Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Faz hoje uma semana que Qassem Soleimani morreu num ataque norte-americano em Bagdade.

Desde então, Emmanuel Macron telefonou a Vladimir Putin, o Iraque pediu a retirada dos Estados Unidos do seu território, a China ofereceu apoio militar ao Iraque (para preencher esse território), a NATO suspendeu operações e iniciou um processo de retirada, a Europa apelou a uma ‘descalada’ de tensões, o Irão disparou 22 mísseis balísticos contra bases americanas (sem qualquer baixa), Donald Trump mostrou-se disponível para uma “paz com todos os que a procurarem” e um avião com 138 passageiros (iranianos, canadianos, ucranianos, suecos, afegãos, alemães e britânicos) foi acidentalmente abatido em Teerão.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.