Rádio Observador

Presidente Trump

As duplas faces de Trump

Autor
  • Salvador Furtado
124

Trump faz da política um jogo. Enfraquece os outros à procura de se fortalecer a si. A visita ao Reino Unido foi como uma corrida de cavalos e Trump fez uma aposta – num senhor com o cabelo como o seu

Durante as últimas semanas temos testemunhado as (duras) negociações entre o governo dos EUA e o governo Chinês. Ao que tudo indica e, desacredite-se aquele que julga que esta guerra comercial afeta exclusivamente estes dois intervenientes, não parece existir fim à vista. As primeiras projeções são claro, negativas. Analistas financeiros alertam para a possibilidade de existir um período de recessão se as taxas propostas pela administração Trump forem aplicadas. Não obstante esta possibilidade, Wall Street já sentiu os efeitos da guerra comercial e tem desde sexta-feira, dia 31 de Maio, vindo a baixar os seus valores substancialmente. O mesmo se repara no Dólar que esta segunda feira não aguentou a pressão do Euro e teve uma desvalorização expressiva.

Trump não se limita ao impasse com a China e impõe também um aumento das taxas alfandegárias a todos os produtos provenientes do fronteiriço México – o pretexto usado é sobretudo a imigração ilegal. Ainda assim, é fácil de se perceber que tudo isto é o começo da sua campanha de reeleição. O próprio que gosta de se autointitular como um negociador implacável, que não dá tréguas, a uma das suas principais bandeiras da campanha de 2016

Os Estados Unidos não estão apenas numa Guerra Comercial, estão em múltiplas.

Se por um lado luta afincadamente contra aqueles que o prejudicam, Donald Trump, no caso do Reino Unido, aplica um método diferente – aplica um jogo duplo. Faz lembrar a carismática personagem da trilogia do Batman, Harvey Dent, o senhor das Duas-Faces.

Ainda não tinha aterrado em Londres e já tinha tweetado um provocador comentário sobre Sadiq Khan, o Mayor Londrino, afirmando que este era um falhado. Uns dias antes afirmou que Boris Johnson era a pessoa indicada para substituir Theresa May à frente do Partido Conservador, que Nigel Faraje deveria estar presente nas negociações do Brexit e ainda que a saída do Reino Unido da União Europeia deveria ser rápida e sem acordo – não devendo o Reino Unido pagar qualquer tipo de penalização ou divida.

O que está a ser posto em ação é simples: Trump tenta provocar uma onda de desequilíbrio (ainda maior) na política inglesa, o que posteriormente lhe poderá dar mais força para negociar a seu favor. Se Boris Johnson for eleito o novo líder dos conservadores e nesse caso se tornar primeiro-ministro britânico, verá em Trump um homem da sua linha e por isso, com a saída da União Europeia, o principal parceiro comercial norte-americano.

Trump faz da política um jogo. Enfraquece os outros, à procura de se fortalecer a si. A visita ao Reino Unido é também uma corrida de cavalos e Trump já fez a sua aposta – apostou num senhor cujo cabelo se assemelha ao seu.

Esperemos para ver.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)