Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A ligação entre a literatura e os telegramas diplomáticos é lendária, ainda que incomum. Os textos de Isaiah Berlin ao serviço do Foreign Office tinham uma qualidade tal que Churchill fazia questão de recebê-los diretamente em Downing Street. John le Carré, de forma mais oficiosa, escreveu as suas primeiras histórias sobre George Smiley enquanto cônsul. William J. Burns, o homem que vai dirigir a CIA da nova presidência americana, é dono de igual dom.

Em 2006, como embaixador dos EUA em Moscovo, assinou um telegrama que se tornaria célebre ‒ particularmente após ser exposto na plataforma Wikileaks. Burns, que trabalhou no Departamento de Estado mais de trinta anos, de Ronald Reagan a Barack Obama, presenciou um casamento no Daguestão, a maior região autónoma do norte do Cáucaso, entre o filho de um deputado da Federação Russa e a respetiva noiva.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.