União Europeia

Brexit: chegou a altura do bom senso imperar

Autor

Havendo um acordo mínimo no parlamento inglês, e tendo a União Europeia já humilhado suficientemente o Reino Unido, chegou o tempo de encerrar o processo e que a UE27 e o senhor Tusk tenham bom senso.

Os deputados ingleses encontraram finalmente um mínimo comum para aprovarem as condições do Brexit. Agora é preciso que os governos da UE27 e o Sr. Tusk também tenham bom senso e aproveitem a oportunidade para resolver de vez esta questão.

1 – A Primeira-Ministra Theresa May, uma “remainer”, não soube liderar as negociações sobre o Brexit com a UE27.

Após quase dois anos de conversações, Theresa May apresentou um acordo de saída totalmente inaceitável para os britânicos, que foi estrondosamente derrotado no parlamento.

Deixou que a saída ficasse refém de um mecanismo insignificante e desnecessário, o “backstop” para uma fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte, que nenhuma das partes deseja e que nem o “Belfast Good Friday Agreement” exige.

Além disso, aceitou que a negociação das condições de saída e da relação futura com a UE27 fossem feitas em separado, não garantiu que o Reino Unido pudesse negociar acordos comerciais com outros países, e deixou que se instalasse a ideia falsa de que os britânicos estariam a pagar 36 mil milhões de libras para sair.

No meio do processo negocial ainda convocou eleições gerais e defrontou uma tentativa de afastamento pelos seus colegas de partido.

2 – Ao contrário do que os jornais portugueses noticiam, a questão que dividiu os deputados britânicos nunca foi entre o “no deal” e o acordo para o Brexit negociado por Theresa May. Nunca nenhum deputado britânico defendeu como primeira opção a saída sem acordo. Essa opção só surgiu por causa da péssima negociação realizada pela Primeira-Ministra.

A divisão entre os deputados foi sempre entre sair ou ficar na União Europeia, não coincidindo de forma alguma com uma separação entre partidos.

Isto porque a maioria dos deputados votou contra a saída do Reino Unido (75%), os mesmos que aprovaram a realização do referendo por larga maioria, que confirmaram a saída em votação realizada em Fevereiro de 2017, e exactamente os mesmos que foram eleitos com base em manifestos políticos em que os respectivos partidos se comprometeram com a saída.

A realidade é que foram os deputados “remainers”, “tories” e trabalhistas, que prejudicaram os britânicos ao bloquear qualquer solução para o Brexit.

Os trabalhistas foram ainda mais longe, pois colocaram o interesse do partido em tentar forçar a realização de eleições gerais acima do interesse dos britânicos em ter uma saída negociada, que mitigasse os riscos e a incerteza.

3 – Finalmente parece haver um acordo no parlamento britânico. É um acordo frágil, que necessitou de apoio de alguns deputados trabalhistas para compensar os “tories” que votaram contra por se oporem à saída da União Europeia.

Mas é um acordo.

Havendo um acordo mínimo no parlamento inglês, e tendo a União Europeia já humilhado suficientemente o Reino Unido, de tal forma que outro país que queira sair já sabe com o que conta, chegou o momento de encerrar este processo.

Numa altura em que a economia europeia está a desacelerar e em que países como a Alemanha ou a Itália estão em risco de entrar em recessão, a resolução do Brexit reduziria o nível de incerteza e beneficiaria o crescimento e, por essa via, os nacionais de todos os países da UE27.

É preciso que os governos da UE27 e o Sr. Tusk tenham bom senso e aproveitem a oportunidade para resolver de vez esta questão, evitando adiamentos que prolongam dúvidas e ansiedades, e prevenindo a realização de eleições desnecessárias e ridículas (para o Parlamento Europeu) nas ilhas britânicas.

Director do Gabinete de Estudos do Ministério da Economia
O texto reflecte apenas a opinião do autor

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

União Europeia

Por uma UE com futuro

Ricardo Pinheiro Alves

São muitos os sinais de crescente centralismo na União Europeia, cada vez mais preocupantes porque este centralismo que é adjectivado como “democrático” significa na realidade menos Democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)