Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Movimento Europa e Liberdade resolveu ouvir na sua III convenção, em Maio, várias pessoas, e entre elas os líderes dos partidos que se sentam à direita do Partido Socialista na Assembleia da República. Um deles é André Ventura. Imediatamente, a extrema-esquerda e os seus idiotas úteis, com o inevitável conselheiro Louçã à frente da banda, decretaram estarem infamados todos os que, mesmo por distração, pisarem a alcatifa ou ligarem o zoom da convenção. Estariam a “normalizar” o fascismo e não sei mais que outros nefandos ismos atribuídos, também por decreto deles, a Ventura. O primeiro convidado do MEL seleccionado para alvo dessa campanha de ódio foi o deputado do PS Sérgio Sousa Pinto.

Valerá a pena argumentar com a banda do conselheiro Louçã? Valerá a pena lembrar que debater com uma pessoa ou ouvir uma pessoa não é concordar com essa pessoa? No MEL, vão estar Rui Rio, Francisco Rodrigues dos Santos, João Cotrim de Figueiredo e André Ventura. Nem eles concordam em tudo entre si, nem todos os outros convidados concordarão em tudo com eles. Mas alguém não percebe isto?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.