Rádio Observador

Maioria de Esquerda

Boa saúde, má memória e ilusões! /premium

Autor
179

Eis a condensação de todo um programa, uma atitude, um mote. Eis o caminho para a felicidade dos Portugueses. Isso e a reedição da geringonça-cobradora-sem-fraque mais uma Constituição talvez renovada

O “segredo” da governação de Costa pode resumir-se simplesmente no singelo título desta crónica.

Numa entrevista que li recentemente com o psiquiatra Enrique Rojas, na revista “Visão”, o reputado médico e escritor Espanhol dá a sua receita para a felicidade, indicando que, para quem presta mais atenção ao passado, “a felicidade é ter boa saúde e má memória”; para quem olha mais para o futuro, “a felicidade é ter ilusões”.

Nestes dois meses de “Portugal a banhos”, Costa e companhia vão manter o registo e trabalhar com afinco na nossa felicidade colectiva. O povo apanha sol, aumenta a vitamina D e fica de boa saúde, os banhos ajudam a esquecer as amarguras e as sestas pós-prandiais reavivam sonhos de glória e abundância.

1. O País está de boa saúde, claro! Alguém se atreve a duvidar?

O Serviço Nacional de Saúde (a nova “paixão” Guterrista de Costa) é um bom exemplo. E a motosserra de Costa garante que este ano não há incêndios. Claro que há uns autarcas preguiçosos e maledicentes, umas populações distraídas e uns bombeiros incompetentes. Mas para esses chama-se o Cabrita – que distribui vergastadas, receoso de que a responsabilidade pelos incêndios seja imputada a Sua-Sacrossanta-Excelência-Imune, o Primeiro-Ministro – recorrendo, como em Mação, a ataques ad hominem, pois o autarca local ignora que o Governo está ao abrigo e acima de qualquer crítica.

2. A memória (ou melhor, a ausência dela) está bem visível, como sempre. Basta olhar para os cartazes de pré-campanha do PS que aclamam o “Líder Supremo Costa” por ter cumprido promessas várias na Saúde, Educação, etc. São cartazes irónicos ou mesmo insultuosos para os Portugueses que se lembram do que desesperaram esperando por consultas e cirurgias como nunca; que estiveram em filas intermináveis para obter o cartão de cidadão; ou que viajaram nos comboios da CP entretidos a contar as peças que caíam em cada viagem.

3. E as ilusões também não faltam. Com Costa a governar em regime de maioria absoluta, tudo vai ser possível. É isso mesmo – quando viermos de férias, não esperamos nada menos do que o anúncio bombástico de que o Governo pretende, depois de Centeno no FMI, colocar Marcelo na lua! Assim sugeriu o “Inimigo Público” e assim espero que se revele o volte-face de António Costa em direcção às legislativas. Que seja um arrepiar de caminho ambicioso, divertido, cor-de-rosa e grandioso, para desfazer de vez o marasmo, o pântano cinzento da modorra estival, e que se ilumine gloriosamente o seu sorriso optimista.

Há muito tempo que não se assistia a ciclos tão longos de governação desprovidos de ideias, de estratégias e de conteúdos (com a concorrência feroz, sejamos justos, do espectáculo que decorre no PSD, onde um Rio inspirado nas práticas estalinistas desespera, de borracha em punho, a apagar os registos de qualquer vestígio de resistência, ideias, competência ou desafio).

Só se vê táctica, forma, mais táctica e mais forma. Ah, claro, e impostos.

Não se ouve um plano, não se conhece um pensamento, não se vislumbra um destino. Conhecem-se, isso sim, nomes e lugares – o Eurogrupo, o FMI, a Comissão, you name it. Vislumbram-se, é evidente, aumentos de impostos se Jerónimo, a “justiça” ou a conjuntura assim o exigirem – os depósitos bancários, as transacções financeiras, os imóveis, o céu é o limite.

Vamos finalmente eliminar alguma réstia de inveja, alinhando unanimemente num novo desígnio supremo – tornar todos os Portugueses pobres.

Já nem é apenas de insensibilidade e de falta de ambição, de coragem e de responsabilidade que se trata; é de demissão – do sentido do dever e do respeito para com os cidadãos.

Talvez o problema seja da minha parte, concedo. De análise, de julgamento, de perspectiva, não sei. Talvez este seja, de facto, o novo normal.

Boa saúde, má memória e ilusões. Eis a condensação de todo um programa, uma atitude e um mote. Eis o caminho para a felicidade dos Portugueses. Isso e uma reedição provável da geringonça-cobradora-sem-fraque e possivelmente — porque não? — uma Constituição da República renovada, a caminho de um país colectivizado, que presenteia catarinas com dachas e atrevidos com gulags (com a provável aprovação de Rio).

Pelo meu lado, despeço-me até Setembro trauteando Adriano Correia de Oliveira e a “Trova do vento que passa” de Manuel Alegre:

”…há sempre alguém que resiste,
Há sempre alguém que diz não.”

Será?

Ou escolheremos a confortável receita simples para a felicidade – boa saúde, má memória e muitas mas mesmo muitas ilusões?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Maioria de Esquerda

O Estado da Esquerda

Nuno Carvalho
501

O que o PS fez foi usar meios e dinheiro do Estado para assegurar que o modelo da geringonça se aguentava até ao fim, ignorando as prioridades de um Estado responsável e que funcionasse para todos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)