Rádio Observador

António Costa

António Costa e a portugalização da Europa /premium

Autor
264

Em vez de “europeizar Portugal”, o governo tem-se ocupado sobretudo com fantasias de “portugalizar a Europa”, isto é, de reduzir a UE à redistribuição de rendimentos através do poder político.

Durante anos, a modernização de Portugal foi sugestivamente expressa pela ideia de “europeizar” o país, isto é, de o aproximar dos padrões de organização e das maneiras de ser da Europa ocidental. Nos primórdios da democracia, europeizar significou não apenas recusar a ditadura e a pobreza do passado, mas também a ditadura e a pobreza daqueles que, em vez da Europa ocidental, tinham como referência a Europa soviética ou as tiranias de folclore e de miséria do Terceiro Mundo. A decisão de Cavaco Silva sobre a adesão portuguesa à moeda única, na década de 1990, resume o sentido dessa “europeização”: tratava-se, num Estado e numa sociedade minadas por défices e por desvalorizações, de fazer da integração europeia um princípio de disciplina orçamental e o incentivo para desenvolver uma competitividade que não passasse simplesmente por salários baixos.

Sabemos que acabou por não ser assim. Em 1995, o poder caiu nas mãos dos actuais ministros, então ainda só secretários de Estado ou assessores e com menos parentes para empregar no Governo. A partir daí, a ideia de aumentar o bem estar no país através da criação de riqueza foi substituída pelo projecto de aumentar o poder do Estado através da apropriação e redistribuição dos recursos existentes. A atitude para com a integração europeia também mudou: já não era vista como um factor de mudança, mas antes como um meio de evitar mudanças. Foi neste novo contexto que o euro, a partir de 2000, serviu sobretudo para facilitar o endividamento do Estado e dos bancos e empresas na sua órbita. Assim pôde o regime compensar socialmente a estagnação que afectou a economia logo que, terminada o proteccionismo inflacionista e alfandegário, não se cuidou de melhorar a sua competitividade.

Em vez de “europeizar Portugal”, o poder socialista tem-se ocupado sobretudo  com fantasias de “portugalizar a Europa”, isto é, de reduzir a União Europeia a um mecanismo de redistribuição de rendimentos através do poder político. Nessa união de “apoios”, “transferências” e “mutualizações”, cada Estado funcionaria como uma espécie de federação nacional dos clientes e dependentes que, dentro das suas fronteiras, lutam entre si para disputar uma fatia do bolo do Estado e que, fora das fronteiras, lutariam juntos para obter uma fatia do bolo da UE. É esta inspiração que atravessa a entrevista de António Costa sobre a Europa, publicada no passado domingo. Costa faz doutrina sobre muitos temas. Mas a “questão do euro”, a reconciliação dos povos com a “globalização” ou a ideia de que a prosperidade dos países do norte é conseguida à custa dos países do sul são usadas em carrossel sempre para justificar esquemas de transvase de dinheiro. E como seria de esperar, toda a resistência a esse projecto é atribuída a uma “crise dos valores demo-liberais”. É verdade que, pelo meio, Costa fala de “reformas”. Mas para sugerir, se bem o entendi, que terá sido uma concessão mais ou menos simbólica à Alemanha, a fim de obter o que interessa: a “estabilização”, isto é, o financiamento europeu de sistemas demasiado inviáveis para resistir a conjunturas menos expansivas.

Eis a grande visão da oligarquia portuguesa: projectar na Europa, ou numa parte da Europa (necessariamente a parte mais rica), os seus arranjos de poder em Portugal. Esta Europa “portugalizada” funcionaria assim como o contexto em que, em Portugal, uma pequena clique instalada no Estado e cada vez mais fechada sobre si própria continuaria a alimentar as suas clientelas e a desfrutar o poder num país em declínio. Não está mal pensado, e as políticas do BCE, sem as quais os juros da dívida seriam pelo menos o dobro, têm alimentado a expectativa. Mas convém provavelmente que, para além de Mario Draghi, olhemos para os votos e as manifestações na Alemanha, na Itália e em França. Talvez sejam a escrita na parede deste palácio imaginário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
447

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)