Transatlântica: 75 anos depois do D-Day; 70 anos depois da fundação da NATO; 30 anos depois de Tiananmen; 30 anos depois da queda do Muro de Berlim”. Por outras palavras, todos os participantes — com diferentes pontos de vista — subscreviam os valores da democracia liberal que define o Ocidente.

Como foi sublinhado aos longo do Encontro, estes são valores perenes, que não dependem de quem dirige temporariamente cada uma das democracias ocidentais. Seria muito desagradável, por exemplo, confundir o legítimo desconforto com o Presidente Trump com o afastamento da crucial aliança euro-americana. Seria também muito desagradável confundir o voto britânico pela saída da União Europeia com o afastamento estratégico entre a UE e o Reino Unido.

Winston Churchill — que foi repetidamente citado no Encontro do Estoril — enfatizou inúmeras vezes a importância crucial de manter a unidade entre as democracias ocidentais. No célebre discurso em que denunciou pela primeira vez a “Cortina de Ferro” soviética (proferido a 5 de Março de 1946, no Westminster College, em Fulton, Missouri, na presença do Presidente Truman), Churchill disse:

“Se as democracias ocidentais agirem em conjunto em estrita aderência aos princípios da Carta das Nações Unidas, a sua influência na promoção desses princípio será imensa e ninguém ousará molestá-las. Se, pelo contrário, as democracias se deixarem dividir e ou se fraquejarem no cumprimento do seu dever e se estes anos cruciais forem desaproveitados, então de facto uma catástrofe pode cair sobre nós.”

Falando cinquenta anos depois no mesmo Westminster College, Margaret Thatcher reafirmou a mesma preocupação com a unidade do Ocidente:

“O Ocidente não é apenas uma construção da guerra fria, destituída de significado no nosso mundo actual, mais livre e mais fluido. O Ocidente assenta em distintivos valores e virtudes, ideias e ideais, e sobretudo sobre uma comum experiência de liberdade ordeira. […] Para defender e sustentar estes valores, a relação política atlântica deve ser constantemente alimentada e renovada.”

Apesar da vincada variedade de preferências políticas dos inúmeros participantes do Estoril Political Forum, todos subscreveram estes apelos de Churchill e Thatcher à unidade do Ocidente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

“Puff the Magic Dragon…”

Jorge Silveira Botelho

A Europa tem vivido num regime egocêntrico e aburguesado, subestimando ameaças e dando-se muitas vezes ao luxo do escárnio e maldizer sobre aqueles que sempre lhe deram a mão quando precisaram.

NATO

Portugal, a NATO e o mar: os primeiros 70 anos

Duarte Bué Alves
134

Se é no Atlântico Norte que se joga a nossa segurança imediata, temos de pensar nessa mancha enorme de portugalidade que resulta da zona económica exclusiva e de uma plataforma continental alargada.

Ocidente

Eleições e Democracia /premium

Diana Soller

Se achámos que as democracias eram resilientes – tão resilientes que as demos por garantidas – quaisquer instituições que as substituam (tendencialmente mais autoritárias) serão resilientes também.

Rússia

Putin, os jihadistas e o ódio ao Ocidente

José Pinto

O muro de Berlim caiu a 9 de novembro de 1989. Foi há pouco tempo para quem faz da condenação do modelo ocidental a razão da existência, para quem continua a não querer estar do lado certo da História

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)