Rádio Observador

Governo

Os dias nacionais da amnésia /premium

Autor
3.789

Caso tivesse o azar de atropelar uma velhinha, o dr. Costa sairia do carro sob aplausos, a anunciar campanhas de sensibilização para a segurança rodoviária e para os dramas da terceira idade.

O dr. Ferro Rodrigues, personagem que existe, propôs transformar o 17 de Junho no Dia Nacional em Memória das Vítimas dos Incêndios Florestais. E o parlamento em peso, que há dois anos despachou o assunto mediante a aprovação de uma comissão de peritos parcialmente escolhida pelo dr. Ferro Rodrigues e inteiramente útil, voltou a aprovar o que calhou.

O PS quer um “dia da memória” porque sabe não haver nenhuma. Se houvesse, toda a gente se lembraria das figuras que os nossos estimáveis governantes fizeram naqueles desgraçados dias, sob o alto patrocínio de Sua Excelência, o Senhor Presidente da República. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria da grotesca indiferença do dr. Costa, disfarçada sob um ar pesaroso e interrompida para anunciar aos saltinhos a candidatura do autarca lisboeta. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria do “focus group” convocado pelo primeiro-ministro para medir os efeitos dos incêndios na sua popularidade. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria dos bonitos calções que o primeiro-ministro envergou numa praia espanhola enquanto os cadáveres arrefeciam. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria da valentia da então ministra da Administração Interna, uma criatura hoje sem nome que à época, e entre lágrimas, se proclamou a principal vítima de tudo aquilo. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria da eficácia do lendário SIRESP e dos míticos Kamov, não por acaso duas heranças do dr. Costa. Se houvesse memória, toda a gente se lembraria de que, em Pedrógão, um Estado voraz falhou na solitária tarefa que lhe devia competir: assegurar, na medida do possível e do razoável, a segurança física dos cidadãos. Se houvesse memória, enfim, o dia da dita seria dispensável. Assim, é apenas repugnante.

Aliás, é irónica a evocação da memória por parte de um governo que conta justamente com uma amnésia colectiva e galopante para permanecer impune. Não faltam exemplos. Os escassos serviços públicos que importam desabam com estrondo por desvio de verbas para a compra de votos? Sem problema: o dr. Costa aparece a prometer investimento, na próxima legislatura, nos serviços que ele próprio arruinou nesta. A teia de compadrios que o PS representa com gabarito atinge dimensões desmesuradas até para os padrões da Nicarágua? Não vale a pena maçarmo-nos: o dr. Costa irrompe a “priorizar” (?) o combate à exacta corrupção que durante anos não o maçou nadinha. A TAP, esse falido baluarte pátrio, distribui lucros imaginários por comparsas de carne e osso e filiação partidária? Óptimo: o dr. Costa acha surpreendente e desagradável o regabofe que, ao anular a privatização da empresa, o dr. Costa promoveu. A CGD, outra companhia de bandeira, passeia falcatruas sucessivas? Impecável: o dr. Costa insurge-se a acusar o “desplante” do sr. Berardo, invenção do anterior chefe do dr. Costa. O fisco decide assaltar os contribuintes em plena estrada? Evite-se o pânico: o dr. Costa cala-se e manda o ministro e o secretário de Estado do ramo fingirem-se chocados com a prática da única actividade que os excita. Para a semana, é previsível que o dr. César faça um discurso muito crítico da nomeação de familiares para cargos estatais. Esta semana, não sei o que os socialistas farão com as proezas do dr. Constâncio, embora o desembaraço com que varreram as proezas do “eng.” Sócrates já permita ter uma ideia.

Os incêndios de 2017 foram uma tragédia. O resto é uma imensa farsa, protagonizada por criaturas com doses ilimitadas de descaramento. Caso tivesse o azar de atropelar uma velhinha, o dr. Costa sairia do carro sob aplausos, a anunciar campanhas de sensibilização para a segurança rodoviária e para os dramas da terceira idade. Caso, pelo contrário, tivessem o azar de nascer num lugar civilizado, o dr. Costa e os desavergonhados vultos que o rodeiam nunca chegariam ao poder – ou seriam enxotados ao primeiro dos incontáveis escândalos que em Portugal cometem sem escândalo algum.

É tentador, e recorrente, culpar o regime subjugado. Ou o “sistema” instalado. Ou os “media” domesticados. Ou a oposição calada. Ou o que quiserem. A culpa, desculpem lá, é dos portugueses. Incapazes de estabelecer um nexo de causalidade, ou de ligar as acções aos autores e às consequências, os portugueses passam pela vida em sociedade com uma inconsciência quase divertida. Eu, pelo menos, diverti-me bastante a reparar na quantidade de análises que atribuem a abstenção crescente a um alegado “protesto”. Só se agora o povo protesta nas praias e nos “shoppings”, com a jovialidade típica daqueles para quem qualquer porcaria serve. Incluindo, ou talvez principalmente, a porcaria vigente. Sem escrutínio, sem contraponto, sem punição, a porcaria promete durar e deixar uma factura pesada, a título de lembrança. Mas os portugueses não se lembram de nada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)