Rádio Observador

Assembleia Da República

As drogas “levezinhas” do Bloco de Esquerda

Autor
  • Pedro Afonso
4.614

Como psiquiatra, e pela experiência clínica de ter observado muitos casos de doenças psiquiátricas ligadas ao consumo de canábis, sou contra a legalização. Espero que haja bom senso e responsabilidade

O Bloco de Esquerda vai propor no Parlamento a legalização da canábis para fins recreativos. Esta iniciativa do BE segue-se à legalização da canábis para os mesmos fins, realizada recentemente pelo Canadá. A Associação Médica do Canadá alertou para os perigos para a saúde pública desta experiência legislativa que designou como “descontrolada”, responsabilizando o governo para o risco do aumento do consumo desta droga. Já durante o verão, várias empresas canadianas que pretendiam comercializar canábis, antecipando-se à sua legalização, ocorrida no passado dia 17 de Outubro, fizeram campanhas e investimentos publicitários junto dos jovens, em concertos e festivais de música.

Como resultado de crenças erradas, difundiu-se a ideia, junto de algumas pessoas menos informadas, de que existem drogas leves.  A canábis é vista como uma “droga levezinha” que não faz mal à saúde. “Fumar um charro faz menos mal do que fumar um cigarro”, é uma frase que se escuta com frequência. E o raciocínio estabelecido é o seguinte:  se não faz mal à saúde, porque razão se deverá proibir o seu acesso para fins recreativos?

Existe abundante literatura científica que revela os riscos para a saúde da utilização da canábis. Irei apenas citar um artigo de revisão publicado no The New England Journal of Medicine (Volkow et al, 2014). A utilização da canábis a curto prazo está associada a alterações da memória (dificultando a aprendizagem e a retenção de informação), alterações da coordenação motora (aumentando o risco para acidentes de viação), alterações do juízo crítico (aumentando os comportamentos sexuais de risco), e a um aumento de risco para o desenvolvimento de psicoses.

Mas a lista dos efeitos nefastos alarga-se, no caso do consumo a longo prazo.  Se o consumo diário tiver início durante a adolescência, existe um potencial de adição que atinge 25-50% dos indivíduos. Estes adolescentes apresentam alterações do normal desenvolvimento do cérebro, com prejuízo dos resultados académicos e um maior risco de abandono escolar. Verifica-se um evidente compromisso da função cognitiva (o QI é atingido) e uma diminuição da satisfação com a vida. Finalmente, observa-se um maior risco de aparecimento de psicoses, nomeadamente esquizofrenia, para aqueles que são suscetíveis a desenvolver esta doença.

Esta lista de consequências seria suficiente para aconselhar prudência e preocupação no legislador. Recordo que não estamos a falar da canábis para fins medicinais — cuja  utilização é controlada medicamente em situações clínicas muito específicas —, neste caso, estamos a falar de permitir a utilização indiscriminada de canábis que contém uma substância psicoativa potente (tetraidrocanabinol – THC), cujo efeito no cérebro, como vimos, se pode tornar extremamente prejudicial e nocivo.

Seria pedagógico convidar alguns dos senhores deputados, que agora propõem a legalização da canábis, para passar algum tempo nos serviços de urgência de psiquiatria e de pedopsiquiatria para verificarem in loco os inúmeros casos de adolescentes e jovens que dão entrada regulamente com quadros psicóticos gravíssimos, decorrentes do consumo desta substância. Alguns deles desenvolvem psicoses breves, enquanto outros, mais suscetíveis, desenvolvem esquizofrenia ou perturbações delirantes persistentes.

Não é possível prever antecipadamente quem irá ser afetado por estes quadros psiquiátricos mais graves, que tanto prejuízo e sofrimento trazem para os próprios e para os seus familiares. Mas é possível saber que o consumo de canábis de forma recreativa aumenta o risco destas doenças psiquiátricas. Portanto, diria que não existem “drogas levezinhas”, mas antes drogas que podem destruir a vida das pessoas mais depressa e drogas que podem destruir a vida das pessoas mais devagar.

Se a Assembleia da República legalizasse o consumo recreativo de canábis, daria um sinal errado às crianças e aos adolescentes sobre os perigos associados ao consumo de drogas. Além disso, em face dos dados científicos disponíveis, a AR ao legalizar o consumo da canábis não está a defender o bem-comum, nem tão-pouco a salvaguardar a saúde dos cidadãos. Os pais e professores seriam colocados numa posição difícil. De que forma poderiam ensinar as crianças e os adolescentes a evitarem o consumo de drogas, se o Estado dá um sinal contrário, legalizando-as?

Como psiquiatra, e pela experiência clínica de ter observado muitos casos de doenças psiquiátricas associadas ao consumo de canábis, sou contra a sua legalização. Espero que haja bom senso e responsabilidade política, num assunto tão delicado como este.

Médico Psiquiatra

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Assembleia Da República

Quotas para quem?

Pedro Morais Vaz

Quem nos garante que, caso os africanos passem a beneficiar de quotas, não teremos os brasileiros – um dos grupos mais discriminados em Portugal – a exigir o mesmo tratamento no dia seguinte?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)