Rádio Observador

Maternidade

Barrigas e peitos de aluguer

Autor

E a sacralização da gravidez – que, cruz credo, não pode ser de substituição – é tanto mais curiosa quanto durante séculos convivemos, com geral bonomia, com as amas de leite (pagas, evidentemente).

A vida moderna está cheia de perigos. Isto é o que deve ter pensado Carrie Bradshaw, a personagem da série televisiva O Sexo e a Cidade, quando, num encontro casual nas ruas de Nova Iorque com um casal de gays, estes lhe propuseram o fornecimento de um óvulo. Queriam ter filhos, de espermatozóides não tinham falta, a barriga de aluguer já estava contratada e Carrie, achavam, produzia óvulos de boa qualidade. A proposta terminou com a entrega a Carrie do cartão de um deles: a escritora que lhes ligasse se afinal resolvesse alinhar.

Bom, tanto pragmatismo no meio da azáfama nova-iorquina tira romantismo à ideia de produção de descendência. Tal como as notícias dos profícuos dadores de esperma que acabam transmitindo o seu sorriso a largas dezenas de filhos. Ou a clínica de esperma dinamarquesa que tem exportado ‘bebés vikings’ para todo o mundo. Ou os filhos do esperma anónimo (no caso da Grã-Bretanha, não anónimo) que em adultos vão à procura de quem lhes deu metade do DNA.

Mas, em boa verdade, uma gravidez resultante de um preservativo que se rompeu num caso de uma noite também não é romântica. E um casal com problemas de fertilidade que se dedica mês após mês ao método tradicional de conceção de crianças acaba usando mais teimosia e voluntarismo do que desejo ou romantismo. Mais: o casamento por amor é uma realidade com pouco mais de um século e sempre houve numerosos filhos fora do casamento; não vale a pena exigirmos agora purismos às conceções que quantas vezes ocorreram distantes do ideal.

Estas questões do início da vida são propensas às angústias éticas. Para mim estes espermatozóides e óvulos por encomenda são a fronteira nebulosa sobre a qual ainda não tenho opinião definitiva. Manipulações que coloquem o ADN de dois homens no mesmo espermatozóide ou de duas mulheres no mesmo óvulo assustam-me. Em qualquer caso, havendo tantas crianças abandonadas e desamadas no mundo, simpatizo mais com a adoção (que resolve os problemas de crianças já existentes) do que com métodos em que um dos progenitores será um fantasma.

Não vale a pena, no entanto, dar uma de Dolce & Gabbana e equiparar todas as situações em que os filhos não resultam do tradicional boy meets girl e etc. A fertilização in vitro é, para mim e acautelando-se o número e o destino dos embriões, um método aceitável para resolver casos de infertilidade. As barrigas de aluguer – de que se falou muito por estes dias – também. E, tirando as questões sanitárias que envolvam proteção do bebé, não sei por que terá o estado de se envolver neste processo, autorizando ou restringindo.

Para a futura criança e adolescente e adulto, não vislumbro que faça confusão ter-se alojado nove meses numa barriga que não a da sua mãe. Parece-me mais estranho e frio estar meses numa incubadora. E, lá está, mais perturbador ser filho do tal esperma anónimo.

Para a mulher que aluga o útero, caber-lhe-á decidir se é ou não uma ocorrência que lhe ultraje o corpo e a consciência, não necessita para isso de ajuda alheia (e só uma inocência própria de Adão e Eva antes da serpente – para nos mantermos nas metáforas da Criação – pode supor que o legislador seja inspiração para qualquer decisão de vida). Não é uma situação em que eu me quisesse colocar, mas o fim de uma gravidez com barriga de aluguer é nobre (permitir a duas pessoas terem um filho que de outra forma não teriam) e, se acompanhada, não causa transtornos à saúde da mãe. Não é o mesmo que vender um rim (mantém-se todo o sistema reprodutivo) ou, como é comum na China, vender sangue (em condições lúgubres que geralmente terminam com os vendedores seropositivos).

Eu tive duas gravidezes e adorei todo o processo, mesmo com o cansaço, os irritantes quilos a mais, os sobressaltos, o repouso obrigatório nos últimos dias da segunda gravidez. Vivi as gravidezes imensamente feliz e a transbordar de emoções fortes a cada pontapé ou ecografia. Mas não vejo necessidade de sacralizar a gravidez. Há mulheres que odeiam estar grávidas, outras passam meses em repouso absoluto e desesperam, outras vivem com um objetivo último de não ter um grama a mais no minuto a seguir ao parto.

E a sacralização da gravidez – que, cruz credo, não pode ser de substituição – é tanto mais curiosa quanto durante séculos largos convivemos, com bonomia generalizada (incluindo a da Igreja), com as amas de leite (pagas, evidentemente). Ah, não tem nada a ver, dir-me-ão. Tem, tem.

Eu amamentei os meus filhos durante, no total, vinte e dois meses – experiência deslumbrante e deliciosa. E estou nas melhores condições para garantir que ter um bebé nos braços, alimentando-se no meu mamilo, de uma substância que o meu corpo produz (e que requer tantos cuidados na alimentação e na medicação como durante a gravidez – ainda não estou em paz face à privação de chá a que me submeti nestes períodos) e com as hormonas alegres com a produção de leite, não é, de todo, menos íntimo e visceral que ter um bebé na barriga. De resto – como sabe qualquer pessoa que tenha passado os olhos por um livro sobre maternidade – depois da gravidez (ou seja, a gravidez nem sempre garante), a mãe precisa de criar laços com o seu bebé. (Algumas mulheres assumem até que o amor pelos seus bebés não foi imediato depois do parto.) E a forma mais eficaz (não a única) é a amamentação.

O meu ponto? Não é mais mãe quem carrega no útero do que quem amamenta e a humanidade há muito que convive com mães de amamentação de substituição. E ainda mais outro ponto: não temos de nos meter a regular os corpos das outras pessoas para salvar nada mais do que as nossas suscetibilidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)