Incêndios

Deixar arder /premium

Autor
4.616

O que aflige nesta história é a brutal desumanidade das personagens, a começar pela principal. Aquilo espreme-se e não sai dali pingo de semelhança com o que se convencionou chamar uma pessoa.

Há as declarações, obviamente deturpadas, do dr. Costa sobre Monchique ser “a excepção que confirma a regra do sucesso” no combate aos fogos florestais, talvez no sentido em que o Holocausto foi a excepção que confirma a regra do amor pelos judeus na Alemanha nazi.

Há as declarações em que o dr. Costa explica a “complexidade” de Monchique com a “vela de um bolo de aniversário”, que “todos nós apagamos com um sopro, mas quando a chama se alarga e os incêndios ganham uma escala com esta dimensão, não basta os sopros nem alguns dias de trabalho”. É uma analogia esteticamente rica, tecnicamente informada e cuja clareza só uma criança percebe.

Há o momento em que o dr. Costa culpa o eucalipto pela tragédia que afinal é um êxito, num corajoso desafio aos “especialistas” que, armados com “ciência”, “factos” e “realidade”, “provam” a inocência da dita árvore.

Há as fotografias do dr. Costa no Twitter oficial, em que, surpreendido em pleno comando das operações, o estadista ora aponta para um ecrã, ora contempla o telemóvel, ora encosta o telemóvel à orelha. Quando não fogem para praias espanholas, os estadistas distinguem-se por proezas assim, além de exibir a barriga ou o peso da responsabilidade.

Há o “texto” do dr. Costa no Twitter oficial, onde se afirma em “contacto permanente” com ministros, autarcas e uma AGIF (?) para efeitos de “actualizações”, “análise” e “orientações”. Incansável, envia uma “palavra de apoio” (qual?) aos “agentes da proteção (sic) civil” e outra de “solidariedade” (qual?) às “populações afetadas (sic)”.

E depois há as naturais degenerescências do dr. Costa, que rimam com a criatura em cada gesto. Há a protecção civil, um centro de emprego para comparsas que envia sms vagos e acerta sempre que não erra. Há o representante dos bombeiros, munido de uma licenciatura em Sporting. Há uma barbela, competentemente elevada a ministro, que declara grandes vitórias em cenários arruinados. Há polícias que pelos vistos algemam as potenciais vítimas para bem destas. Há “meios” aéreos que não voam, “meios” terrestres que não se entendem e meios malucos que juram pela excelência dos serviços. Há uma empresa indigna de gerir a TVI e excelente para dirigir o SIRESP. Há o SIRESP, embora se houvesse não se notaria a diferença. Há funcionários do “112” que se limitam a desejar “boa sorte” aos aflitos. Há “jornalistas” que repetem ou legitimam as iluminações do chefe. Há silêncio dos parceiros de maioria e dos parceiros da oposição. Há um presidente avesso a ocasiões insusceptíveis de “selfie”. E há uma população que assiste ao circo com fundamental desinteresse, e que vê nos incêndios uma ocasional alternativa aos debates da bola.

Os incêndios, porém, não são o problema. Acidentes acontecem, como acontece a radical inépcia dos que recebem salário para mandar em nós. O que aflige nesta história, e nas histórias que a precedem, é a brutal desumanidade das personagens, a começar pela principal. Aquilo espreme-se e não sai dali pingo de semelhança com o que se convencionou chamar uma pessoa, cheia de defeitos e virtudes. Não se trata apenas um lamentável carácter: é uma coisa com os predicados morais do percevejo médio, a caricatura de um vilão desprovido de empatia, decência e de tudo o que não seja a manha dos simples, um perigo em suma. Estou a falar do dr. Costa.

Quanto ao resto, não vale a pena. Não vale a pena esperar demissões, indignações, sublevações. Não vale a pena respeitar um lugar que não se dá a respeito nenhum. Desde que, no saboroso ano de 2017, os donos do regime resistiram às próprias figuras durante Pedrógão, ficou estabelecido que os donos do regime resistem ao que calha – porque não calha ninguém ousar ou sequer tencionar incomodá-los. Na verdade, as “autoridades” podiam dispensar as chamas e chacinar a tiro centenas de cidadãos que, realizada a limpeza a cargo dos “media”, em poucos dias regressaria a normalidade. “Apatia” é um termo demasiado suave. “Masoquismo” também.

Há dias, tentei explicar à minha amiga Leonor (Freitas da Silva) o desagradável sentimento que o país actual me inspira. Acho que mencionei a vergonha. É pior, Leonor, pior do que vergonha e pior do que desprezo. É a impressão de que atingimos um ponto sem retorno e sem remédio, em que a prepotência é tão arrasadora e a impunidade tão evidente que quem as sofrer calado deixa de ser vítima para se tornar cúmplice. E é a certeza de que a vasta maioria dos portugueses não hesita na escolha. Deixar arder, pois, em Monchique e em todo o lado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Exploração Sexual

O Estado na nossa cama /premium

Alberto Gonçalves
1.939

Na essência a beatice do ensino “progressista” não difere da do juiz de que se fala: ambos se convenceram de que lhes compete evangelizar o próximo – e o pior é que, com frequência, o próximo agradece

Crónica

O Costa da Cristina /premium

Alberto Gonçalves
5.983

A dona Cristina teima: Pedrógão não está esquecido pois não? O dr. Costa balbucia uma salganhada e acaba a pedir vinho verde para o tempero. Ao largo, o resto dos Costas – esposa, crias e nora – sorri

Crónica

A mulher, mas qual mulher? /premium

Alberto Gonçalves
1.777

No fundo, a “mulher” da dra. Joana do CDS não difere da “mulher” da dra. Catarina do BE. Na ânsia de se apoderarem das cabeças alheias esgadanham-se para reduzir sujeitas de carne e osso a caricaturas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)