Rádio Observador

Reino Unido

Brexit: A esperança é que seja desta (2)

Autor
124

Mais de 75% dos deputados votaram contra o Brexit e uma parte substancial apenas diz respeitar o resultado do referendo para não perder o lugar em Westminster. Por isso são um travão a qualquer solução.

A saga tem de acabar e, seja qual for o seu desfecho, o Brexit não pode continuar a ser travado pelo Parlamento Britânico e pela UE. Os acontecimentos desta semana abriram uma oportunidade para a UE27 resolver o assunto de vez.

A esperança é a última coisa a morrer. Em Julho passado escrevi que a entrada em cena do novo primeiro-ministro britânico aumentou a possibilidade de o Brexit caminhar para uma conclusão e que se assim fosse, seriam boas notícias. Como também escrevi na altura, existia apenas um obstáculo à saída do Reino Unido, o Parlamento Britânico, que em termos práticos apenas poderia bloquear o Brexit provocando novas eleições.

A saga britânica evoluiu esta semana, tendo o Governo perdido a maioria no parlamento. A realização de novas eleições está mais próxima, esperando-se que ocorram durante as próximas semanas, em Outubro ou Novembro. O seu resultado é incerto, mas pode ser decisivo para a resolução do Brexit.

O que todos esperamos é que haja um desfecho seja ele qual for. O desfecho depende em primeiro lugar do Parlamento Britânico, que tem 650 MPs (Members of Parliament), mas que tem actuado como um travão à resolução deste assunto.

Como? Basta ver os números. Dos 650 MPs, 544 votaram a favor do referendo (os nacionalistas escoceses foram os únicos que votaram contra), 498 votaram pela activação do art.º 50º que desencadeia o processo de saída da UE, e 562 fizeram a promessa, antes de serem eleitos, de que iriam cumprir o resultado do referendo e garantir a saída do Reino Unido.

Mas desses mesmos 650 MPs, cerca de 500 votaram pela permanência na UE no referendo que aprovaram, 432 chumbaram o acordo proposto pela primeira-ministra May na primeira votação e 328 votaram esta semana contra a saída sem acordo (menos do que os que votaram contra o acordo de Theresa May).

A conclusão é imediata: algumas centenas de MPs estão a ser incoerentes e a bloquear o Brexit. Difícil de compreender? Não, se pensarmos que mais de 75% dos MPs votaram contra a saída do Reino Unido e uma parte substancial apenas diz respeitar o resultado para não perder o lugar em Westminster.

Este é um dado muito importante que tem sido sistematicamente omitido em Portugal e no continente europeu. A consequência imediata é que a aprovação de um acordo pelo parlamento obrigará sempre a grandes cedências pelo Reino Unido, como foi a proposta de Theresa May.

Mas algumas análises e comentários feitos nos meios de comunicação social portugueses preferem incluir outros três pontos. Destes, o primeiro é irrelevante para os 27 estados-membros, e o segundo e o terceiro induzem em erro.

O primeiro é que Boris Johnson é um mentiroso irresponsável, o que papagueia os jornais britânicos que defendem a permanência na UE. Mostra apenas o nosso complexo de inferioridade. O número de portugueses que pretende conhecer intimamente o actual primeiro-ministro e que o sabe pouco honesto é extraordinário. A verdade é que seja qual for o primeiro-ministro, o travão do Parlamento não desaparece.

O segundo é que o referendo foi um erro porque o assunto é muito complexo para ser decidido numa simples pergunta de “Sim ou Não”. Esta é a habitual argumentação de quem não gosta de referendos. Na mesma linha de argumentação facilmente chegamos à conclusão de que eleger um governo em 6 de Outubro próximo é uma decisão complexa pelo que mais vale deixá-la para os “peritos”.

O terceiro resulta do segundo, e o “erro” do referendo leva a que estejamos à espera de que o Reino Unido apresente soluções, como se a responsabilidade fosse apenas dos britânicos. A atitude de que “a culpa não é nossa, eles que resolvam” esquece simplesmente que os custos também virão para o lado de cá do canal, pelo que demonstra apenas leviandade.

Os países da UE27 têm de actuar já

Os desenvolvimentos desta semana trouxeram uma nova oportunidade para solucionar o Brexit ao deixar claro que ou há uma saída sem acordo, se os Conservadores conseguirem a maioria absoluta nas eleições, ou o processo se continuará a arrastar na esperança de que o Reino Unido acabe por não sair (assumindo que Boris Johnson vai pedir a extensão do prazo, o que não é certo). E mesmo que o Reino Unido não saia agora, é muito provável que a questão continue ao longo dos próximos anos com custos desnecessários para todos.

Do lado de cá do canal continuamos no mesmo marasmo. Depois da mesquinhez do início das negociações e do espírito vingativo da proposta de acordo, veio o total imobilismo. A atitude continua a ser a de que a Comissão Europeia não vai mudar a sua posição, pelo que os custos de saída sem acordo vão ser grandes.

Os líderes dos países da UE27 não querem ser acusados de estarem a “empurrar” o Reino Unido para fora da UE e, por isso, concederam já dois alargamentos ao prazo de saída (não incluo aqui a Comissão Europeia, que funcionou sempre como um segundo travão ao Brexit).

Mas estamos a entrar numa fase em que os custos de atrasar uma resolução do Brexit começam a ultrapassar os custos de saída sem acordo. Por isso, uma decisão tem de ser tomada já pelos países da UE27. Quanto mais depressa o assunto se resolver menores serão os custos para as populações, pelo que o interesse dos países da UE27 deverá ser que este processo termine rapidamente.

Os líderes europeus têm de deixar a indolência e ultrapassar a inoperância da Comissão Europeia. Como sugeriu esta semana o Chefe de Governo da Finlândia, o pedido de extensão do prazo de saída não deve ser aceite e o Reino Unido deve sair em 31 de Outubro. Resta saber se há coragem política para isso na UE27.

O texto reflecte apenas a opinião do autor

Economista

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidade de Coimbra

Coimbra: Especulações sobre um bife

Ricardo Pinheiro Alves
627

Porque é que uma instituição veneranda e centenária, criada em Lisboa em 1290 pelo Rei D. Dinis, abandona o reino do saber para entrar no activismo demagógico em que a ciência dá lugar ao marketing?

Impostos

Deixem-nos respirar

Ricardo Pinheiro Alves
1.553

O peso do que nos é imposto asfixia a nossa liberdade. Os portugueses entregam em média quase 40% do seu rendimento ao Estado, o que significa que muitos entregam mais de metade sem se aperceberem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)